Pesquisar
Close this search box.
/
/
Smart Working é tendência, saiba por onde começar

Smart Working é tendência, saiba por onde começar

Conforme o trabalho remoto torna uma realidade sem volta, marcas e empresas se preparam para este novo modelo de produção que não prevê cadeira no escritório, mas sim, comprometimento com a inovação. Saiba mais em entrevista

Nos últimos meses, pessoas e também empresas foram figurativamente “atropeladas” pelas mudanças nas rotinas de trabalho implementadas de maneira urgente por causa da pandemia de Covid-19 pelo mundo. “Adeus escritório, olá home office” foi a frase da vez.

Agora que metrópoles economicamente estratégicas como Beijing, Londres, Paris, Madrid e Nova York (no Brasil a abertura em São Paulo, por exemplo, ainda está acontecendo sob avaliação quase diária) começam a sair da quarentena – ou pelo menos tentam retomar o ritmo – o Smart Working se mostra uma realidade que veio para ficar. Para quem ainda não está familiarizado com o conceito, ele se refere a trabalhar de qualquer lugar, a qualquer hora e com foco nos resultados e não no tempo sentado no escritório.

“Aceleração e avanços tecnológicos são megatendências que antecipavam essas transformações e se consolidaram de vez com este surto viral sem precedentes”, explica Mau Medeiros, design e future thinker, mestre em Ambientes Narrativos pela Central Saint Martins, de Londres, e que hoje é um dos consultores na Kyvo Design-Driven Innovation, em São Paulo. Ele é Head de Design e tem cases de projetos com Nike, Philips, Selfridges, L’Occitane, Bradesco, Metlife, entre outras marcas.

Atua justamente identificando o que precisa ser transformado nas empresas para que elas cheguem mais rápido – e de forma mais competitiva – nesse futuro tão tecnológico que chegou com o Covid-19. “É importante a empresa pensar em como adequar serviços e produtos para consumidores/usuários dentro deste novo contexto e em um exercício de construção de cenários de curto e médio prazo”, diz ele.

Quer saber por onde começar e se é possível fazer esse movimento de entrar no Smart Working de maneira mais segura e preparada? Então acompanhe a entrevista abaixo:

Mau Medeiros / Foto: arquivo pessoal

Consumidor Moderno – Você pode explicar o que é o conceito de Smart Working?

Mau Medeiros: É uma mentalidade diretamente ligada à mobilidade e à liberdade. Modelos e ambientes de trabalho ainda ecoam formatos originários do século passado e não necessariamente se aplicam aos dias atuais, principalmente pela perceptível falta de aplicação das inúmeras facilidades que a tecnologia nos trouxe e tantos novos conceitos sobre a relação pessoas-trabalho. Em um mundo onde produtos são ‘smart’ (relógios, carros, geladeiras, etc.) atribui-se este conceito ao modelo de trabalho como tentativa de transformar essa relação das pessoas com o trabalho com base em tecnologia e inteligência, fazendo mais sentido ao comportamento humano atual.

“As gerações que não são nativas digitais ainda podem ter alguma resistência
ao modelo Smart Working, mas também vejo isso mudando e torço para
que dê certo. Gosto de citar William Gibson: ‘O futuro já chegou,
só não está uniformemente distribuído'”

CM: Na sua opinião, você acha que a pandemia de Covid-19 potencializou esse entendimento de que podemos mudar os padrões de trabalho para o home office ou para uma entrega remota (onde quer que a pessoa esteja)? O surto teve o poder de adiantar esse processo?
MM:
Não só potencializou a mudança como também, em vários casos, foi o principal agente dessa mudança. Empresas que ainda tinham resistência e/ou impedimentos para testar ou implementar novos modelos não tiveram alternativa. É agora! Foi agora! Mesmo porque já estamos nesse modelo beta há 3 meses em muitos casos. Aceleração e avanços tecnológicos são megatendências que antecipavam essas transformações e se consolidaram de vez com este surto viral sem precedentes.

CM: Existem áreas que, na sua opinião, podem adotar essa premissa de trabalho desde já mesmo no Brasil, onde a desigualdade de acesso à internet de qualidade e os preços cobrados por ela ainda são uma realidade?

