Pesquisar
Close this search box.
/
/
As tendências de storytelling das vitrines de marcas de luxo

As tendências de storytelling das vitrines de marcas de luxo

Mais do que brilhar nos olhos dos consumidores, as vitrines podem refletir os propósitos da marca, gerar conversão em vendas e engajamento nas redes.

Não há como negar que está no DNA do ser humano gostar de uma boa história. A humanidade é impactada por histórias desde que o mundo é mundo, o que muda com o passar do tempo é a forma como são contadas e quem é o contador. O marketing, por exemplo, tem trabalhado muito bem com o conceito, seja por meio de campanhas publicitárias, curtas metragens, postagens e personagens nas redes e – por que não – também nas vitrines de lojas.

O storytelling das vitrines ultrapassa uma mera exposição de produtos e torna a cenografia parte essencial da construção da identidade da marca. Ela tem capacidade de gerar não só um encantamento estético, mas engajamento dos consumidores e conversão em vendas. Afinal, quem nunca entrou em uma loja física primeiro por admirar sua vitrine?

Enquanto o chamado “design de entretenimento” já é uma tendência forte entre marcas de luxo, seus bons resultados fizeram com que pudesse ser explorado para atingir também um público mais diverso. O storytelling das vitrines pode marcar presença e fazer a diferença para cada vez mais marcas, basta saber como estruturá-lo.

Conheça o Mundo do CX

Storytelling das vitrines pode ser primeiro contato do consumidor com a marca

“O objetivo de uma vitrine é simples: atração. Ela está voltada para quem ainda não foi impactado”, fala a arquiteta Deza Abdanur, sócio-fundadora do Studio Panda, empresa focada em design de entretenimento. A profissional, que atua no mercado de cenografia para eventos corporativos e virtuais há 15 anos, explica que a vitrine pode ser o primeiro contato físico que a marca tem com o público, residindo aí sua relevância.

O desafio é rapidamente gerar identificação e emoção nas pessoas utilizando uma área delimitada, transmitindo uma mensagem sem utilizar palavras. Nestes locais, o grande contador de histórias é a cenografia, que deve expor de maneira estruturada e criativa os conceitos da marca e da campanha, por meio de objetos inanimados.

“O produto pode ser apenas um detalhe. O importante é contar o porquê de ele estar ali, qual é a história por detrás daquele lançamento, quem o produto quer atingir e qual é a maior qualidade que ele tem”, diz.

Quando a marca obtém êxito neste storytelling, o próximo passo é a conversão, ou seja, o cliente de fato se sentir atraído a entrar na loja e comprar algo. Por isso, é tão importante que o projeto de vitrine esteja alinhado com os propósitos da marca – com o que, afinal, o cliente irá encontrar dentro do espaço físico.

É preciso incluir o storytelling das vitrines no planejamento

A materialização da vitrine com um bom storytelling é o final de um processo que começa com o planejamento da campanha de marketing. Por isso, é preciso incluir este item nas discussões que ocorrem no setor.

“As áreas de marketing aprovam a campanha, trabalham em formatos de desdobramentos e estudam o target, junto a um setor que cria os produtos. Depois de tudo definido, o cenógrafo passa por uma imersão (produto, campanha e DNA da marca) para materializar nas vitrines. Não se cria um projeto de vitrine sem o conceito e o produto já definidos”, pondera a arquiteta Deza Abdanur.

Hoje, a relevância do storytelling das vitrines para as demais áreas da empresa está no engajamento e na visibilidade que pode causar. Principalmente com a onda de instalações instagramáveis. Porque, sim, o Instagram e outras redes sociais com foco em fotos e vídeos têm uma grande responsabilidade sobre a expansão do conceito.

Segundo a arquiteta, para as marcas que já exploravam o storytelling nestes espaços, o fenômeno foi só um plus para o crescimento orgânico na internet. Já para quem nunca explorou o potencial das vitrines em suas lojas, o foco mudou.

