Pesquisar
Close this search box.
/
/
O omnichannel começa pelo estoque

O omnichannel começa pelo estoque

Novas soluções aparecem no mercado para unir os estoques do on e do off-line e conectar toda a operação, do backstage ao meio de pagamento

A busca por produtos no varejo se tornou majoritariamente on-line. Uma pesquisa da Deloitte afirma que 71% das pessoas usam ferramentas virtuais antes de visitar uma loja. Apesar disso, apenas 4% das vendas são concluídas no on-line, segundo dados do Ebit. A loja física ainda concentra a consumação das vendas. Por conta disso, unir os estoques das lojas físicas com os da on-line tem-se tornado uma das preocupações centrais do varejo no processo de transformação digital.

A dificuldade em manter os estoques saudáveis aumenta em tempos de integração de canais. “Muitas vezes, o varejo não acerta a mão na quantidade de estoque que tem no e-commerce dividido com as suas lojas físicas”, afirma Núbia Mota, diretora de Omnichannel da VTEX, empresa especializada em tecnologia para o varejo.

Leia também: Estoque parado aumenta pelo 5º mês seguido

A falta de uma orquestração dos diferentes canais da operação dificulta a preparação do estoque de acordo com o desempenho de cada canal. Uma alternativa para resolver esse ponto é o exemplo da C&A, uma das clientes da VTEX. A varejista fast fashion permite hoje que mais de 30% das vendas realizadas no on-line sejam retiradas na loja física. “O varejista que já tem a estrutura para abastecer suas lojas ganha uma economia de frete absurda na compra porque já tem essa estrutura para alimentar a unidade e não precisa ter mais um espaço”, explica Núbia.

O setor de moda é o que tem um dos maiores ganhos com a integração dos estoques. Na média, os clientes de moda da VTEX economizam de 2% a 3% com ganho operacional e logístico relacionado à integração dos estoques. A Animale tem conseguido resultado quase três vezes maior que a média na redução de custos logísticos, segundo a VTEX.

Tiago Dowsley, head de Digital do Grupo Soma, dono da Animale, conta que a marca conseguiu ligar o estoque entre as lojas e os centros de distribuição que eram dedicados apenas ao e-commerce. “A gente consegue com isso aumentar a disponibilidade de estoque para o cliente. Peças que não tinham no estoque do e-commerce agora podem ser encontradas ou na loja ou em outros CDs”, explica o executivo.

Com a união dos estoques, a marca também relata distribuição de produtos e cálculo de comissões mais eficientes. “Todos os envolvidos na transação do ship from store são incentivados. Então, o vendedor ganha comissão, a loja vende mais e bate metas. Quando a loja vende produto através do site ganha comissão como se vendesse na loja”, afirma Dowsley.

Loja da Animale (divulgação)

Do RFID à maquininha-faz-tudo

Do segmento de moda para o varejo como um todo e para outras indústrias, como a de produção de medicamentos e até de serviços de aviação, a tecnologia RFID também tem-se mostrado, há algum tempo, uma solução eficaz no controle de estoque.

A tecnologia é usada no backstage, permitindo que o produto seja traqueado ao longo da cadeia. “Consigo ver quanto tem no centro de distribuição, no estoque e na frente de loja. Com tecnologias como código de barra, a precisão sobre o controle da peça é de 60% a 65%. Com o RFID, a acuracidade fica entre 96% e 99%”, explica Fabiana Wu, gerente de Desenvolvimento de Negócios América Latina da Avery Dennison, especializada em tecnologias de identificação por radiofrequência.

Leia também: Conheça o Alphabot, o robô do Walmart que pegará suas compras on-line 

Um estudo apresentado pela Cielo aponta que a tecnologia de visualização do estoque pelo vendedor pode reduzir um atendimento de quatro para apenas um minuto. Um checkout de três minutos pode ser realizado em dois com a integração, e a agilidade permite incrementar em 25% o número de clientes atendidos.

A MMartan adotou a LIO, plataforma da Cielo, para fazer a integração de toda a operação da loja. Dentro da maquininha (que deixou de ser apenas um meio de pagamento) é possível acessar mais de cem aplicativos originais ou criar o próprio.

MMartan do MorumbiShopping

Um dos apps da LIO permite ao vendedor atender o consumidor longe do caixa, acessar o estoque e concluir a compra. “Tem o estoque dentro do módulo de vendas. O varejista pode usar o aplicativo para cadastrar o estoque e saber o que ele tem sem precisar de um computador. E a distância”, explica Rogério Signorini, diretor de E-commerce e Canais Digitais da Cielo.

Saúde dos estoques

A otimização dos estoques está diretamente relacionada à eficiência das operações de varejo. O Índice de Estoques (IE), calculado pela FecomercioSP, aponta que a saúde dos estoques caiu pelo quinto mês consecutivo na cidade de São Paulo ao passar de 104,8 pontos em agosto para 104,2. A queda em relação ao mesmo período do ano passado foi de 5,8%.

Fabio Pina, assessor econômico da FecomercioSP, afirma que dois terços dos estoques inadequados possuem volume acima do ideal, enquanto, na média, um terço corresponde a estoques com menos produtos do que deveria.

Pina avalia que uma recuperação da qualidade dos estoques parou depois do primeiro trimestre deste ano. Ele afirma que a greve dos caminhoneiros teve uma participação nesse quadro, mas que a importância do evento foi muito mais “simbólica”, porque, segundo o consultor, “coroa um processo de desencantamento” do consumidor e do lojista com a situação econômica do País. “Para o lojista estar desconfiado ele precisa estar vendendo pouco”, avalia Pina.

Para Pina, a perspectiva é que o controle dos estoques no varejo melhore a partir do ano que vem, diante de uma estabilidade, que, segundo ele, sempre se confirma depois de uma eleição. Além das questões macro, a esperança é que a tecnologia otimize as operações de varejo gradativamente, com a inserção de novas soluções que permitam que as lojas (on e off) conversem entre si e estas com os consumidores, independentemente do canal por meio do qual eles escolhem comprar.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]