Pesquisar
Close this search box.
/
/
Em tempos de coronavírus, Páscoa revela novos comportamentos do consumidor

Em tempos de coronavírus, Páscoa revela novos comportamentos do consumidor

Comprar mantimentos pelo e-commerce? Valorização de comércios locais? Veja como ter uma Páscoa em um momento em que a predominância da digitalização é o novo normal

Atualmente vivemos uma situação de isolamento social para diminuir a contaminação pelo novo coronavírus: pessoas não podem sair de suas casas e inúmeras lojas permanecem de portas fechadas, por ordem do poder público. O impacto dessas circunstâncias no comércio no dia a dia é uma consequência natural e já é percebida.

Porém, a Páscoa, que acontece no domingo de 12 de abril, será a primeira celebração importante para o comércio a acontecer desde o início da pandemia e será afetada de uma maneira que nunca se viu antes. A data chega para mostrar os primeiros sinais dos novos comportamentos do consumidor após o surgimento do vírus que ronda e assusta o planeta. Em outras palavras, a Páscoa indicará como as grandes datas serão impactadas pela necessidade de digitalização gerada pela COVID-19.

Desenfreada digitalização

Neste contexto, o movimento de compras on-line é um dos pontos mais notórios. De acordo com o estudo Global Consumer Insights Survey, realizado pela PwC, no ano passado os consumidores brasileiros não tinham o costume de comprar mantimentos com frequência através do e-commerce. A necessidade de ver e tocar os alimentos (51%), a desconfiança sobre a qualidade dos produtos (38%) e a preocupação com o transporte (28%) foram as principais barreiras apontadas.

Com a quarentena, esses obstáculos precisaram ser colocados de lado. Hoje a digitalização passou de uma escolha para uma necessidade e o setor de delivery se transformou em um grande amigo. Segundo a Reuters, a Rappi, um dos principais aplicativos de entrega, teve um aumento de cerca de 30% no número de pedidos em toda a América Latina, principalmente nas categorias de supermercados, restaurantes e farmácias, comprovando que os consumidores estão mais receptivos ao mercado de mantimentos online.

É muito provável que, quando a pandemia se estabilizar, tanto a população quanto as empresas não serão mais as mesmas. Se hoje as marcas estão buscando alternativas para fazerem seus produtos chegarem até o consumidor final de forma eficiente, amanhã ainda mais. Seja por meio de canais online, seja por marketplaces ou outras inovações.

Segundo Fernando Gambôa, sócio-líder da KPMG no Brasil, a transformação e a digitalização das empresas são as primeiras áreas a serem desenvolvidas. Desta forma, os estabelecimentos devem reforçar seus canais e os consumidores precisam mudar a mentalidade sobre compras digitais.

“Isso será uma mudança de paradigma que dificilmente voltará ao estágio original pré-crise. A tecnologia passa a ser um fator viabilizador para a continuidade dos negócios. Nesta esteira, as empresas irão acelerar a adoção dos canais digitais, seja criando e-commerce, aplicativos, seja se associando a plataformas ou markeplaces já existentes. A logística de distribuição ao cliente final também deve melhorar, visto que esta modalidade é a que mais está sendo utilizada atualmente”, afirma o executivo.

A demanda por produtos também está mudando e esse comportamento precisa ser visto pelas empresas que não querem ficar para trás. É importante estar ciente que o coronavírus será responsável por trazer grandes aprendizados para o mundo dos negócios.

 “Assim como na gestão de riscos, a qual considera que em determinados momentos os riscos possam ser interpretados como oportunidades, devemos olhar não somente para os aspectos negativos que vieram com o COVID-19, mas também para os aprendizados que envolvem um maior planejamento, investimento em infraestrutura, gestão, controles, administração de crises e, sem sombra de dúvidas, nas experiências e ações criativas que foram adotadas”, aconselha Paulo Ferezin, também sócio-líder da KPMG no Brasil.

Solidariedade e valorização do comércio local

Shutterstock

Todos sabemos que uma crise não é fácil para ninguém. Mas há aqueles que conseguem sobreviver e os que podem chegar à ruína. Falando especificamente da comercialização de ovos de Páscoa, a realidade dos pequenos produtores de chocolate é bem diferente da de grandes indústrias alimentícias.

