Pesquisar
Close this search box.
/
/
Pós-consumidor: pandemia consolida ‘customering’ e retorno sobre envolvimento

Pós-consumidor: pandemia consolida ‘customering’ e retorno sobre envolvimento

Empresas são desafiadas a não apenas oferecer um produto ou uma praticidade como ponto final

Uma das temáticas mais latentes a serem observadas no último ano, a ideia universalista de “pós-consumidor” sintetiza uma série de comportamentos de consumo que valorizam a transformação, os ideais e que anseiam por experiências ultrapersonalizadas. Com a pandemia, uma espécie de era das disrupções chegou antes do previsto e acelerou transformações já esperadas.

Como consequência, a experiência do consumidor se elevou a um estado plasmático, consolidando ‘customering’ e o retorno sobre envolvimento.

Mas afinal, o que exatamente é o “pós-consumidor”?

Trata-se de um conjunto de conceitos que explica as características gerais de um consumidor baseado em hábitos e comportamentos. Sem faixa etária ou idade, este quer que as empresas ofereçam a melhor experiência e se envolve com as marcas mediante um compartilhamento de valores. Amante da conveniência, “torce o nariz” para a burocracia e perda de tempo. Consome a facilitação a obstáculos. Tais características foram firmadas de uma vez por todas durante a pandemia.

Para compreender este novo modus operandi, especialistas defendem que as empresas devem cada vez mais mudar o olhar sobre si, seu negócio e sua oferta. Desde o abalo da pandemia nas formas de viver e desejar, mais do que nunca elas precisam desvendar os novos hábitos para definir estratégias. Nas palavras de Fabricio Dore, sócio, líder de design e CX da McKinsey na América Latina, as empresas têm sido desafiadas a fazer isso.

“Nos últimos meses as empresas foram mais desafiadas a serem customers centric. Porque você precisa saber quem é o seu cliente, você precisa evoluir a sua forma de servir. Para mim, essa nova forma de servir, de criar experiências, mais do que as tecnologias, mais do que as funcionalidades, é uma forma nova de trabalhar. Isso significa utilizar dados para a tomada de decisões, ter o data lake, ter os cientistas de dados e usar isso em tempo real. A nova forma de servir é uma nova forma de trabalhar.”

Como consequência, o pós-consumidor provoca uma customização de tudo em detrimento da “commoditização”, pois quer que os produtos sejam produzidos levando em consideração os seus anseios.

‘Customering’

O abalo do pós-consumidor sobre o marketing é estrutural. A “nova forma de servir” mencionada por Dore pode ser exemplificada com o “customering” – uma concepção de cliente em vez de mercado. Se marketing é mercantilizar, customering seria como clientalizar. “Não há mercados. Estas são ficções. Há apenas pessoas”, sugere Joe Pine, um dos maiores especialistas de tendências do mundo e cofundador da Strategic Horizons LLP.

“Marketing é uma questão de empurrar ao cliente. Customering é uma questão de trazer. O marketing é centrado no produto. O customering, no cliente. O marketing mira no indivíduo e customering na relação baseada em valor.”

Diante da pandemia, novas soluções baseadas nesta visão estão sendo lançadas recentemente para apoiar empresas em sua experiência do consumidor. Empresas globais de consultoria têm oferecido produtos para que, em um futuro próximo, linhas aéreas consigam modificar horários de rotas em tempo real para maximizar satisfação do cliente e receita, e bancos consigam analisar comportamentos financeiros para oferecer produtos mais convenientes.

Com a alta da conveniência, o consumo não se baseia mais exclusivamente na felicidade, mas nos diversos sentimentos que podem compor a customização.

pós-consumidor
Fonte: Pexels

Retorno sobre o envolvimento

Outra “nova forma de trabalhar” mencionada pelo líder de design e CX da McKinsey pode ser a consideração do que o guru do marketing Michael Solomon chama de “novo ROI”: retorno sobre envolvimento – um trocadilho com ROI, return over investiment. O caminho para estreitar a relação da marca com o pós-consumidor está nos dados, e cada vez menos em certos paradigmas do marketing, como estratégias baseadas em pesquisas de segmentação de perfis, como homem e mulher.

O conselho de Pine para esta geração de valor está em ouvir, reconhecer e valorizar a unicidade de cada um. “É preciso dialogar individualmente com os clientes. Isso é fundamental com as tecnologias hoje, mas você tem que ouvi-los. Você está realmente ouvindo eles como pessoas ou apenas reunindo seus sentimentos como informações? Está pedindo informações a clientes individualmente para tentar fazer algo melhor a todos eles? Ou está ouvindo este para ajudá-lo individualmente?”, provoca o especialista.

Com a pandemia, o varejo tem focado na escuta individual para resolver problemas e trazer conveniência por meio de grandes avanços no e-commerce. A experiência do cliente no setor tem passado pela ampliação de serviços de canais. A popularização do uso do Whatsapp para vendas promovida por redes como C&A e Via Varejo é um exemplo.

Movido por propósito, não produtos

Em resumo, o jogo parece que virou e agora as empresas buscam atender o pós-consumidor. O imperativo é pensar como servir uma experiência transformadora e ultrapersonalizadas sob a concepção do customering e “novo ROI”. Mas vale lembrar que não se trata apenas de oferecer um produto ou uma praticidade como ponto final. O exigente pós-consumidor é movido também a propósitos, e espera uma relação afetiva com a marca.

“O senso de propósito das marcas está mais exposto agora, tem uma cobrança maior sobre isso. Você tem menos fidelidade, mais exposição a marcas diferentes. Então, se você tem uma relação mais emocional, mais próxima, uma relação de ‘brand love’, de escolha irrestrita daquela marca, independente do canal, você está muito mais seguro com o consumidor. A empatia e o tratamento mais próximo também são fundamentais”, observa Fabricio Dore.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]