Pesquisar
Close this search box.
/
/
Seis tendências da reformulação dos espaços físicos

Seis tendências da reformulação dos espaços físicos

A pandemia leva a repensar espaços menos frequentados e a dar nova utilidade a outros. Pessoas querem lares mais confortáveis e marcas se adaptam ao novo "sair de casa"

A cada minuto que trabalhamos remotamente, o ambiente ao nosso redor se transforma. Quando colocamos os pés para fora de casa, fazemos com que nossa vizinhança, nosso bairro e nossa cidade se transformem. Estamos passando por uma grande mudança dos lugares, e algumas tendências e consequências da reformulação dos espaços físicos já se tornaram nítidas.

A pandemia está forçando pessoas e empresas a modificar espaços menos frequentados e a dar nova utilidade a outros. Na esfera pessoal, as pessoas perceberam a importância de tornar seus lares mais confortáveis, enquanto as organizações e suas marcas repensam como – e se é conveniente – fazer o consumidor sair de casa.

Algumas tendências de reformulação dos espaços físicos já mostram impacto sobre o comportamento do consumidor e abordagem das marcas. Confira seis delas.

1. Escritórios transformados em residenciais

Muitos locais de trabalho subutilizados ou não valorizados estão sujeitos a se transformarem em espaços residenciais, uma vez que muitas pequenas empresas ou profissionais liberais passam a trabalhar apenas em casa sem a obrigação de ter sede própria, como lembra o sócio do escritório de arquitetura FGMF, Fernando Forte. “Um bom exemplo disso são os diversos retrofits que vêm acontecendo, por exemplo de andares de edifícios que eram estritamente de escritório e agora são residenciais.”

Consequências da reelaboração dos espaços de trabalho como residenciais estão aparecendo nos números do varejo. Pablo Satyro, diretor de marketing e e-commerce da Telhanorte Tumelero, conta que todas as categorias de itens para o lar das lojas da rede cresceram três dígitos no último ano, com a marca adicionando ainda novas categorias como papelaria, escritório e até produtos de yoga. “O maior crescimento foi da categoria de tintas, muito provavelmente mais no viés decorativo que manutenção. Decoração e jardinagem também cresceram muito, assim como tudo o que tem a ver com o ‘do it yourself‘.”

2. Casa de veraneio e bem-estar acima da localização

Outra tendência com nítidas consequências de curto a longo prazo é a descentralização das concentrações urbanas. Tanto pessoas quanto empresas estão se afastando das grandes cidades. As casas no interior e litoral que serviam de refúgio apenas aos finais de semana agora viram moradia no esquema de home office.

“As pessoas trabalharão de casa boa parte do tempo e vão buscar casas mais confortáveis, mais estruturadas, com espaços de trabalho e lazer misturados. Com essa possibilidade, muita gente deve se mudar para locais em que o acesso a casas maiores e confortáveis é economicamente mais viável do que grandes capitais. Isso viabilizará casas de veraneio como sendo a primeira residência, ou pelo menos em 50% do tempo”, observa Forte.

O especialista observa que as empresas também seguem este movimento, a exemplo da migração da sede da XP para o interior de São Paulo. “A localização vai ser menos importante do que o bem-estar e espacialidade, o que já ocorre no Vale do Silício.”

3. Espaços vazios como depósitos

É óbvio que os espaços públicos e de grande circulação estão passando por mudanças com a pandemia. As dark store – ou ghost kitchen, quando se trata de um restaurante – são um dos maiores exemplos de reformulação de espaços no comércio. Com as interrupções nas compras físicas e forte ascensão do online, já se pode dizer que os estabelecimentos como mini-hub são um recurso logístico permanente ocasionado pelo novo comportamento de consumo.

“Hoje, a gente entrega na Grande São Paulo em até seis horas. Conseguimos um tempo bem menor justamente porque nossos estoques estão nas lojas físicas. Elas são um braço do e-commerce, um minicentro de distribuição para manter essa promessa. A loja pode até estar vazia, mas está vendendo muito online e cada uma delas conta com uma equipe de logística”, aponta o diretor de marketing e e-commerce da Telhanorte.

reformulação dos espaços físicos no varejo
Fonte: Unsplash

4. Experiências cada vez mais inspiradoras

A reformulação dos espaços físicos também deve gerar ambientes dispostos a mexer com o visitante. Sistemas de aromas e filtragem de ar para amplificar a experiência do cliente têm tudo para proliferar, assim como sistemas de som e iluminação inteligente.

