Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que o quiet quitting atinge mais os jovens?

Por que o quiet quitting atinge mais os jovens?

Entenda o fenômeno comportamental que acontece nas empresas e que impacta, sobretudo, pessoas mais jovens que ocupam cargos com certas atribuições

Se você, ou alguém no seu ambiente de trabalho, está agindo de modo a só fazer o básico, sem se envolver, auxiliar, propor nada além das tarefas obrigatórias, é provável que seja um caso de quiet quitting.

A motivação do fenômeno varia conforme o perfil de cada colaborador, quando é (ou se torna) incompatível com as características da empresa. Para quem contrata, metodologia e tecnologias da informação são aliadas para prever e evitar a ocorrência dessa situação.

Na definição do administrador de empresas, Márcio Monson, fundador e CEO da Selecty, plataforma de recrutamento e seleção de pessoal, o quiet quitting é uma espécie de “manifesto, como um protesto silencioso de insatisfação do colaborador com seu trabalho”. Trata-se, portanto, de um modo nada saudável de expressar o descontentamento: traz prejuízos pessoais aos colegas e à empresa como um todo.

Um modo nada saudável de expressar o descontentamento: traz prejuízos pessoais aos colegas e à empresa como um todo

“O quiet quitting é um ‘desengajamento’ do colaborador com o trabalho. Muitas vezes, como um efeito colateral de uma vivência passada de Síndrome de Burnout, causado pelo excesso de atribuições; o quiet quitting é fazer o mínimo necessário, como uma forma de demonstrar insatisfação. Não é o caminho adequado. O melhor é sentar e conversar e, com franqueza, expor qual é a insatisfação”, afirma Monson, ressalvando que, para haver o diálogo, é preciso haver abertura também de parte do gestor.

A origem do quiet quitting

Frequentemente, a origem do quiet quitting está em uma incompatibilidade entre o perfil do colaborador e o ambiente de trabalho e cultura da empresa.

Para identificar essa dissociação, Monson aplica a abordagem DISC – acrônimo para os perfis comportamentais dominância, influência, estabilidade e conformidade. Cada um desses perfis será afetado, com maiores riscos de manifestar quiet quitting, se as características do ambiente de trabalho forem excessivamente antagônicas às suas.

Entenda os diferentes perfis

PERFIL DOMINÂNCIA: o colaborador que tem como fator motivador a busca por metas, desafios. Não gosta muito de minúcias, de muitos procedimentos formais. Esse perfil gosta de ir para ação, para fazer com que as metas e objetivos sejam atingidos. Então, se o ambiente de trabalho é muito estático, gera uma desmotivação muito grande, fazendo com o que o colaborador passe a fazer só o básico.

PERFIL INFLUÊNCIA: colaboradores que costumam ser mais expansivos, comunicativos. “Caso o ambiente seja muito isolado, exerça funções sem contato com colegas, em um trabalho introspectivo, muito voltado a planejamentos, lançamentos de dados, e não por conexões e relações pessoais, o colaborador com esse perfil vai ficando desmotivado”, observa o especialista.

PERFIL ESTABILIDADE: colaboradores que demandam ambientes harmônicos, “de escuta ativa, empatia, em que as relações interpessoais são favorecidas”. A incongruência ocorre quando a organização é caracterizada por certa instabilidade. “Se é um lugar que muda toda hora, há muitos atritos, muita indisposição; se o colaborador não se sente ouvido, reconhecido; não tem escuta, ele se fecha”, discorre Monson.

PERFIL CONFORMIDADE: abrange o colaborador sistemático, planejador, detalhista, que gosta do passo a passo, de agenda, cronograma, prazo, entender etapas. “Ele sente essa necessidade de segurança. É menos voltado para relações, mais introspectivo, mais analítico. Se a empresa não é organizada, nem tem processos definidos, ele pode se desmotivar, e então manifestar quiet quiting”, aponta o CEO da Selecty.

O fenômeno do quiet quiting é complexo e não possui uma única causa para que seja desencadeado, contudo os fatores comportamentais e emocionais certamente são os mais determinantes. Por isso, um olhar atento à compatibilidade do perfil do candidato com a cultura da empresa é fundamental.

Conheça o Mundo do CX

Quiet quitting atinge os mais jovens. Tecnologia pode auxiliar empresas

Monson ressalta que o fenômeno é mais presente em pessoas mais jovens, ocupando cargos com certas atribuições. Ou seja, não se trata de “fazer o básico” por estar em contagem regressiva para a aposentadoria, sem almejar novos postos e conquistas. “É uma dificuldade de administrar a pressão do trabalho; decorre de prejuízos na saúde psicológica, mental, e a forma de expressar tal desequilíbrio acaba se dando por quiet quitting”.

Na avaliação do especialista, tudo começa na área de atração e seleção de talentos. Um recrutamento estruturado, com o apoio da tecnologia, pode ser decisivo para que nos processos de contratação as empresas consigam escolher candidatos que, além da competência profissional, apresentem um bom fit cultural, ou seja, tenham perfil em convergência com as características culturais da organização e do time que irá trabalhar. Mitigando, assim, os riscos de, no futuro, haver dissonância entre as partes.

“A tecnologia pode garantir esse match entre empresa e candidato. Softwares de ATS fornecem elementos que cruzam dados profissionais e comportamentais do candidato com as informações da vaga, promovendo processos seletivos estruturados, assertivos e ágeis”, conclui Monson.


+ Notícias

Mais tendências para avaliar e orientar suas decisões de negócio em 2023 

O impacto das redes sociais nas crianças vai a julgamento 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]