Pesquisar
Close this search box.
/
/
Saiba como a Azul Linhas Aéreas liderou os negócios na pandemia

Saiba como a Azul Linhas Aéreas liderou os negócios na pandemia

Saiba como a Azul fez para se reinventar e continuar sólida na pandemia, criando e aplicando inovações que trouxeram mais valor para o cliente

É difícil imaginar o seu negócio ser inviabilizado por um fator completamente estranho à sua realidade competitiva ― mas foi exatamente o que aconteceu com todo o ecossistema de turismo e serviços de entretenimento e lazer com a chegada da pandemia. 

Se todas as empresas foram forçadas a se adaptar a uma situação completamente disruptiva, os impactos foram mais intensos ainda nas empresas relacionadas a turismo, como a Azul Linhas Aéreas. 

No painel “Atravessando a turbulência: como liderar o negócio para chegar no oceano azul”, do CONAREC 2020, o vice-presidente de pessoas e clientes da Azul Linhas Aéreas Brasileiras, Jason Truman Ward, explicou como a empresa fez para se reinventar e continuar sólida, criando e aplicando inovações que trouxeram mais valor para o cliente.

Uma empresa de pessoas

Antes da pandemia, a Azul Linhas Aéreas se posicionava como a empresa líder em destinos atendidos, além de possuírem a maior malha aérea do país. Segundo Ward, isso foi possível graças à forte missão da Azul, cuja intenção era criar a melhor companhia aérea do mundo ― e a melhor experiência de voo da vida das pessoas.

Como gostam de se definir, a Azul não é uma empresa aérea, e sim “uma empresa de pessoas”, explica o vice-diretor, dizendo que o padrão de atendimento Azul é baseado na metodologia OPA: Observe, Perceba e Atenda. “Este também é o jeito que nós, como líderes da empresa, lidamos com nossos tripulantes, que são nossos clientes internos”, compartilha. 

A turbulência da Azul

Em cerca de 15 dias após o início da pandemia da Covid-19, a quantidade de voos da azul ― que ficava em torno de quase mil a cada dia ― caiu cerca de 93%. Em abril, cerca de apenas 70 decolagens aconteciam a cada dia.

Mas a Azul, com toda a sua flexibilidade, Ward comenta, se inspirou na turbulência dos aviões para lidar com a sua própria turbulência de mercado. Decidiram, então, “apertar os cintos” e renegociaram todas as questões monetárias com stakeholders, administrando dívidas. Além disso, quase 80% dos tripulantes aderiram à liberação de licença-não remunerada de modo voluntário.

“Isso foi possível graças ao engajamento do time e a confiança na liderança”, coloca Ward.

Apesar de um dos lemas da Azul sempre ter sido a liberdade de snacks no voo, isso também precisou ser revisado após a contingência do coronavírus ― não somente pela contenção de gastos, mas também por uma questão sanitária. Agora, os snacks são distribuídos apenas o no final dos voos, para que as pessoas possam se alimentar com segurança e distanciamento. “Nossos clientes entendem essas medidas e se sentem mais seguros dessa forma”, comenta.

“Mesmo com a pandemia, precisamos ser fiéis com nosso valores. Mesmo com as dificuldades, a Azul nunca deixou a consideração e a integridade de lado”, explica o vice-presidente de pessoas e clientes, contando que a empresa fez dezenas de voos humanitários para buscar EPIs para ajudar a área de saúde, além de resgatar brasileiros de volta ao país.

De concorrentes à parceiros

Agora, a Azul e a LATAM Airlines passaram de concorrentes à parceiros, se unindo em um codeshare mundial, compartilhando os mares e trazendo maior comodidade aos clientes, além da criação de novos aviões de carga.

Assim, em setembro de 2020, a empresa já havia recuperado cerca de 580% do número das decolagens diárias em comparação à abril, com quase 500 voos ocorrendo a cada dia.

“Com todas essas medidas vamos conseguir retomar 100% das operações. A pandemia nos ensinou a sermos resistentes  todos os dias, ouvindo os clientes e os trazendo para o centro das decisões.”

Em dentro de um ano, a Azul pretende continuar sendo a empresa número um do mundo na indústria aérea.


+ CONAREC 2020

Humanização e tecnologia: lado a lado ou em lados opostos?
Como a IA e a IoT podem melhorar a experiência do consumidor?
Lar, doce lar: Home office é sinônimo de empresa digital?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]