“O entendimento da importância em atrair curiosos pelas vitrines e gerar conteúdo orgânico nas mídias sociais fez com que as marcas do varejo abrangessem ainda mais sua exposição, utilizando uma área que sempre existiu, mas era pouco explorada”, complementa.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Vitrines das marcas de luxo contam (e fazem) história

Marcas de luxo, que tradicionalmente valorizam seus projetos de vitrines, acabaram ajudando a fortalecer a importância do design de entretenimento no mundo do varejo de moda e beleza. O apreço é tanto que a francesa Louis Vuitton, por exemplo, conta com o livro Windows, que registra o histórico de suas vitrines (“o preço do livro é quase de uma bolsa”) e prova a relevância que elas têm para a companhia.

A também francesa Hermès é outro caso que se destaca neste universo. Ela faz questão de divulgar quem é o cenógrafo de suas vitrines e a dedicação dada à construção dos espaços.

“Ambas as marcas entendem que a valorização da vitrine pode atrair um público mais jovem, que detém um grande poder de compra. Além disso, os projetos valorizam muito as marcas e atraem todos os olhares. Eles saem da mesmice de expor produtos de uma forma tradicional e inovam na criatividade, sem medo de errar”, afirma a arquiteta Deza Abdanur.

Públicos mais abrangentes também são engajados por boas vitrines

Engana-se, no entanto, quem pensa que a tendência permaneceu apenas no mercado de moda de luxo. Cada vez mais, varejistas que possuem um público mais abrangente têm voltado sua atenção à importância das vitrines e adaptado os projetos para seus objetivos e target de clientes.

A arquiteta Deza Abdanur cita duas marcas populares que souberam usar o storytelling das vitrines muito bem a seu favor. A primeira delas são as Lojas Marisa da Avenida Paulista, em São Paulo. “Ela está sempre mudando suas vitrines. A quantidade de carros e passantes na frente da sua fachada é absurdamente alta, por isso, o investimento em criar um grande outdoor de lançamentos de produtos vale a pena”, fala.

Já a marca de beleza Skala, que possui várias linhas de produtos, cada um com foco, embalagem e objetivos diferentes, tem utilizado o design de entretenimento para contar histórias específicas para cada um deles. Dessa maneira, torna possível criar identificação com todos.

“Este tipo de pensamento está claro no conceito do estande da marca feito para a Beauty Fair de 2022: ‘beleza é para todos’. O storytelling também é para todos. É uma forma de mostrar respeito aos seus consumidores e deixar claro que uma história bem contada no design da vitrine não é propriedade de marcas de luxo”, completa a profissional.

Dicas práticas para um storytelling das vitrines de sucesso

Cada vez se firmando como uma tendência mais forte que ultrapassa os limites das marcas de luxo, o storytelling das vitrines pode ser adotado por todos. Algumas dicas da arquiteta Deza Abdanur podem ajudar:

  • Inserir os projetos de vitrines dentro do budget anual de marketing.
  • Trabalhar com padrões de exposições para transmitir qualidade de projetos.
  • Entender que existem uma infinidade de caminhos criativos: as vitrines podem ser conceituais, artísticas, tecnológicas, temáticas… O que faz mais sentido para a marca naquele momento?
  • O storytelling das vitrines deve fazer parte da agenda anual de lançamento de campanhas e até de datas comemorativas.
  • Como toda mudança é um tipo de ruptura nos padrões da empresa, é interessante começar gradualmente a inserir a tendência. Uma sugestão é criar vitrines nas cores do Natal ou elementos do Halloween, por exemplo.
  • Lembrar da máxima de que “menos é mais”. Não há necessidade de encher o espaço de produtos e poluir o olhar de quem passa. O ideal é materializar o conceito que se quer transmitir, sempre com coerência.

+ Notícias

Quais são os itens mais desejados para a Black Friday?

Ainda dá tempo: sua loja está preparada para a Black Friday?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]