Pesquisar
Close this search box.
/
/
Será que o futuro do mundo corporativo inclui a transparência salarial?

Será que o futuro do mundo corporativo inclui a transparência salarial?

Saber o salário de um cargo antes mesmo de entrar na empresa e ter ciência do salário dos colegas pode ser uma realidade no Brasil

Se existe um tema que é tabu no mundo corporativo, e isso de maneira geral, ele com certeza está ligado à remuneração dos colaboradores. Isso porque a maior parte das empresas, sobretudo no Brasil, não aplica a chamada “transparência salarial”, na qual todos os colaboradores têm ciência dos valores remunerados a cada cargo.

Essa falta de “conhecimento” sobre o salário de cada posição dentro da empresa já pode ser listada como causadora de inúmeros problemas dentro das corporações, como desigualdades entre os funcionários que exercem a mesma função, mas prejudica em especial nos processos seletivos. Boa parte das empresas não fornece a faixa salarial durante a jornada de admissão de novos colaboradores e a divulga somente ao final do processo, o que dificulta a adesão de novos trabalhadores.

A boa notícia é que esse tabu de ter o salário oculto — ou “confidencial”, ou mesmo “sigiloso” — pode estar próximo de acabar. Isso porque vários países têm estabelecido leis que favorecem a transparência salarial, com o objetivo de evitar a desigualdade entre os salários motivados por gênero, raça ou sexualidade.

Assine a nossa newsletter e fique por dentro das notícias da Consumidor Moderno 

Transparência salarial: uma discussão latente entre os profissionais de RH

Boa parte dos profissionais de Recursos Humanos já avaliam a transparência salarial como um bônus para trazer mais sinceridade e autenticidade dentro das empresas. E, inclusive, vêm a iniciativa como uma forma das corporações alinharem suas pautas a um projeto com maior responsabilidade social — evitando que a desigualdade salarial ocorra, por exemplo.

Nos processos seletivos, esse pedido pela transparência da remuneração é ainda mais forte, posto que a falta de informação sobre o salário no anúncio da vaga pode não só aumentar o tempo do processo, como também afastar bons candidatos.

Eduardo Félix, especialista em Recursos Humanos, Carreiras e Recolocação, acredita que a transparência salarial é o caminho para evitar que tanto a empresa quanto o trabalhador percam ainda mais tempo no processo seletivo.

“Quando ligarem convidando para uma entrevista, pergunte o salário. Se não puderem dizer, já fale o quanto pretende ganhar. Se não estiver de acordo, as partes não perdem tempo”, explica em uma publicação no LinkedIn.

“Você presta serviço e é remunerado por isso. Não estão fazendo favor ou caridade para você. Não recebemos em balas e doces. Esse tabu de o candidato não poder falar sobre salário é uma palhaçada que encobre abusos cometidos pelas empresas”, finaliza na publicação.

Leia mais: Disparidade salarial: conheça a ferramenta que expôs centenas de empresas americanas no Twitter

Felipe dos Anjos Almeida, consultor de estratégia de influencers da Accenture, compartilha do mesmo pensamento: “Seria tão mais fácil se as vagas tivessem o valor do salário, iria ajudar a filtrar melhor o candidato e poupar tempo tanto da empresa e RH quanto de quem está à procura de emprego”, escreve ele em sua rede no LinkedIn.

E complementa: “Quando eu leio ‘salário a combinar’, ‘salário competitivo com o mercado’, ‘salário sigiloso’, o que eu entendo é ‘ainda não temos um salário estabelecido para esta vaga, estamos em leilão, se o seu for o menor lance a vaga é sua’”, ironiza o especialista. “Qual a lógica de gastar tempo com entrevistas, dinâmica, deslocamento e no final o candidato desistir por questão de valores que poderia ter sido informado desde o início?”, conclui.

Europa e Estados Unidos avançam a pauta por meio das leis

Em outros países, saber o salário do seu colega de trabalho ou ter pleno conhecimento da remuneração de uma vaga antes de se candidatar para ela é algo mais comum. Em Nova York (EUA), por exemplo, há uma lei aprovada no ano passado que exige que companhias com mais de quatro funcionários divulguem o salário mínimo e máximo em seus anúncios de vaga. A lei passa a valer em novembro deste ano.

Já na Europa, o Parlamento da União Europeia está no caminho para aprovar uma proposta da Comissão Europeia para garantir a transparência salarial como um incentivo a equidade de remuneração para grupos minoritários. E se a proposta for aprovada, além das corporações serem obrigadas apresentar uma faixa salarial para as vagas de trabalho, os colaboradores também terão o direito de solicitar dados sobre a remuneração de todos os cargos da empresa.

Leia mais: É possível fazer renegociação salarial em tempos de pandemia?

No Brasil, o único sistema de transparência salarial aprovado se refere aos cargos públicos. Para empresas privadas, no entanto, não há lei que garanta a necessidade de abrir os dados de remuneração para os colaboradores, nem mesmo em processos seletivos.

Vale lembrar, porém, que há leis para o incentivo da equidade salarial. Mas essa condição seja garantida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e pela Constituição Brasileira, os dados do Relatório Anual de Informações Sociais (Rais), realizado pelo Ministério da Economia, ainda apontam que as mulheres e pessoas negras recebem um salário inferior aos homens brancos.


+ Notícias

O que falta para alcançarmos a equidade de gênero no mundo dos negócios?

Salário médio das mulheres aumenta nos últimos dois anos 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]