Pesquisar
Close this search box.
/
/
Os 5 principais erros na hora de precificar produtos; saiba como não cometê-los

Os 5 principais erros na hora de precificar produtos; saiba como não cometê-los

Especialista explica que compreender o mercado e comportamento dos clientes é essencial na hora de definir preços e alavancar os negócios

Não importa qual o tipo de empreendimento, ter uma boa estratégia para precificar produtos é essencial para a obtenção de bons resultados. No entanto, muitos empreendedores acabam pecando no quesito, culminando em prejuízos que podem comprometer a saúde financeira da empresa.

Segundo Carlos Schmiedel — CEO da Predify, um software de precificação inteligente e professor convidado da Universidade Federal de São Carlos para lecionar Data Mining — na hora da precificação, o empreendedor precisa conhecer bem o mercado em que está inserido, quem são seus concorrentes, qual é o posicionamento da sua empresa e, principalmente, quem são seus clientes. “O melhor caminho é sempre ter um preço saudável para a empresa, competitivo no mercado e justo para os clientes“, afirma.

O especialista relata os cinco erros mais comuns na hora da precificação e dá dicas de como não cometê-los:

Desconsiderar o valor percebido

Compreender a relação entre custo de produção e custo-benefício do cliente pode parecer trivial e suficiente para o momento de definir preços. Mas, segundo Schmiedel, é necessário relacionar custo do produto, preço de venda, preço justo e valor percebido pelo cliente, tarefas complicadas e com diversas variáveis muitas vezes subjetivas.

“É preciso conhecer bem o cliente e dominar todas as variáveis que compõem o preço para conseguir chegar no preço mais saudável para a empresa, competitivo no mercado e justo para o cliente. Vale lembrar que nem sempre oferecer preços menores irá aumentar a percepção de valor dos clientes.”

Segundo Schmiedel, a percepção de valor só é válida quando se tem certeza de que está vendendo para o público correto e, para isso, é preciso ter uma estratégia clara de posicionamento de mercado para saber exatamente para quem as empresas irão vender o seu produto.

“É o que chamamos Justiça do Preço. O consumidor faz uma análise sobre o que está recebendo ao pagar pelo produto, se ele tem uma percepção de que o que ele recebe tem valor inferior ao preço da oferta, terá a sensação de que aquele preço é ‘caro’; por outro lado, se a percepção de valor é superior ao preço pago, terá a sensação de ‘sair ganhando’ e de ter pago barato. É dessa forma que o consumidor define se o preço que está pagando é justo para ele.”

Errar na hora da análise de concorrência

A análise de concorrência serve para obter parâmetros de preços correspondentes ao mercado. Principalmente em início de jornada, é muito comum que essa análise seja feita de maneira orgânica, com pesquisas através de sites de busca.

Segundo Schmiedel, é normal empresários até solicitarem orçamentos ou simularem compras do “concorrente” para obter informações. Porém, afirma o executivo, quando é preciso alavancar o negócio e ganhar escala nas vendas, a busca manual acaba sendo ineficiente.

“É justamente nesse ponto a empresa perde competitividade. Um erro muito comum é “copiar” o preço da concorrência, porém cada empresa possui uma estrutura de custos própria, com margens específicas para seu modelo de negócios, o preço que pode ser saudável para uma empresa, não necessariamente será para seu concorrente.”

Usar markup como estratégia única

O markup é um índice que calcula o custo de produção e o preço de venda de um produto. A fórmula é uma das mais usadas por empreendedores de diferentes setores, e considera despesas variáveis, despesas fixas e margem de lucro. No entanto, a prática não leva em consideração despesas operacionais, como impostos.

“O Markup  foi muito utilizado na época de hiperinflação, na qual os preços variavam muito de um dia para o outro e era necessário uma metodologia simples para precificar, por isso os empreendedores apenas multiplicavam o custo da mercadoria por 2, 3 ou 5 para ter um novo preço rapidamente”, explica Carlos Schmiedel.

O especialista afirma, porém, que a estratégia usada de forma isolada pode deixar de lado variáveis importantes na composição do preço como custos de vendas e tarifas de meio de pagamento. Segundo ele, o modelo de margem de contribuição é melhor pois facilita um modelo de precificação orientado a dados.

“Nesse modelo é possível considerar a maior quantidade possível de variáveis que interferem no preço e aumentar o controle sobre elas de forma a otimizar os preços e, consequentemente, os resultados da empresa.”

Ignorar o contexto social

De acordo com Schmiedel, é preciso levar em consideração os momentos de crise econômica, como o atual, potencializado pela pandemia do novo coronavírus.

“Nestes momentos, as pessoas utilizam um pouco mais a razão ao decidir pela compra de um produto e tendem a não serem levadas tanto por suas emoções, procuram o melhor preço de forma a economizar e controlar seus gastos”, afirma. Segundo ele, é fundamental que o empreendedor tenha controle sobre a sua formação de preço para saber até quanto poderá diminuir seus preços caso seja necessário

” É preciso projetar muito bem as suas vendas em diversos cenários para conseguir minimizar riscos e se preparar para diminuição da demanda. Quanto mais controle ele tiver sobre seu processo de precificação, mais fácil será a adaptação a mudanças do mercado.”

Não investir em tecnologias de pricing

O especialista afirma que o investimento em pricing torna-se cada dia mais fundamental, já que passamos por mudanças dos padrões de consumo e aumento do acesso à internet pelos consumidores. “Fica cada vez mais fácil comparar preços de produtos antes de comprá-los”, destaca.

“Grandes empresas já adotam e investem em estratégias e times de pricing há décadas e isso trouxe uma sensação de que investir em pricing é caro. Hoje, já temos ferramentas de Precificação Inteligente que cabem no bolso das pequenas empresas.  Para ter sucesso com a precificação é preciso ter uma ferramenta que possa trabalhar com dados de forma eficiente, que possa monitorar o mercado de concorrentes e conhecer bem o seu público-alvo.”


+ Notícias 

Facebook Shops: rede social terá função de compras online

Jornada phygital transforma empresas

Pandemia tem efeito catastrófico em livrarias do Brasil, apontam especialistas


 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]