Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que e como a Livraria Cultura comprou a Fnac?

Por que e como a Livraria Cultura comprou a Fnac?

A empresa da família Herz passará a operar a marca da Fnac no Brasil a partir de agora. Entenda o que levou a esse negócio e para onde pode ir a Livraria Cultura

A Livraria Cultura comprou a operação brasileira da multinacional francesa Fnac na última quarta-feira (19). O negócio pegou muitas pessoas de surpresa, afinal há meses se ventilava uma fusão da empresa da família Herz com a líder Saraiva, que também passa por uma situação econômica complicada. O negócio, que não teve os dados financeiros divulgados, muda o cenário do mercado editorial brasileiro.
O negócio passou até ser de sobrevivência. Se para o varejo como o todo a crise foi complicada, o segmento de livros sofreu ainda mais. Segundo o IBGE, o setor livreiro teve uma queda de 16% em 2016. O próprio faturamento da Livraria Cultura, no ano passado, foi de R$ 380 milhões – R$ 80 milhões a menos do registrado em 2014.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
A empresa vinha em uma série de negociações de dívidas. Em conversa com a reportagem da NOVAREJO, há três semanas, Sérgio Herz, CEO da Livraria Cultura, não negava que um negócio com a Saraiva poderia acontecer para reforçar o caixa. “Se for bom para as duas partes, não direi que dessa água não beberei”, afirmou Herz. Procurado para comentar a aquisição da Fnac, Herz não quis conceder entrevista.
Agora, com outro parceiro, o executivo terá a missão de tocar uma empresa que nasce com 30 lojas e 16% do mercado. Ela ainda ficará longe da Saraiva, com 104 lojas e 25% de marketshare, mas passará a incomodar a empresa que era o antigo alvo de cobiça. Com duas marcas fortes, Herz terá carta branca para definir se ampliará a Fnac por todo o Brasil e até mesmo o destino dos 500 funcionários.

Pelo fim da dívida

A negociação entre Fnac e Livraria Cultura não seguiu os trâmites tradicionais, em que uma paga totalmente pelo controle da outra. A Fnac, que buscava, desde o início do ano, um parceiro para deixar as suas operações no Brasil, aceitou pagar R$ 150 milhões para deixar a empresa com a Livraria Cultura.
O dinheiro serviria para a Livraria Cultura acertar parte da dívida bancárias e com as editoras, que não estão recebendo pelos livros vendidos, e para tocar a operação da Fnac, que possui 11 lojas alugadas. A informação gerou estranhamento nos corredores da Fnac, que não possuía dívidas com bancos.
“Como uma empresa paga para outra administrar o negócio dela?”, disse uma fonte.

Foi o que aconteceu

De certa forma, a operação faz todo o sentido. Segundo especialistas ouvidos pela NOVAREJO, o dinheiro vai servir como um financiamento para a Livraria Cultura.
Seria muito mais caro para a Fnac encerrar a operação, demitir os 500 funcionários e fechar as portas das 11 lojas. Para completar, ela ainda vai receber royalties do licenciamento da marca, que continuará a ser usada no Brasil e por uma empresa que tem um bom reconhecimento do mercado.
“Seria um passivo gigantesco para a empresa e, caso ela quisesse, acabaria com a oportunidade de voltar para o Brasil no futuro”, diz Ana Paula Tozzi, CEO da AGR Consultores. “Para o tamanho de uma empresa como a Fnac, R$ 150 milhões não é muito dinheiro.” Para Douglas Carvalho, dono da consultoria Target Advisor, especializada em fusões e aquisições, a Fnac não tinha outra saída. “A Livraria Cultura foi o último suspiro da Fnac”, afirma ele.
Um fato é que as demissões começaram na sede da Fnac. Os funcionários mais antigos estão sendo cortados desde o início da semana, antes mesmo do anúncio oficial da venda. De acordo com fontes, a área editorial da Fnac deve sofrer com cortes. “Afinal, faz mais sentido manter a área de eletrônicos, onde a Livraria Cultura não tem expertise alguma”, afirma uma pessoa próxima à Fnac.
O braço de eletrônicos, aliás, passará a ser uma grande alternativa para a Livraria Cultura. Com o aumento do portfólio, deixará de ficar tão exposta ao setor editorial.

Por que a Fnac quer abandonar o Brasil?

Desde o início de 2016, quando houve a troca de presidentes, o destino da Fnac parecida fadado. A ex-CEO Claudia Elisa Soares era vista como uma executiva com perfil mais expansivo, enquanto Arthur Negri, atual presidente e ex-comandante da subsidiária da Blockbuster no Brasil, era focado em fechar planilhas. A troca foi realizada de maneira silenciosa, sem avisos ao mercado.
Um ano depois veio a confirmação: a Fnac anunciou que estava procurando um parceiro para deixar o Brasil.
“Algumas pessoas dentro da companhia já tinham percebido que algo parecido iria acontecer”, diz uma fonte.
O movimento não atinge somente o Brasil. A acionista controladora da Fnac é a Pinault-Printemps-La Redoute (PPR), especializada no setor de luxo e dona de marcas consagradas como a Gucci.
Desde 2009, a empresa deixou a Fnac um pouco de lado para se concentrar exatamente no seu braço luxuoso, que possui maiores margens.
Por isso, quatro anos mais tarde, a Fnac abriu capital. A ideia era diluir a participação na varejista. A estratégia foi consolidada no ano passado com a fusão da Fnac com a Darty, maior varejista de eletrônicos da França, que originou uma empresa de € 7 bilhões.
Com a concretização do negócio, o foco da empresa passou a ser a expansão pela Europa. Fora de lá, o crescimento está sendo por meio de master-franqueados, como acontece em alguns países da África. Alguma semelhança com o negócio do Brasil?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]