Pesquisar
Close this search box.
/
/
A Black Friday começa agora

A Black Friday começa agora

Pequenos e médios players do varejo on-line esticam a Black Friday para evitar a saturação da sua operação e fugir da concorrência dos grandes e-commerces

A Black Friday foi trazida ao Brasil pelos grandes e-commerces para promover as vendas na internet, ainda muito incipientes em 2011, quando o evento aconteceu pela primeira vez. Com o domínio dos grandes players, a dificuldade dos pequenos em oferecer preços competitivos e serviços de entrega eficiente, a chance para ganhar mercado acabou sendo desperdiçada pelos players menores.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Não por acaso, o Mercado Livre vem ganhando marketshare ano após ano, com um crescimento no domínio de mercado que oscila entre 10% e 15% de um ano para o outro nas vendas on-line do varejo como um todo. A solução para os pequenos e-commerces têm sido esticar a data da Black Friday para a semana ou mesmo para o mês de novembro inteiro, quando os grandes players ainda não têm suas operações trabalhando a todo o vapor.

Em 2017, o Google dedicou parte de sua operação apenas para atender as demandas da Samsung, que ficou hospedada entre a quinta e a sexta-feira do evento dentro da sede da empresa, na avenida Faria Lima, em São Paulo.

“A concorrência é muito alta. E os e-commerces menores estão aprendendo a trabalhar os dias que antecedem o dia da Black Friday”, afirma Douglas Ribeiro, gerente de operações da GhFly, agência digital especializada em estratégias de marketing para o evento. “A gente vê a temporada começando mesmo duas semanas antes e terminando uma semana depois, pelo menos”, acrescenta.

Uma pesquisa realizada por Google e Provokers mostra que a proposta de antecipação tem fundamento. Em 2017, 26% das pesquisas dos consumidores por produtos relacionados à Black Friday começaram um mês antes da data, o que supera os 22% dos dias anteriores e os 18% da sexta-feira propriamente dita.

Dados: Google e Provokers / Arte: Think With Google

De olho na classe C

Um estudo da Ebit/Nielsen aponta que o faturamento da Black Friday neste ano deve chegar a R$ 2,43 bilhões, 15% a mais que no ano passado. Mais de 90% dos consumidores que participaram da promoção em 2017 disseram que pretendem repetir neste ano, segundo a pesquisa Google/Provokers. Mas quem deve puxar a alta são os estreantes.

Segundo a pesquisa, uma multidão de novos consumidores estão interessados em participar do evento: 78% dos que nunca compraram na Black Friday querem aderir neste ano, o que pode significar uma oportunidade para os players menores de se aproximarem de um público que ainda não está fidelizado a site nenhum.

Dente esses novos consumidores, a grande maioria virá da classe C, que já vem fornecendo a maior parte dos consumidores estreantes das Black Friday anteriores. No ano passado, seis em cada dez novos participantes pertenciam a essa fatia da população.

Dentro da classe C, 88% nunca compraram on-line e 69% nunca participaram de uma Black Friday. Entre todos aqueles que nunca compraram na data, 42% afirmam que não tinham dinheiro. Para outros 38%, o medo da “black fraude” é o que mais atrapalha. Para esses, as ofertas não são seguras ou honestas.

A vida do pequeno e médio não será facilitada no que depender dos grandes players, que estão cada vez mais entendendo que as vendas da BF não se limitam à semana em questão. A LePostiche, por exemplo, tem 22% do seu faturamento on-line provindo do mês de novembro como um todo e sua preparação começa em julho para que, em novembro, a operação esteja em voo de cruzeiro. “Preparamos todos os processos internos, pessoas e nosso parceiro logístico. Mesmo assim, por mais que se prepare, você esbarra na infraestrutura Brasil”, afirma Carlos Eduardo Padula, presidente da LePostiche.

A logística é um dos fatores que têm feito a Amazon entrar com cuidado em território brasileiro. Ainda assim, a empresa vem expandindo suas operações e está oferecendo muito mais que livros, que foram seu passaporte para a operação local. “Desde a última edição da Black Friday, ampliamos muito nosso catálogo com o lançamento das categorias Casa e Cozinha, Papelaria, Eletrônicos, Esportes e Moda”, destacou a Amazon em nota ao NOVAREJO.

Em 2017, a varejista americana inaugurou seu e-commerce de eletrônicos no País em meados de outubro para aproveitar o boom nas vendas de aparelhos dessa categoria durante a Black Friday. Em 2017, os smartphones, por exemplo, foram comprados por 39% dos consumidores que participaram da data.

Dados: Google e Provokers / Arte: Think With Google

Varejo ampliado e indústria

De pequenos e sofisticados aparelhos eletrônicos a sacos de cimento, a Black Friday pode ser uma oportunidade para todos os segmentos do varejo. A Leroy Merlin anunciou que deve registrar, neste ano, 25% no aumento de vendas on-line no período em relação à média anual.

A empresa tem dedicado parte de sua operação na loja física para atender os pedidos do site e o movimento será intensificado durante o evento. “Estamos preparando nossas lojas físicas para realizar a separação de mercadorias e realizar as entregas das vendas realizadas do site diretamente na casa do cliente. Isso irá nos permitir ter um menor prazo de entrega e um custo de frete mais competitivo”, afirma Elias Rodrigues, diretor de Internet.

A fabricante de colchões, Sono Quality, ciente da importância do varejo em preparar a data com antecedência, tem começado suas operações em setembro para entregar os produtos a tempo, e sem sustos. “O volume de pedidos aumenta mais de 25% por conta da promoção e com o aumento não podemos comprometer o fluxo de entrega e nem a qualidade do atendimento. Para vender mais e ter um resultado positivo na Black Friday, contratamos funcionários temporários, treinamos e qualificamos o atendimento. O mesmo acontece com a logística”, afirma Ricardo Eloi, CEO da empresa.

Diluição das vendas é diluição dos riscos

A antecipação das vendas da Black Friday pode ser ainda uma saída para um problema que tem sido identificado por especialistas e varejistas, em especial os que são mais presentes no mundo físico. A perda de vendas no Natal por conta das vendas na BF e, consequentemente, a corrosão dos lucros (que são reduzidos na hora que se troca uma venda cheia por uma com descontos).

Além disso, a extensão da Black Friday ajuda a controlar o fluxo nas plataformas de e-commerce, que pode ser um tormento para os players menores. “Segurar esse tranco (do aumento do fluxo repentino) demanda esforço das empresas para manter seus sites e sistemas no ar. Na meia-noite da sexta-feira, o fluxo chega a ser 100 vezes maior. Com a antecipação, você diluiu o tráfego para ter mais facilidade para atender e dá uma folga maior para seus parceiros logísticos”, destaca Pedro Guasti, diretor de Relações Institucionais da Ebit/Nielsen.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]