Pesquisar
Close this search box.
/
/
Depois da vacina: o que será do comportamento do consumidor?

Depois da vacina: o que será do comportamento do consumidor?

Conarec 2021 discute a formação de uma nova dinâmica, na qual empatia, acesso, conveniência, interdependência e sobrevivência ficam em evidência

A pandemia impulsionou aceleradamente mudanças no comportamento do consumidor e na dinâmica das empresas. Conforme apontado no painel do Conarec 2021 “Depois da vacina: o que será do comportamento do consumidor?”, conduzido por Marina Pechlivanis, sócia-diretora da Umbigo do Mundo, esse cenário caminha para relações mais empáticas, cria a perspectiva do consumidor ter mais acessos por diferentes canais, frisa a questão da conveniência e estrutura uma interdependência.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Na dinâmica do painel, que teve as participações de executivos de três áreas distintas, de tecnologia, saúde e do mercado financeiro, respectivamente, Anna Moreira Bianchi, CEO da Neoassist, Jaakko Tammela, diretor de CX e Design da DASA, e Guilherme Horn, diretor de Estratégia do BV, Marina Pechlivanis, começou perguntando o que mudou com a pandemia, qual é a palavra-chave?.

Para Anna Bianchi, a palavra-chave é empatia. “Antes, ela já era super relevante, mas na pandemia ela teve um ressignificado, um aumento de poder e de relevância. Somos uma empresa de tecnologia, que fornece software para as áreas de atendimento das empresas. Atender consumidores sem estar presencialmente requer muita empatia, muito esforço para as pessoas entenderem umas às outras e se comunicarem bem para criarem uma conexão”.

A palavra acesso foi a definida por Tammela, principalmente na área de saúde, a exemplo da telemedicina. “Havia alguns preconceitos com o remoto e ao tirar esse preconceito, consigo falar com pessoas que estão em outro lugar de maneira muito mais simples”. Já Horn, falou sobre conveniência. O setor financeiro já vinha passando por uma grande transformação digital, tanto que, hoje, as pessoas não precisam ir mais às agências.

Conveniência passou a ser algo imperativo para qualquer instituição financeira. Qualquer player no segmento financeiro tem que ser conveniente para o usuário. O usuário ganhou muito poder nessa balança e a conveniência passou a ter um papel fundamental”, afirmou.

Interdependência

Na sequência, Marina disse que a pandemia deixou muito evidente a interdependência. “Finalizei agora um livro chamado Gestão Sistêmica Para Um Mundo Complexo, exatamente nesse processo de pandemia, e esse percurso foi muito inspirador para cada modelo de negócio perceber como tudo impacta em tudo. A conectividade era tão grande e agora nesse cenário ficou extremamente evidente, tudo está ligado a tudo”.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Anna comentou que nunca foi tão necessário os clientes terem uma ferramenta que eles possa transitar e se comunicar com os seus consumidores, pelo canal que os consumidores queiram. “Não temos mais o que é cada área, cada assunto, agora estamos em um cenário em que as coisas estão muito misturadas. A pandemia realmente enfatizou muito a interdependência que veio para ficar em muitos aspectos”.

Na visão de Tammela, “quando falamos em saúde, começamos a perceber a preocupação com a interdependência, que tem tudo a ver com saúde integral”. E no mercado financeiro, Horn apontou uma nova reorganização da cadeia de valor, que reúne vários players para o consumidor adquirir serviços e produtos. “Vivemos um momento realmente único nessa interdependência entre empresas”.

Encantamento

Nas palavras de Marina, nunca como antes, se viu o imediatismo, porém, nenhuma empresa consegue encantar o consumidor. “A expectativa do consumidor aumentou, cada um quer mais e mais. Nós fizemos um estudo junto ao Grupo Padrão, no ano passado, chamado “Empresas Encantadoras”, e percebemos em vários quesitos que nenhuma empresa encanta”.

Se não mudar a percepção do consumidor, nenhuma empresa o encantará, uma vez diferentes negócios têm diferentes prazos de entrega, como a compra de um produto ou o resultado de um exame de saúde, conforme exemplificou Anna Bianchi. “Se o consumidor olhar os dois negócios sob a mesma expectativa, ninguém vai conseguir encantá-lo, pois são propostas diferentes. Vivemos o dilema de lidar com a expectativa única, que é para todo mundo. A base virou a mesma para todos os negócios”.

Guilherme Horn destacou a importância em sentir o cliente “Quando olhamos para empresas que são centradas no cliente de verdade, você vê uma correlação positiva entre marcas que são amadas e empresas que são, de fato, centradas no cliente. Não tem empresa hoje, no mundo, que não se proclame centrada no cliente. Mas o que é ser centrada no cliente? É aquela que pensa e sente como cliente. O sentir é o mais difícil. Quem conseguir criar isso, criará uma vantagem competitiva e sustentável no longo prazo”.

E não apenas o consumidor tem que ser o pilar. “Aqui, nós olhamos três grandes públicos: pacientes, profissionais de saúde, fontes pagadoras e profissionais que estão na saúde. Se não olhar esse grande público que tem ‘n’ atores, nós estamos criando pontos cegos. A nossa proposta de valor não pode ser unilateral”, explicou Jaakko Tammela.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

O que, segundo Marina Pechlivanis, definirá a sobrevivência. “Se você não é centrado no seu colaborador, no seu fornecedor, no seu distribuidor e na comunidade no entorno, você perde em valor de marca. Diria que o processo de pandemia fez uma grande distinção entre quem está fazendo e quem está fazendo mais ou menos. Alguns vão sobreviver e outros não”.

 


+ Notícias

O futuro do Brasil em debate – e ele é promissor

A convergência entre digitalização e conveniência

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]