“Muitas empresas que trabalham com chocolate, em tempos ‘normais’, têm 50% a 60% de suas vendas do ano realizadas durante a Páscoa. O clima é de preocupação tanto para os fornecedores e fabricantes quanto para os varejistas. Alguns conseguiram mudar os planos com o começo da COVID-19 e reduziram drasticamente suas produções. Outros desses pequenos negócios que não possuem forte presença em e-commerce esperam vender apenas de 10% a 20% do esperado para o período”, afirma Leila Okumura, cofundadora da Local.e, plataforma digital que conecta marcas locais e varejistas.

É nesse cenário que a solidariedade entra como um fator significativo no comportamento da população. Com milhares de estabelecimentos fechados, os consumidores estão priorizando negócios locais. Além disso, as mudanças de estruturas para e-commerce e a forma como as pessoas lidam com isso também foram aceleradas por consequência da pandemia.

É o caso da Chocoponto, uma pequena fábrica com quatro lojas na zona sul de São Paulo, que fez um vídeo pedindo ajuda em suas vendas e viralizou pelo Brasil através das redes sociais. A repercussão foi tanta que a empresa precisou montar um e-commerce em 24h para atender à demanda e já vendeu todo o seu estoque de ovos previstos para 2020. “É interessante o quanto os consumidores têm se mobilizado nesse momento para ajudar as pequenas marcas locais e pequenos negócios. Esse movimento tem sido fundamental e espero que esse espírito de solidariedade permaneça depois que a crise passar”, acrescenta Leila Okumura.

Confraternizações minimalistas

Este ano, a Páscoa traz relações de comportamentos diferentes dos que acompanhamos nos anos passados. Hoje temos um novo normal: os consumidores estão trocando o mundo físico pelo virtual, as pessoas se reúnem por vídeo conferência ou aplicativos. Onde não há calor humano, mas espírito de comunicação, confraternização e empatia.

Diante disso, é importante que as pessoas mantenham a quarentena e celebrem de uma forma minimalista, sem visitar os parentes e amigos de outras casas. O almoço de Páscoa, tradicional no Brasil, precisará ser moderado e para manter a interatividade da época viva e a saúde longe do vírus, as pessoas podem criar momentos especiais dentro de casa. De acordo com um estudo do Google, este ano 38% dos brasileiros vão realizar a tradição com o número convidados reduzidos, enquanto 28% realizará um almoço pequeno sem outros familiares.

Para que a adaptação ocorra de forma mais natural há dois pontos importantes: o primeiro e principal é sempre permanecer calmo. Depois disso, é necessário se reinventar. “Pelo distanciamento social, os almoços e confraternizações em família serão bastante reduzidos, mas devemos considerar que assim como as empresas encontraram algumas soluções rápidas para home office, as famílias e a população de forma geral estão bastante digitalizadas e confraternizações virtuais ocorrerão, incluindo aqui a troca de ‘presentes’ que serão materializadas em momento subsequente quando o distanciamento social puder ser relaxado”, expõe Paulo Ferezin.

O consumo no domingo de Páscoa

Além disso, muitas pessoas consomem peixe nesta época, principalmente o bacalhau, mas como refeições familiares serão minimalizadas a tendência é que haja redução no consumo do alimento. A concentração em manter uma dieta para fortalecer a imunidade e a cadeia de ciclo longo e com importações da Europa, também favorecem para uma diminuição. “Toda a cadeia de peixes também será afetada, por estoques já nacionalizados, parte distribuído e parte ainda estocado, assim como uma parcela que os exportadores nem conseguiram embarcar após a COVID-19 e restrições portuárias”, conclui Paulo.

Sobre os impactos no mercado, os resultados ainda estão muito insertos, mas é importante saber que a indústria e o varejo também são exemplos transformação durante o período de Páscoa. Leia mais sobre isso aqui.

Inovações e novas tecnologias na Páscoa no Whow! 

Conheça empresas, startups e organizações que estão preocupadas em manter vivo o espírito da Páscoa, utilizando tecnologia e inovações. E a necessidade de inovar ganha uma importância maior em meio à pandemia do novo coronavírus. Quando se fala de celebrações em grupos, como os feriados religiosos, por exemplo, é obrigatório encontrar soluções para que os festejos ― e os rendimentos ― não se percam. Saiba mais no Whow!.


Após dias de insolamento social, como manter uma boa saúde mental durante o restante da quarentena?

Quarentena afeta consumo de conteúdo e sobrecarrega servidores

Conheça a fórmula científica capaz de fornecer bem-estar através da música

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]