Pesquisar
Close this search box.
/
/
Resenha: Por que os Millennials estão tão cansados?

Resenha: Por que os Millennials estão tão cansados?

Autora constrói retrato da geração Millennial, mostrando a formação desses indivíduos e a forma como se relacionam com o trabalho.

A geração Millennial encontrou um mundo muito melhor do que aquele no qual seus pais e avós viveram, em muitos sentidos. São indivíduos que não passaram pela experiência e crise da Grande Depressão, não tiveram que lutar em uma Guerra Mundial – tanto a Primeira quanto a Segunda –, ou enfrentaram um mercado de trabalho escasso opções de profissões e condições restritas. Por outro lado, não parece que tanta coisa mudou com o passar do tempo.

Isso parece responder à pergunta do título dessa matéria. Mas para a escritora e jornalista norte-americana Anne Helen Petersen, há um conjunto de motivos que tornaram os Millennials numa geração desiludida, com poucas perspectivas de crescimento social e econômico. São essas razões que formam o livro “Não aguento mais não aguentar mais: como os Millennials se tornaram a geração do burnout”, publicado no Brasil pela editora Harper Collins.

Veja abaixo três dos motivos pelos quais os Millennials se tornaram a geração da exaustão.

Miniadultos em formação

Segundo a autora, os Millennials se tornaram indivíduos ocupados desde a infância. Se você é Millennial, talvez consiga se identificar com cursos extracurriculares, práticas de esporte semanais, aulas de inglês ou outro idioma, tudo em prol de um currículo mais completo, interessante e uma preparação para uma vida profissional de sucesso.

“Todas as partes da vida da criança, em outras palavras, podem ser otimizadas para melhor prepará-la para a sua eventual entrada no mercado de trabalho”, define a autora. “Elas se tornam miniadultos, com as respectivas ansiedades e expectativas, anos antes da vida adulta”.

O motivo para essa rotina ocupada desde a infância pode ser explicado num desejo dos pais, que não tiveram o mesmo acesso a tantas possibilidades de formação, a criar filhos cultos, inteligentes e com conhecimentos que iriam prepará-los para os desafios de carreira. É também fruto de uma ansiedade das famílias em relação aos filhos, que pareciam mais expostos a riscos e perigos, como sequestros – em 1983, um menino de seis anos desapareceu depois de ir sozinho ao ponto de ônibus e o caso teve repercussão nacional. Assim, uma agenda repleta de atividades supervisionadas significava também menos tempo ocioso ou que as crianças passassem sozinhas.

No entanto, todo esse tempo gasto em atividades adultas não significa que as pessoas se tornam preparadas para a realidade adulta. O outro lado da moeda é que não possuem a autonomia e independência, ou mesmo o autoconhecimento que é aprendido com uma infância menos vigiada.

Ok, Boomer

Os Boomers, nascidos no período pós Segunda Guerra Mundial, entre 1946 e 1964, viveram um período de crescimento demográfico e econômico que gerou uma certa segurança financeira e de vida para esses indivíduos e suas famílias. Mesmo sem ensino superior ou empregos de colarinho branco, a autora explica que essa geração conseguiu uma boa condição de vida devido ao trabalho duro após um longo trabalho feito na esteira da Grande Depressão para garantir maiores direitos aos trabalhadores.

Em especial, a classe média teve a possibilidade de mudar sua realidade econômica, algo que já não é tão possível hoje. Isso gerou o entendimento de que a ascensão social tem a ver apenas com o trabalho individual, em vez de uma série de fatores como seguridade social, inflação e desemprego. Para os Millennials, Anne Helen Petersen explica que a história é outra.

Esses pais Boomers tiveram grandes preocupações em relação à manutenção do status de classe média que construíram, criando, segundo a autora, um novo conjunto de comportamentos e ideias sobre a criação dos filhos. Se, como visto anteriormente, as crianças estavam se preparando para a vida adulta, não havia garantias de que o trabalho duro seria recompensado da mesma forma que os Boomers experimentaram.

Segundo um estudo encomendado pelo Banco Central dos Estados Unidos de 2018, o patrimônio líquido dos Millennials é 20% menor que o dos Boomers na mesma fase da vida. Além disso, a renda familiar dos Boomers era 14% maior do que quando tinham a mesma idade que os Millennials têm hoje. Para agravar ainda mais a situação, os Millennials não possuem a garantia de que o emprego está disponível para eles, ou então que possuem opções estáveis de trabalho.

O emprego dos sonhos não existe

“Ao disfarçarmos o trabalho na linguagem da ‘paixão’, somos impedidos de pensar no que fazemos como aquilo que verdadeiramente é: um ofício, não a totalidade de nossas vidas”, explica a autora.

Mas expectativas foram criadas, e os jovens profissionais Millennials escolheram suas faculdades e profissões idealizando o que seria um possível emprego dos sonhos. Preferencialmente, além de abraçar uma atividade considerada prazerosa, também trará uma remuneração relevante para uma vida confortável. Às vezes, mesmo se o salário não for lá essas coisas, o que importa mesmo é essa ideia de que o trabalho nem pareceria, de fato, com um trabalho.

A ideia de uma “vocação” significa que elementos essenciais para o trabalhador, como salário, benefícios e trilha de carreira são considerados secundários. O funcionário acaba sendo medido pelo quanto se doa pelo emprego, e não somente pela execução de suas atividades.

“Milhões de Millenials, independentemente de classe, foram criados com ideias sublimes, românticas e burguesas sobre o trabalho”, explica a autora. “Livrar-se dessas ideias significa abraçar outras que nunca desapareceram para muitos funcionários da classe trabalhadora: um bom emprego é um que não o explora e que você não odeie”.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 283

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Imagem idealizada por Melissa Lulio,
gerada por IA via DALL·E da OpenAI, editada por Nádia Reinig


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

Coordenador de Marketing de Performance 
Jonas Lopes 
[email protected]

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 283

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Imagem idealizada por Melissa Lulio,
gerada por IA via DALL·E da OpenAI, editada por Nádia Reinig


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

Coordenador de Marketing de Performance 
Jonas Lopes 
[email protected]

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]