Pesquisar
Close this search box.
/
/
O problema de gênero nos assistentes de voz

O problema de gênero nos assistentes de voz

A inteligência artificial tem sido programada através de um viés de gênero que pode carregar estereótipos nocivos para alguns grupos de pessoas. Como repensar as máquinas para que sejam mais éticas em termos de gênero?

Em maio deste ano a UNESCO publicou um relatório de 145 páginas sobre os problemas de gênero no setor digital, entre eles a falta de representatividade feminina, e como os produtos tecnológicos refletem esse desequilíbrio.
Uma parte do estudo foi destaque na mídia ao classificar os assistentes de voz como sexistas, perpetuando estereótipos prejudiciais de submissão e servidão às mulheres.

Viés de gênero

Não é nenhuma surpresa que sistemas humanóides sejam criados com base naquilo que entendemos como seres humanos, e é impossível abrir mão de todos os estereótipos existentes.
Contudo, o baixo índice de mulheres e pessoas de diferentes gêneros, como não-binários, por exemplo, nos setores de ciências tecnológicas, resulta em pouca orientação de diversidade nos modelos robóticos atuais.
Todos os principais assistentes de voz do mercado são dublados por vozes femininas, e à medida que a relevância desta tecnologia aumenta, cresce a preocupação de que elas possam reforçar a ideia de que as mulheres são mais adequadas para os serviços que exigem subserviência.
gênero

Riscos reais para pessoas transgênero

Pessoas de gênero neutro, andróginas ou não-binárias também passam por problemas com as inovações criadas com viés de gênero.
Softwares de reconhecimento facial normalmente atribuem a cada rosto um rótulo entre feminino ou masculino, não conseguindo fazer o reconhecimento adequado de pessoas cuja aparência fuja dessa estética padrão.
Em uma entrevista à CNN Business, o estudante não-binário de tecnologia Os Keyes, da Universidade de Washington, comenta que o problema não está em o software errar o gênero das pessoas, mas sim como essas classificações arbitrárias da IA podem policiar, restringir ou prejudicar pessoas trans nos locais em que essas tecnologias estão sendo implementadas – aeroportos, arenas esportivas, shows e aplicativos de segurança, para começar.
gênero

Possíveis soluções

O relatório da UNESCO compartilhou uma lista de recomendações que orientam desenvolvedores de tecnologias IA a encerrarem a perpetuação de estereótipos de gênero, entre elas:

Abolir a prática de tornar assistentes digitais femininos por padrão;

Explorar a viabilidade de desenvolver um gênero de máquina neutro para assistentes de voz;

Ensinar máquinas IA a responderem aos comandos dos usuários utilizando linguagem neutra;

Programar os assistentes digitais para que desencorajem insultos baseados em gênero e linguagem abusiva;

Desenvolver habilidades técnicas avançadas de mulheres e meninas, para que possam orientar a criação de tecnologias de fronteira ao lado dos homens.

Assistente de voz sem gênero

Durante a última Parada do Orgulho LGBTQ+ de Copenhague, a empresa de publicidade Virtue Nordic anunciou o lançamento de um assistente de voz nos moldes de Alexa e Siri, mas de gênero totalmente neutro, em uma tentativa de erradicar o viés de gênero da tecnologia.
O produto se chama Q, e foi desenvolvido por uma equipe de pesquisadores, linguistas e designers de som que analisaram as vozes de dezenas de pessoas, as classificando de acordo com escalas de som e chegando em uma faixa de frequência que fosse totalmente neutra.

Fazer com que as empresas adotem Q, ou outros robôs sem gênero, não será uma tarefa fácil, uma vez que nossos cérebros são culturalmente programados para um mundo que vê os gêneros estritamente masculinos ou femininos.
Contudo, a empresa faz um apelo em seu site oficial, para que grandes corporações, como Apple, Amazon, Google e Microsoft considerem tecnologias neutras em seus produtos de voz.


+ ASSISTENTES DE VOZ

Assistentes de voz serão onipresentes nos carros dos próximos três anos
Cresce uso dos assistentes de voz para fazer compras online
Assistentes de voz: como elas podem melhorar seu cotidiano?
Assistentes virtuais? Consumidor ainda prefere contato humano

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]