MM: Esta é uma questão bastante complexa. O trabalho remoto é uma prática que vem sendo aplicada aqui no Brasil há algum tempo em muitas startups e em algumas corporações, por exemplo. Modelos remotos com jornadas no escritório de 3 dias já começaram a ser testadas nos últimos dois anos pelo menos. Este modelo 100% remoto “imposto” pela pandemia é a grande diferença. Já muito conhecido dos nômades digitais, o conceito difundido com o livro “Digital Nomad”, de 1997, sempre buscou a independência e mobilidade como catalisadores para uma vida mais balanceada e otimizada. O que não se esperava é que a primeira experiência para grande parte do planeta seria então o trabalho remoto em confinamento. Dito isso, mesmo para áreas que possam implementar o Smart Working ainda existe um modelo a ser desenhado. Agora, se pensarmos em ambientes de igualdade e privilégios compartilhados, as disparidades de condições de trabalho vão ganhar um holofote ainda maior e as marcas empregadoras podem ter grandes problemas junto aos seus funcionárixs. Baseado nisso, acredito que um plano de Smart Working é algo para se implementar a médio/longo prazo e, assim, beneficiar a todas e todos, se se tornar somente uma resposta imediata a uma urgente crise social e sanitária do planeta.

CM: É preciso criar uma cultura dentro da empresa primeiro antes de implementar o Smart Working?

MM: Eu carrego comigo um mantra: “As pessoas (funcionárixs) em primeiro lugar”. Acredito que toda e qualquer entrega aos funcionárixs deve ser pautada pela cultura e pelos princípios determinantes de uma boa experiência. A cultura de uma empresa, entre outros pilares, é a expressão de seus relacionamentos, sua personalidade e modo de operação. Vão existir casos em que o Smart Working não terá fit com a cultura da empresa, então não deveria ser um modelo imposto como viável ao sistema.

CM: Que dicas você poderia dar para uma empresa pensar em Smart Working de verdade? Como uma área de Recursos Humanos, por exemplo, pode começar?

MM: Eu iniciaria com a sensibilização para outro termo: Smart Generosity. Trata-se de um exercício amplo de empatia e alteridade com valorização do indivíduo. Pessoas em primeiro lugar, mentalidade inovadora, proposta de valor bem construída e colaboração. Esses são quatro pilares que ajudam as empresas a se tornarem plataformas de boas experiências. As áreas de pessoas (RH) dentro das empresas são, mais do que nunca, os facilitadores de processos inovadores, das mudanças estruturais e de nova mentalidade. Assim, cria-se bases sólidas para implementação de qualquer modelo que responda às necessidades das pessoas.

CM: O tamanho da empresa – se grandes, médias ou pequenas – influencia na hora de adotar o Smart Working? Ele pode ser considerado uma Inovação?

MM: Inovação é um conceito amplo. Pode se dar através da inventividade, da pesquisa, do processo, do resultado. Como mencionei anteriormente, penso que o Smart Working deve ser adotado se a cultura da empresa pedir por isso, seja o tamanho que for e o segmento que for, lembrando das atividades onde ainda não é possível aplicar este conceito.

“O Smart Working deve ser adotado se a cultura da empresa pedir
por isso, seja o tamanho que for e o segmento que for, lembrando das atividades onde ainda não é possível aplicar este conceito”

CM: Você teria experiências para contar de como o Smart Working está funcionando em outros países?

MM: Eu tive a oportunidade de trabalhar para uma empresa norueguesa onde o Smart Working foi o modelo desde o dia 1. Fiquei surpreso no dia em que, alocado para um projeto, as pessoas já começavam um ritual de se prepararem para ir embora, deixar o trabalho às 16h, 16h30min. Uma surpresa boa! Penso sempre que temos que olhar cenários similares ou análogos com criticismo, pois são sociedades e realidades bem diferentes da nossa.

CM: Na sua opinião, essa busca por um trabalho remoto, mais longe das idas e vindas fixas dos escritórios, é algo também geracional?
MM:
Diria que sim num primeiro momento. As gerações mais novas experimentaram desde cedo a liberdade e autonomia, são “filhos’ do mundo globalizado; então barreiras territoriais ou mesmo tecnológicas não fazem parte do seu repertório. Só que, de novo, aqui estamos falando de um recorte privilegiado com acesso rápido à informação e tecnologias. As gerações que não são nativas digitais ainda podem ter alguma resistência ao modelo Smart Working, mas também vejo isso mudando e torço para que dê certo. É uma questão de melhor distribuição. Gosto de citar William Gibson: “O futuro já chegou, só não está uniformemente distribuído.”


+ NOTÍCIAS

Quer cuidar das suas finanças? Esses perfis podem te ajudar

O poder das mulheres negras empreendedoras na série “A Vida e a História de Madam C. J. Walker”

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]