Pesquisar
Close this search box.
/
/
Oniomania: você sabia que o vício em compras é uma doença?

Oniomania: você sabia que o vício em compras é uma doença?

O indivíduo que sofre de oniomania é incapaz de lidar com os próprios impulsos - mesmo quando está cheio de dívidas. Entenda como funciona essa doença

“Está lá. Finalmente, está lá. E é meu. Completamente meu. Posso fazer com ele o que eu quiser, visto que lutei por isso. Durante dias e dias da minha vida sonhei e, vejam só, agora ele é meu”, pensou ela, sorrindo. Os olhos brilhavam. Sentia-se madura e via um horizonte cheio de oportunidades. De repente, o mundo se expandia, a mente alcançava possibilidades jamais atingidas. Ela era capaz de tudo. O mundo era dela. O primeiro salário acabara de cair na conta da moça, que se sentia completa.

Os problemas começaram, porém, justamente com aquele aquela primeira recompensa: o dinheiro não sobreviveu por muito tempo na conta bancária. Os gastos cresceram de forma irresponsável e acrítica. O tempo foi um potencializador das dívidas que, descontroladas, se multiplicavam. Assim, a sensação de liberdade e as possibilidades vistas naquele primeiro momento se transformaram em uma prisão. Ela já não via mais saída e não tinha conhecimento sobre como liquidar todas as dívidas.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Perdeu a conta de quanto precisava pagar, perdeu a confiança de amigos e familiares. Nessa situação, chorou, sentiu vergonha e medo. Parecia estar no fundo do poço. Tempos depois, soube que sofria de oniomania – ou de compulsão por compras.

Essa história, apesar de fictícia, pode refletir a realidade de pessoas que sofrem do vício em compras. O primeiro sinal da doença, de acordo com o psicólogo Walter, é a impulsividade – e isso vale para outros vícios, também.  momento crítico é aquele em que o indivíduo não consegue resistir a um determinado estímulo. Em segundo lugar, como um segundo estímulo, surge a compulsividade. E ele explica: “enquanto trabalha, namora, estuda, o indivíduo permanece pensando em fazer compras”. Depois, o vício começa a gerar prejuízos financeiros, sociais, afetivos, laborais e, por fim, cria um estreitamento de repertório. Nesse sentido, o psicólogo aponta que “uma vida bem vivida é formada de prazeres diversos”. O dependente, entretanto, só consegue olhar para um deles.

Como começa?

Para Mattos, há várias razões para o desencadeamento de um vício em compras. “Genericamente falando, existe algo como um mecanismo de compensação. A compra é usada como mecanismo para que o indivíduo fique feliz quando não está”, explica. Tatiana Filomensky, que também é psicóloga, acrescenta que esse paciente sente uma preocupação excessiva em comprar. “Ele sente uma inquietação quando está impedido de comprar por qualquer motivo”, explica.

Leia também: Depressão: estigmatização, preconceito e falta de informação

Pedro Shiozawa, psiquiatra, argumenta que a oniomania traz sofrimento. E o impacto alcança muitas pessoas. Prova disso é que, de acordo com o Centro de Atenção Integrada à Saúde Mental da Vila Mariana, em 2015, entre 2% e 8% da população sofria de oniomania. Mattos, entretanto, defende que há poucos estudos mais sérios e metodologicamente adequados sobre o tema. “Há uma percepção geral de que o número de pacientes que sofrem dessa doença vem aumentando”, diz.

O médico lembra que a nossa sociedade é muito direcionada para o consumo – e isso não é um problema. “Mas, para pessoas que têm um transtorno compulsivo, isso é um prato cheio”, argumenta. “Quem não consegue controlar é incentivado o tempo todo e não tem os mecanismos para se proteger. Mas eu não acho que a sociedade tem culpa, nem as empresas. É uma doença no circuito do cérebro”.

A complexa mente humana

A oniomania geralmente vem acompanhada de outras doenças – e o nome para essas combinações é comorbidade. “Mais de 30% dos pacientes passam por isso”, diz Shiozawa. Na maioria dos casos, os indivíduos sofrem também de ansiedade e/ou depressão. “Isso acontece porque as compras compulsivas geram um desarranjo tão grande que acabam dando origem a uma disfunção, um sentimento de culpa muito grande e uma preocupação excessiva sobre como lidar com a situação”, argumenta.

Leia também: 21 razões para começar a praticar Mindfulness amanhã

Shiozawa explica que quem sofre de oniomania normalmente tem desarranjos familiares e sociais. “As pessoas veem o doente como mau caráter, incapaz de planejar, imprudente”, diz. Ele defende que o papel dos familiares é ajudar – e isso inclui impedir que esse indivíduo use o cartão de crédito, por exemplo.

Como ressalta Tatiana, ao iniciarem o tratamento, os indivíduos estão inseridos em um cenário de ausência de confiança. “As famílias precisam de orientação para entender o que está acontecendo e como devem proceder”, explica. “Os familiares precisam ajudar. Educação financeira ajuda o próprio comprador compulsivo e também aqueles que estão no entorno”, complementa, quando questionada sobre a importância desse tipo de iniciativa.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]