Pesquisar
Close this search box.
/
/
No sofá com seu cliente e sem espaço para relaxar

No sofá com seu cliente e sem espaço para relaxar

Pode ser confortável pensar em um cliente que encontra uma loja sentado no sofá de casa, mas este comportamento só mostra que o consumidor não quer se expor ao risco da descoberta

Recente pesquisa realizada pela eC Global, empresa global de pesquisas e insights baseadas em comunidades, coordenada pelo Centro de Inteligência Padrão, trouxe muitos dados sobre comportamentos e percepções das Gerações Y e Z. A íntegra estará disponível no site e na revista Consumidor Moderno nos próximos dias, mas vale a pena destacar dois dados que impactam diretamente o varejo brasileiro.

Para começar, 94% dos jovens fazem pesquisa na internet sistematicamente antes de comprar. A compra por impulso é cada vez uma compra por “impulso direcionado/sugestionado” ou, em outras palavras, os resultados acerca de produtos, serviços e lojas advindos das buscas têm um peso enorme no processo de escolha do consumidor jovem.

Usando a internet como meio de informação antes da escolha, o consumidor é suscetível a dois vieses: o do algoritmo que elege os resultados mais “condizentes” com a recorrência (frequência) de buscas similares e os comentários de influenciadores, parentes e amigos que referenciam os produtos e serviços.

Infelizmente para o varejo e para as empresas em geral, todo cliente é muito suscetível a toda sorte de vieses. E normalmente são alegres vítimas do viés de confirmação. Quando um algoritmo é “treinado” a trazer os resultados normalmente mais frequentes, supostamente relevantes em uma busca, isso não quer dizer que um resultado é o mais indicado para cada pessoa em particular. E quanto mais comentários forem vistos que estejam de acordo com as crenças e ideias preconcebidas de cada cliente, mais o cliente vai se predispor a acreditar nesses comentários.

Agora, o segundo dado: 69% dos jovens querem fazer compras sem sair do sofá. Apenas 31% ainda se predispõem a visitar lojas. De acordo com a análise do CIP, a “paciência de aguardar vem superando a ansiedade de tocar um produto”. Isso quer dizer que o espaço da surpresa, da compra por impulso inexplicável, está se reduzindo dramaticamente.

O cliente jovem escolhe o que quer comprar e se deixa “influenciar” por comentários na rede e por resultados de busca e quer comprar sem sair de casa, economizando uma série de esforços: deslocamento, fartura de opções, poluição visual, preços combinados com ofertas, filas no caixa, formas de pagamento, pacotes e sacolas… A experiência de compra fica então localizada em torno do viés de confirmação. Parece que o cliente escolhe, mas no mundo regido pelos algoritmos, a opção é simplesmente um exercício permanente e inconsciente de reafirmar as próprias crenças.

Pode parecer confortável para um executivo de varejo pensar que seu cliente pode decidir por uma loja, um produto ou serviço refestelado em seu sofá. Mas nesse ambiente, nesse cenário, não há razão alguma para que um varejista se sinta bem. Isso significa que seu cliente não quer mais se expor ao risco da descoberta, da compra por impulso, da surpresa.

Ele se rende à falta de motivação e de sentido para visitar lojas e mesmo para fazer buscas mais intensas e produtivas na internet. A guerra de ofertas, a famosa “gritaria” do varejo baseada no “quer pagar quanto?” torna-se a arena em que algoritmos buscam ganhar posições nos mecanismos de busca e ressaltar comentários que induzam o cliente a optar pelo que estava inclinado a comprar.

Duas consequências finais para este panorama que se desenha para desconstruir, em cadências diferentes, mas de modo inescapável o varejo como o conhecemos:

1. Fazer um cliente visitar uma loja precisará valer a pena, trazer motivação, entusiasmo e representar uma certeza de entretenimento gratificante. Caso contrário, o sofá ganha o jogo;

2. Será necessário colocar mentes e esforço brutal em cima dos dados. Usar as possibilidades do Analytics para desvendar maneiras de contornar o viés de confirmação para ampliar vendas e reduzir a volatilidade do cliente será uma competência essencial de qualquer rede varejista disposta a se manter viva.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]