Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como será a nova realidade dos eventos no Brasil?

Como será a nova realidade dos eventos no Brasil?

Possível retomada das atividades presenciais no pós-pandemia gera expectativas

Com o início da pandemia, em março de 2020, a maioria dos eventos no Brasil teve de ser cancelada ou adaptada para o meio digital. Tanto que se estima que o setor teve mais de 90% de suas atividades afetadas devido ao isolamento social e às medidas de segurança estabelecidas para combater a Covid-19, segundo pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Hoje, após mais de um ano da chegada desse fenômeno que marcou a história mundial, os produtores de eventos veem o futuro com bons olhos, seja do ponto de vista de grandes celebrações ou de encontros empresariais.

A reinvenção do setor de eventos no Brasil

Entre o período de 2013 e 2019 tem-se que o segmento de eventos como um todo tenha crescido, em média, 6,5% ao ano, para o estudo “Dimensionamento Econômico da Indústria de Eventos do Brasil” da Associação Brasileira de Eventos (Abeoc), do Sebrae e da Universidade Federal Fluminense.

Somente em 2013, a pesquisa constatou que o segmento movimentou R$ 209,2 bilhões em 2013, o que representa uma participação do setor de 4,32% do PIB. Além disso, a área empregava, direta e indiretamente, 2 milhões de pessoas – mais do que a indústria automobilística.

Os números vinham em alta, tanto que em 2019, a Associação Brasileira dos Produtores de Eventos (Abrape), ao reunir mais de 60 mil empresas de toda a cadeia de serviços, contabilizou que estas, nos últimos tempos, ao organizarem feiras, congressos e exposições, lucraram R$ 59 bilhões. Em 2002, a receita delas não chegava a R$ 4 bilhões. Entretanto, a pandemia causou um impacto inicial que ninguém podia prever, o que desestabilizou o setor financeira e economicamente.

“Cerca de 97% das atividades do setor de eventos estão completamente paralisadas desde março do ano passado. Isso corresponde a mais de 350 mil eventos que deixaram de ser realizados em 2020 – o número inclui shows, festas, congressos, rodeios, eventos esportivos e sociais, teatro, entre outros. Isso fez com que o setor deixasse de faturar ao menos R$ 90 bilhões. A paralisação gerou perda de arrecadação de R$ 4,6 bilhões em impostos federais e mais de 450 mil profissionais ficaram desempregados”, explica Doreni Caramori, empresário e presidente da Abrape.

Em consonância com tudo isso, estudos também mostram que mais de 200 mil MEIs estão sem faturamento há mais de um ano.

Por isso, a fim de se reinventar e de não deixar de cumprir contratos inadiáveis, os organizadores passaram a adotar um novo formato de evento, especialmente voltado ao entretenimento e à cultura que, hoje, já é um velho conhecido do público: as lives. Segundo o presidente da Abrape, essa foi uma alternativa paliativa para suprir as lacunas em um momento cheio de restrições, mas que não deve durar no pós-pandemia por três motivos:

● Saturação do modelo;
● Necessidade de movimentação nacional de dinheiro que não é completamente atendida pelo formato;
● Clientes sentem falta da experiência presencial dos eventos.

O especialista salienta que o cenário atual ainda é incerto. Porém, acredita que, cedo ou tarde, quando for seguro, os eventos majoritariamente presenciais e ao vivo serão maioria, já que essas modais realmente correspondem à principal missão do setor, que é congregar pessoas físicas e jurídicas por meio da troca de experiências e informações.

“Eventos híbridos e virtuais sem dúvida acontecerão, até como um legado da evolução tecnológica combinada com a pandemia. Contudo, entendemos que serão minoria se analisarmos todo o universo do segmento”, diz Doreni Caramori.

Perspectivas para o futuro

Com a média de casos e óbitos por Covid-19 reduzindo semana a semana e com a vacinação acelerando, as previsões para a realização de eventos no Brasil são positivas. Unindo isso ao fato de que o setor planeja executar testes, o presidente da Abrape pontua que é possível retomar as atividades presenciais no final de 2021, caso os resultados obtidos sejam animadores.

Uma dessas provas de fogo ocorreu nos dias 21 e 22 de julho, em Santos (SP), quando foi realizado a Expo Retomada – Evento Seguro, organizada pela Abeoc, Associação Brasileira de Cenografia e Estandes (Abrace), pelo Sindicato de Empresas de Promoção, Organização e Montagem de Feiras, Congressos e Eventos do Estado de São Paulo (Sindiprom) e pela União Brasileira dos Promotores de Feiras (Ubrafe). Segundo informações do G1, o evento contou 1.264 visitantes nos dois dias e dos mais de 1.200 testes de Covid-19 realizados, apenas dois tiveram resultado positivo.

A ação tem a chancela do governo do estado e da prefeitura local. A ideia é utilizar os dados obtidos com o experimento para decidir sobre a liberação da realização de uma parcela dos eventos. A expectativa é de que 1000 pessoas circulem, por dia, no recinto.

“Os testes serão uma forma de coletar informações, observando as características regionais, para firmar premissas claras nos protocolos a fim de termos uma volta rápida e segura. Além disso, essas diretrizes serão fundamentais para esclarecer as dúvidas do setor público e transmitir segurança àqueles que querem voltar a frequentar os eventos presenciais. O setor é pujante e resiliente, e acreditamos que, passada a tormenta, todos nós voltaremos mais fortes e saudáveis”, afirma Doreni Caramori.

A preocupação da entidade é notável, tanto que há uma cartilha com orientações de como os organizadores devem agir e uma planilha atualizada frequentemente com informações sobre a diminuição das medidas restritivas e que possibilitam a execução de eventos nas capitais e nos estados brasileiros, em países do exterior, o andamento da vacinação e as medidas econômicas de apoio ao setor de eventos.

O presidente da Abrape ressalta, ainda, que a instituição tem feito pesquisas quinzenais em parceria com a Ambev e com a consultoria Provokers sobre a expectativa da população sobre a volta aos eventos e os dados recentes justificam as perspectivas positivas. “83% dos entrevistados sentem falta e mais de 60% tem intenção de voltar a frequentar eventos assim que houver condições sanitárias para tal. Nesse sentido, estamos otimistas de que a volta do setor, quando autorizado a funcionar por completo, será envolta em prosperidade e com uma demanda bastante aquecida”, finaliza.


+ Notícias

Como criar o evento perfeito em meio à pandemia?

As oportunidades para a retomada dos negócios no pós-pandemia

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]