Pesquisar
Close this search box.
/
/
A curiosa (excêntrica?) relação da Geração Z com o jogo amoroso

A curiosa (excêntrica?) relação da Geração Z com o jogo amoroso

Afeto, carinho e romance agora são dores da juventude, que estranha as referências emocionais das gerações anteriores

“O jogo amoroso tem muito da entrelinha, daquilo que não é dito”, me disse, há muitos anos, um publicitário que viria a se tornar referencial em nosso País. Eu contava pouco mais de 20 anos e, com meu grupo de trabalho na Universidade, pesquisava a relação do sexo com a propaganda.

Naquela época, vivíamos uma espécie de desbunde, com o uso de artifícios eróticos e apelos sensuais para conquistar a imaginação e a preferência dos consumidores. A AIDS fazia estragos, mas o erotismo e a sensualidade explodiam nas telas de cinema e TV e a internet era coisa de ficção científica.

Para aquela geração, o “jogo amoroso” era uma iniciação da vida adulta, ansiada e praticada com gosto. Tinha muito de autoafirmação e definição de identidade.

Os tempos mudam, os comportamentos evoluem e se modificam e, atualmente, aquele jogo amoroso ganhou novas regras. Ou podemos dizer que se trata de outro jogo. Os jovens da Geração Z, em sua busca por significados e pelo exercício de identidades e de novos padrões com o que define uma sociedade – trabalho, gênero, cultura, diversão, subjetividade – também experimentam um novo olhar para o afeto, o carinho e os relacionamentos. Ao que parece, o intimismo e o resguardo com os relacionamentos pessoais criou uma espécie de “dor”. A dor de se relacionar emocionalmente com alguém.

Somos as testemunhas de uma mudança substancial de modelo de vida e construção social. Isso porque a Inteligência Artificial, associada a um estilo de vida digital, tem potencial para desconstruir nossos modelos mentais preconcebidos de atuação social, da política ao lazer, da educação à carreira profissional, das amizades à satisfação sexual.

Aceleração sem reflexão

Outro efeito, mais discutido e repercutido, é a aceleração da vida. Tudo é rápido, vertiginoso, sem pausa, intenso. Acontecimentos, informações, streaming, projetos, pessoas, tudo é fluxo, corrente e onda. O tempo de reflexão inexiste e a liberação de dopamina em nossas mentes torna-se um vício. O prazer se deslocou do afeto, do carinho e do convívio para a vida em fluxo, em imersão e scroll infinito.

Logo, o relacionamento afetivo para os mais jovens, inundados pela dopamina liberada pelos gatilhos digitais, torna-se penoso. Afeto, carinho, convívio, toque e o jogo amoroso exigem ponderação, temperança, reflexão, aprendizado. É um balanço que não se ajusta exatamente ao rolar dos dedos buscando o próximo Story.

Epidemia de solidão

Dados da CB Insights são inequívocos: os momentos de solidão dos jovens americanos superam 8 horas semanais, enquanto o tempo de convívio com amigos/as e companheiros/as caiu para menos 4 a 5 horas semanais respectivamente, o que equivale a dizer que passam mais de uma semana sem convívio social efetivo!

Startups dedicadas a criar “namoradas virtuais” constroem seus planos de negócio para atingir homens solitários que não praticam sexo. Ao mesmo tempo o “swipe” no aplicativo Tinder traz cada vez menos engajamento e encontros efetivos. Estudo da Universidade de Washington aponta um “apagão sexual” entre jovens de até 25 anos. Esse estudo de 2022 encontra correspondência em outro, realizado no Brasil, denominado “Mosaico 2.0”, que revela desinteresse por sexo nas telas e na vida real. Em resumo, 28% dos homens e 18% das mulheres abaixo dos 30 passam até um ano ou mais sem atividade sexual.

Epidemia de solidão, apagão sexual, amigos virtuais são fenômenos que escapam à compreensão de gerações anteriores. Rita Lee, saudosa roqueira, cantava nos anos 70: “Papai me empresa o carro, tô precisando dele pra levar minha garota ao cinema… só meia hora de sarro no seu carro com meu bem”. Vejam o contraste: nem os jovens têm disposição para “tirar um sarro” com quem quer que seja, nem têm disposição para pegar um carro… (melhor pedir um Uber).

Uma boa hipótese para esse desapego em relação ao formato mais tradicional do “jogo amoroso”, para além da vida mergulhada nas telas, tem a ver com a busca desenfreada por identidades e pertencimento. O fluxo de informação e proselitismo em torno de autoafirmação e autoexpressão tornou as referências emocionais das gerações passadas um fardo insustentável. Significa assumir papéis sociais, afetivos e emocionais que não necessariamente fazem sentido diante da visão de mundo filtrada por algoritmos e vieses exacerbados pela vida nas telas. A grande exaustão, tendência mapeada pela CX Brain, em 2023, provocada pela vida acelerada, pela ansiedade extrema e a perda momentânea de dopamina, podem ser vetores dessa falta de vontade de buscar apoio pessoal, convivência e parceria. A paixão machuca, o outro pensa diferente, é penoso e árduo ter de renunciar a algum momento, alguma ideia e alguma crença. Tão mais fácil rolar a tela do celular, não?

Paradoxos emocionais

É certo que muitas pesquisas e novos dados irão trazer mais luz a esses novos comportamentos, de tal modo que consigamos entender melhor quão profunda é essa renúncia ao jogo amoroso. É inegável, no entanto, que estamos diante de um momento curioso nas relações pessoais. Defendemos cada palmo do que nos torna humanos diante das ameaças originadas pelas Inteligências Artificiais, boa parte delas infundadas. Ao mesmo tempo, assistimos inertes à rendição da nossa voluntariedade, assistindo passivamente o escorrer dos dedos por imagens, filmetes e memes.

Será que o comportamento um tanto mais avesso da Geração Z aos relacionamentos é uma excentricidade momentânea, assim como o “grandpa look” (a inclinação de seguir uma moda inspirada e decalcada dos avós)? O tempo e novas pesquisas irão dizer.

De nosso lado, como pessoas que têm a responsabilidade de mentorar, desenvolver e liberar o potencial desses jovens, temos de repensar nossas próprias habilidades relacionais. Ao invés de criticar radicalmente as posturas e hábitos de pessoas ainda em busca da melhor parte de si mesmos, é aconselhável ter disposição para criar os laços de confiança que possam mostrar o valor do convívio, da emoção e da proximidade.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]