Pesquisar
Close this search box.
/
/
O uso das redes sociais e a saúde mental: como as marcas devem se portar no universo virtual?

O uso das redes sociais e a saúde mental: como as marcas devem se portar no universo virtual?

Atrelado ao aumento da ansiedade e depressão, o uso das redes sociais de forma excessiva traz um alerta para a saúde mental e passa a ser debatido pelas marcas com presença na web

Você acorda e, de forma automática, pega o celular e abre alguma das suas contas nas redes sociais. Ao longo do dia, essa prática se repete incessantemente sem que você perceba e, antes de se deitar, no período da noite, repete o mesmo mantra ao acessar o feed do Facebook ou dar uma olhadinha nos stories do Instagram. O uso das redes sociais, apesar de ser comum na sociedade contemporânea, tem gerado alguns alertas quando torna-se um vício e passa a afetar a saúde mental dos usuários.

De acordo com uma pesquisa científica publicada em 2018 na revista Guilford Press Periodicals, o uso exacerbado de mídias sociais como o Facebook, o Snapchat e o Instagram estão associados à diminuição do bem-estar e ao aumento da probabilidade de sofrer depressão ao longo do tempo.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Uso desenfreado das redes aumenta ansiedade e medo

O estudo em questão analisou mais de 140 estudantes, entre 18 e 22 anos, que aceitaram um desafio durante o período de três semanas: um grupo poderia entrar em contato com as redes sociais ao longo de todo o período do dia, enquanto que o outro teria acesso somente durante dez minutos por dia. Como resultado, os acadêmicos constataram que a parcela das pessoas com uso limitado tiveram quedas significativas na ansiedade e no medo. Além disso, o levantamento contribuiu para a tese de que a redução do tempo de uso está atrelada, significativamente, à melhora do humor e do bem-estar.

Nesse sentido, em meio ao constante aumento de casos onde a saúde mental é afetada por conta do uso excessivo das redes sociais, surge a dúvida: como as marcas que estão presentes no mundo virtual e possuem presença nas páginas e perfis destas plataformas digitais podem se responsabilizar pelo conteúdo produzido em seus canais? Além disso, quais estratégias de relacionamento podem ser aplicadas pelas empresas para reduzir estímulos ao estresse e à angústia?

Com base nessas perguntas, conversamos com alguns especialistas no ramo da saúde e do marketing para entender melhor como deve ocorrer o processo de planejamento estratégico das marcas para interagir virtualmente com seus consumidores de maneira humanizada e harmoniosa.

Humanização é a palavra-chave no processo
de responsabilização das marcas

De acordo com a especialista em RH e psicóloga da ROI BRABO Lançamentos, Carolina Martins, “um ponto fundamental é entender que atrás da tela existe um ser humano que tem emoções, sentimentos, dúvidas, sonhos e preocupações”, inicia a especialista, que complementa: “por isso, antes de tudo, é essencial que as marcas não preguem vida perfeita, corpos perfeitos, relacionamentos perfeitos e/ou famílias perfeitas, já que é muito comum que as pessoas se comparem com o que veem nas redes sociais. Apesar de ser óbvio para alguns, não é tão claro para todos que o que vemos na internet é apenas um recorte de cenas escolhida da vida das pessoas”, explica a psicóloga.

“O uso em excesso de filtros e edições nas fotos é um dos principais gatilhos para desencadear transtornos mentais e sofrimento, principalmente entre os adolescentes. No ano passado, o Brasil teve um aumento de 141% no número de cirurgias plásticas entre jovens de 13 e 18 anos, de acordo com dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP)”, exemplifica Carolina Martins.

“Humanizar o contato e o relacionamento com o cliente é a grande solução. Mostrar que por trás das mega produções existem seres humanos com imperfeições, falhas e vulnerabilidades é uma ótima estratégia para parar de ‘vender a perfeição’ e se conectar ainda mais com o público/cliente. Além disso, abrir canais e propor debates sobre temas relevantes, até aproveitando datas comemorativas ou meses de prevenção, como por exemplo setembro amarelo, também é uma forma de conscientizar a audiência sobre problemas, levantar bandeira e ainda estreitar o relacionamento”, complementa a profissional de RH.

Conheça o Mundo do CX

Qualificação da equipe para lidar com a saúde mental dos usuários deve virar rotina nas empresas

Já o psicólogo e Founder na Evoluir Sempre, empresa de soluções em gestão de pessoas, Wanderley Cintra Junior, comenta que, além de conteúdos mais realistas e humanos, é essencial que as marcas qualifiquem suas equipes em relação a saúde mental: “ao fazer isso, as empresas têm dois ganhos: o de fortalecer o próprio time e o de gerar uma produção do conteúdo mais responsável. O mais importante é criar consciência em relação aos conteúdos e em como o público irá absorvê-los”, ressalta o especialista.

Como estratégia para tornar as redes sociais das marcas menos tóxicas, Wanderley Cintra Junior cita o contato direto com o público e o atendimento humanizado: “a escuta qualificada é uma ferramenta importante na estratégia de relacionamento, visto que auxilia na construção de relações fortalecidas com os clientes. Por vezes, quando as questões trazidas por clientes são semelhantes, há um desdenho por parte da empresa, pois cria-se a ideia de que seriam equivalentes. Porém, é essencial que a marca invista em um atendimento humanizado, prezando pela individualidade e pelas dores de cada cliente”, ressalta.

Por fim, o CEO da Fri.to, agência focada em buzz e performance, Marcel Matsuda, explica que as marcas devem investir cada vez mais no atendimento omnichannel e aderir diferentes maneiras de manter o contato com o público, seja de maneira online, seja no formato offline. “Todas as estratégias e campanhas publicitárias executadas de maneira consciente e saudável tendem a ser muito mais exitosas”, garante o executivo.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Conheça a rede BeReal: plataforma promete não te tornar famoso

Estudo aponta quais redes sociais influenciam “millennials” e “zennials” na hora da compra 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]