Pesquisar
Close this search box.
/
/
Empresas ainda precisam entender quais benefícios colaboradores desejam

Empresas ainda precisam entender quais benefícios colaboradores desejam

Desafio das áreas de Gente e Gestão está em compreender as necessidades de benefícios dos colaboradores para atrair e reter talentos

Os benefícios corporativos mais oferecidos pelas organizações brasileiras aos seus colaboradores são vale refeição e assistência médica, seguidos por seguro de vida, assistência odontológica e vale alimentação. Esse podium de cinco benefícios formam o “arroz com feijão” para que as empresas sejam minimamente competitivas na atração e retenção de talentos. Mas o básico não é o bastante.

As empresas se encontram em um cenário no qual profissionais dos mais variados níveis hierárquicos tendem a mudar de emprego para uma nova oportunidade com remuneração similar, mas benefícios melhores. Não só isso, mas quanto menor a renda líquida do colaborador, mais relevante será o benefício corporativo em sua decisão para abraçar ou não uma nova oportunidade de vaga.

Segundo o levantamento, as quatro gerações – Baby Boomers, X, Y e Z – valorizam assistência médica, vale alimentação e assistência odontológica como benefícios prioritários. Já o auxílio educação e a assistência psicológica ocupam a quarta e quinta posições nas classificações das quatro gerações desses colaboradores. Na comparação com a prevalência desses benefícios nas empresas, os dois ocupam a sétima (41,6%) e a décima (29,2%) posições no ranking.

“Apontar essa discrepância é uma forma de sinalizar para as empresas que existe uma oportunidade muito grande de melhorar a oferta das condições de trabalho para seus colaboradores, na medida em que as organizações têm mais clareza entre aquilo que elas imaginam que as pessoas desejam, e aquilo que elas realmente querem”, afirma Bruno Montejorge, VP de Marketing da Swile. “A partir dos resultados que obtivemos com o Anuário, as empresas conseguem ter informações mais tangíveis que sustentam aquilo que imaginam que está acontecendo com seus colaboradores, mas nem sempre é fácil de provar”.

A nova onda dos benefícios flexíveis

O Anuário também identificou um crescimento na relevância dos Benefícios Flexíveis – que podem ser adaptados de acordo com as preferências e desejos do colaborador. É o caso, por exemplo, do vale alimentação e refeição, ou do vale cultura. Desde a primeira edição do levantamento, a prevalência da categoria registrou um aumento de 38% em 2021 para 62,7% em 2023. No ranking geral, ocupa a oitava posição, com 37,3% de presença nas organizações. Já entre os colaboradores, as gerações que mais priorizam essa modalidade de benefício são a Geração Z (38%) e a Y ou Millenials (34,8%).

Segundo o estudo, o motivo para a relevância dos benefícios flexíveis entre esse grupo está no uso alternativo das vantagens oferecidas pelas empresas. “Hoje, a flexibilidade é em si um benefício e não uma modalidade de concessão deste. Prova disso, é que podemos observar pelo Anuário que, quando as pessoas respondem a pesquisa como pessoa física, elas valorizam carreira, o reconhecimento da performance e a flexibilidade no uso de benefícios”, explica Montejorge.

Mas essas não são as únicas gerações que valorizam a flexibilidade de seus benefícios. Entre os quatro grupos analisados pelo estudo, a característica da flexibilidade foi a mais valorizada entre os profissionais, seguida por valores e cobertura, acesso a serviços e convênios e valor compatível com o mercado. A exceção é da Geração X, que coloca o acesso a serviços e convênios como segunda prioridade, seguida por valores e cobertura e valor compatível com o mercado.

“A flexibilidade já se tornou um desejo do trabalhador e um diferencial para as empresas que a oferecem”, acrescenta o executivo. “Com o novo cenário de mercado, assim que mais pessoas da geração Y e Z alcançarem as posições de maior influência nas organizações, este movimento deverá se intensificar”.

O motivo para essa desconexão entre as características desejadas dos benefícios é também consequência de uma falta de compatibilidade de valores entre quem está na liderança da organização com o restante da equipe. “Em muitos casos, quem está gerindo a empresa é de uma geração que não conversa com os princípios das gerações de seus funcionários”, aponta Renan Sinachi, CSO da Leme Consultoria. “O executivo de Recursos Humanos precisa estar em campo para sentir o que a equipe está precisando, aproximar-se dessas gerações. Além disso, todos nós temos nossas bolhas que tendem a confirmar nossos vieses. Então, é preciso observar as necessidades reais dos colaboradores por meio dos indícios que deixam, e não apenas por meio de uma pesquisa conduzida internamente”.

Sintonizando boas práticas

O estudo, que mapeou 16 tipos de benefícios corporativos e 13 boas práticas das áreas de Recursos Humanos e Gente e Gestão, também identificou uma discrepância entre algumas ações promovidas pelas organizações. Entre as práticas mais comuns nas empresas, estão programas de trainee, programas de remuneração variável, certificações GPTW (Great Place to Work), programas de diversidade e de qualidade de vida, nesta ordem.

No entanto, as práticas mais valorizadas pelos colaboradores são, em muitos casos, outras. Em primeiro lugar está o plano de cargos e carreiras, seguido pelo programa de remuneração variável, possibilidade de home office ou teletrabalho, avaliações de desempenho e competências, e programas de talento e sucessão. “No estudo, vemos que, muitas vezes, no que diz respeito às boas práticas de RH, existe um desalinhamento entre o que as empresas oferecem e o que as pessoas valorizam. Os colaboradores anseiam por muita flexibilidade, mas eles também querem que as suas necessidades básicas sejam atendidas”, afirma Montejorge.

O resultado é que das oito prioridades das empresas em práticas do RH, apenas duas representam de fato o desejo e as expectativas dos colaboradores. Esta é mais uma oportunidade para que gestores trabalhem para compreender quais são as ações que devem ser incentivadas e ampliadas nas organizações e, assim, aplicar recursos de forma mais eficiente.



Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]