Nas zonas urbanas, o comércio que passa por sua digitalização tem visto um impactado nos pontos de venda, de maneira que a máxima “loja como experiência” é elevada a um novo nível. Ao intercalar o digital com a experiência física, o comércio percebe que precisa justificar a visita do consumidor com experiências inspiradoras.

“A máxima da ‘loja como experiência’ continua, mas a atração para o local agora depende muito mais do quanto você ensina ao consumidor e ao que exibe a ele”, enfatiza Satyro. “Mais do que nunca, nas lojas é onde ficam as coisas únicas, exclusivas e humanas. É um lugar para inspirar, com mais ideias e maior combinação de categorias de produtos na exposição.”

O executivo exemplifica com o serviço “Projete-se” da Telhanorte Tumelero, uma experiência estritamente ao vivo. “Agora com os lockdowns estamos fechando, mas no Projete-se o comprador senta com um arquiteto para fazer um projeto todo. Este é o tipo de experiência única que vale agora que a maturidade digital aumentou.”

5. Locais mais higiênicos

De acordo com um estudo sobre tendências publicado pela WGSN com insights sobre a retomada do consumo, a preocupação com higiene para evitar a proliferação de vírus e bactérias tem feito empresas adaptarem espaços para tornar o distanciamento social mais fácil e menos institucional. Futuramente, será cada vez mais comuns áreas de recepção com estações higienizadoras e zonas livres.

Além disso, materiais, acabamentos e dispositivos tecnológicos irão garantir a segurança dos locais de trabalho, enquanto salas de reunião serão abertas para a melhor circulação do ar, mas sem renunciar à privacidade.

No setor de serviços, o consumidor tende a ser ouvido especialmente sobre a questão da limpeza – o que já acontece. “É claro que no momento muda muito a relação entre vendedor e cliente, além da avaliação do cliente sobre o serviço. Este era um item pouco avaliado. Hoje, a gente tem uma pesquisa, quase um NPS (metodologia para medição da satisfação e fidelidade do cliente) sobre como ele se sente. Perguntamos se viu o álcool em gel, se o vendedor estava de máscara, se respeitou o distanciamento, e outras coisas. Isso influencia na experiência e decisão de compra”, conta Pablo Satyro, da Telhanorte Tumelero.

6. Mais conforto, menos permanência

De acordo com um estudo da CB Insights sobre tendências para 2021, espera-se que os espaços fiquem menos populosos, porém mais esteticamente agradáveis. Mais do que os cuidados com limpeza e distanciamento social, os lugares terão circulação, na maioria, para pequenas visitas. Ambientes de grande circulação, como lojas e restaurantes, tendem a ter portas automáticas e procedimentos específicos sobre higiene.

No comércio, as compras hoje estão mais diretas e menos sociais – o que tem exigido novas abordagens dos varejistas para assegurar a produtividade dos vendedores. Para isso, são necessários treinamentos para assegurar a experiência do consumidor desejada pela marca. Ao passo que o tíquete médio cai por conta do aumento das vendas online, a tecnologia e a inovação nas vendas ganham extrema importância.

“Uma compra rápida muda o inventário de tecnologia que a gente disponibiliza. Estamos agora acelerando um projeto para que o vendedor faça poucas perguntas e localize exatamente onde o produto está na loja”, revela o diretor de marketing da Telhanorte. “Isso muda a forma com que expomos os produtos e treinamos os colaboradores. Com o atendimento pelo Whatsapp, as lojas agora aproveitam a equipe de vendas para venda e suporte online. São quase como um call center, com mais de 400 vendedores que tiveram treinamento desde gramática e texto até foto. Isso fez até a nossa forma de recrutar mudar.”

 


+ Notícias

12 tendências que podem reinventar o consumo em 2021

Transformação digital é coisa do passado. Conheça as reais tendências de tecnologia de 2021

Pesquisa destaca mudanças nos hábitos e expectativas do consumidor

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]