Pesquisar
Close this search box.
/
/
Perto, mesmo que de longe: a digitalização como meio para aproximar relações

Perto, mesmo que de longe: a digitalização como meio para aproximar relações

A tecnologia sempre foi criticada por distanciar as relações humanas. Na pandemia, porém, ela foi a principal responsável por promover novas relações

As transformações digitais não são novidade: mesmo antes da pandemia diversas companhias já estudavam a entrada no mundo virtual para conquistar espaço competitivo no mercado e conquistar novos públicos. Com a pandemia, porém, esse processo precisou ser acelerado: o isolamento social imposto pelo COVID-19 levou os consumidores a procurarem soluções cada vez mais através da internet, e as empresas os seguiram nessa tendência de digitalização das relações

Mas, a propagação do digital traz algumas questões à tona: o digital de fato tem o poder de aproximar as pessoas, ou acaba por afastá-las? O isolamento social fez com que as relações virtuais se estreitassem? Será que após a pandemia teremos uma volta ao mundo físico ou aprenderemos cada vez mais a viver no online? Como usar os dados digitais para garantir uma experiência personalizada ao cliente sem invadir a sua privacidade? 

Essas e outras questões foram debatidas no painel do CONAREC 2020 “Distanciamento Social x Proximidade Digital: Tendência ou Consequência?”, mediado por Andrea Iorio, ex-head do Tinder no Brasil e autor do Best Seller “6 Competências para surfar na Transformação Digital”. O painel também contou com a participação de Mariana Diniz, Diretora de Soluções CX na Sitel e Victor Rosa Marinho de Queiroz, Diretor de Relações Humanas e Operações no Banco NEXT. 

Quanto à tendência de digitalização das relações humanas, Victor Rosa reflete: “Usuários que já tinham o hábito de consumo digital tornaram isso muito mais frequente e naturalizado. Já as pessoas que tinham alguma dificuldade ou barreira, seja do ponto de vista de confiança ou do aprendizado da tecnologia, encontraram maneiras de encontrar no digital o que não estava sendo possível através do atendimento físico”.

A quarentena e o isolamento social imposto como medida de prevenção contra o COVID-19 fez com que o consumidor passasse mais tempo de casa e reconsiderasse a sua relação com os canais de atendimento físicos. Mariana Diniz acredita que “As pessoas passaram a rever prioridades e começaram a ficar mais seletivas e exigentes com suas prioridades: com a ascensão do digital o consumidor irá repensar os esforços necessários para fazer as coisas fora de casa” 

Privacidade e uso de dados

A expansão astronômica na quantidade de relações digitais fez com que grandes players do mercado investissem cada vez mais em uma experiência personalizada ao cliente como maneira de se destacar em meio à concorrência e fidelizá-lo. Mas aí, entra o questionamento: qual a linha entre utilizar os dados fornecidos pelo usuário para lhe oferecer uma experiência única e invadir a sua privacidade? Victor comenta: “A economia está cada vez mais digital e cada vez mais baseada em dados. A privacidade passa a ser um ativo cada vez mais valioso, e os bancos enfrentam o desafio de, além de tradicionalmente zelar pela segurança e confidencialidade do cliente, humanizar o consumidor para lhe entregar uma experiência personalizada: aqui, vale utilizar o poder dos dados fornecidos para reconhecer os diferentes estilos de vida dos clientes.”

Como migrar para o plano virtual?

A digitalização não é exclusiva das multinacionais ou startups unicórnios. A diretora da Sitel dá dicas para acelerar o processo de transformação dentro das pequenas empresas: 

“Em primeiro lugar, é essencial conhecer bem seus clientes e os seus desejos. Em segundo, realizar a busca por um canal para realizar os atendimentos digitais (aqui no Brasil o WhatsApp é o canal da vez). Por último, desenvolver uma persona com um tom de voz diferenciado e adequado para falar com o seu cliente. Esses pontos são muito importantes para criar uma sensação de proximidade mesmo dentro do digital.”

Proximidade, mesmo que de longe

Victor Rosa finaliza o debate com uma reflexão sobre as aproximações digitais: “O digital acaba sendo um vetor de aproximação que nos permite conectar diferentes realidades. Ao mesmo tempo, ele obviamente nos distancia do mundo físico, mas aí eu deixo a questão: o que significa, na prática, esse distanciamento?”


+ CONAREC 2020 

Como criar o evento perfeito em meio à pandemia?

A ressignificação das lojas físicas durante a pandemia

Os dilemas da transformação digital

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]