Pesquisar
Close this search box.
/
/
Menstruação deixa de ser tabu e ganha olhar de inovação para bem-estar feminino

Menstruação deixa de ser tabu e ganha olhar de inovação para bem-estar feminino

A saúde menstrual deve ser construída sem censura para que em poucos anos a pobreza menstrual seja extinta

A saúde menstrual é um tabu que está disseminado entre as próprias mulheres, que convivem com esse processo natural do corpo feminino. Em 2021, a modelo e influencer Aline Riscado gerou polêmica ao aparecer com sangue em sua calça de ginástica durante uma live de yoga. A influenciadora repostou o vídeo incentivando as seguidoras a não sentir vergonha da menstruação.

Em pleno século XXI, a menstruação ainda é vista como “suja” por muitos. Nesse mesmo contexto, mulheres de todo o mundo convivem com a pobreza menstrual, que inibe o desenvolvimento na educação e profissional, além de comprometer a saúde feminina.

De acordo com o estudo Pobreza Menstrual no Brasil: Desigualdade e Violações de Direitos, lançado em 2021 pela UNICEF e UNFPA, no Brasil, 1 em cada 4 jovens não têm acesso a produtos menstruais e 713 mil garotas vivem sem acesso a banheiro ou chuveiro em sua casa. O uso de itens inadequados para conter o sangue, como paninhos, papéis e miolo de pão, podem causar danos à saúde da mulher. “Essa condição pode colonizar microrganismos e causar infecção, que podem evoluir para perda do órgão, septicemia e até a morte”, explica a ginecologista Luciana Salum.

Esses dados espantaram também algumas marcas que se uniram com especialistas e a sociedade civil para minimizar o cenário. Uma marca de calcinhas absorventes criou o Pantys Protest, um evento que pretende discutir a desigualdade de gênero sob a ótica da dignidade menstrual. O ponto alto é o manifesto que tem como objetivo colher assinaturas digitais e levar ao Governo Federal um plano que vise acabar com a pobreza menstrual brasileira até 2030.

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Por que a saúde menstrual é um tabu?

Não se tem uma origem exata da transformação da menstruação em tabu. Inclusive, no Egito Antigo, o papiro ginecológico da Kahun (1500 ac), usa a palavra “hsmn” para designar menstruação. Esse termo pode significar “purificação”. Assim, percebe-se que há uma visão positiva do ciclo feminino. No entanto, Luciana Salum relata que o termo menstruação ainda é visto como tabu, já que muitas pacientes o denominam de: “regra”, “incômodo”, “chico”, “aqueles dias” e outros.

“A falta de informações e educação, no ambiente familiar e escolar, é o que atualmente permite que esse tabu persista. Muitas mulheres ainda mantém os mitos que surgiram há séculos de que o sangue menstrual é sujo, impuro, venenoso, o que faz com que elas nesse período do ciclo, se isolem não podendo ter relações sexuais, visitar mulheres que amamentam, plantar ou colher, tocar em imagens sagradas e outras crendices”, argumenta Luciana Salum.

Nesse mesmo sentindo, a advogada Beatriz Flügel Assad, mestranda em Direito e integrante do Projeto ABSOR.VER de combate à pobreza menstrual, também entende que apesar de fazer parte da vida de bilhões de pessoas, a menstruação segue sendo alvo de tabu, estigma, desinformação e nojo.
“A desinformação e a estigmatização da menstruação andam de mãos dadas, eis que a falta de conhecimento cria o tabu, e o tabu faz perdurar a desinformação. Enquanto tal ciclo não for quebrado, mulheres continuarão sendo constrangidas e estigmatizadas. É preciso, então, pensarmos em políticas que promovam a educação da população quanto ao tema”, relata a advogada.

Conforme a mestranda, desde 2021 há uma propagação de pesquisas publicadas sobre menstruação e pobreza menstrual. “Vemos desde então um crescente movimento feminino reivindicando visibilidade, divulgando conteúdos e dialogando. Mas ainda há muito a se caminhar”, comenta Beatriz Assad.

Conheça o Mundo do CX

Mulheres à frente das decisões

O tabu da saúde menstrual está aos poucos mudando, principalmente com a nova geração, estudos acadêmicos e iniciativas de empresas. Essa questão é perceptível quando pensamos em quebras de padrões de beleza e também o incentivo ao que é natural, que muitas marcas desenvolvem. Possivelmente, se Aline Riscado fosse flagrada com sangue em sua legging nos Anos 2000, ela não teria abertura para tratar a questão com a naturalidade para suas seguidoras.

Dar voz às mulheres pode ser um passo importante para melhorar condições íntimas específicas. Essa lógica também é pensada para quem está à frente do poder. Em 2023, pela primeira vez, há mulheres parlamentares em todos os países do mundo, de acordo com o Women in Politics: 2023, relatório anual da União Interparlamentar.

No entanto, é evidente a baixa pluralidade e, em especial, a insuficiente representatividade feminina nos postos de gestão e de liderança, tanto no âmbito público quanto no privado. “Não só as mulheres, mas toda a sociedade é prejudicada quando não há diversidade nos cargos de liderança. É necessário que os e as líderes representem a realidade de seu povo para que melhor compreendam os anseios e necessidades da população. Naturalmente, pessoas que passaram por experiências diferentes agregam diversidade aos ambientes. E, no caso das mulheres, a experiência de habitar um corpo que menstrua contribui para que as instituições atuem para diminuir a pobreza menstrual, os preconceitos relacionados à menstruação e, consequentemente, a desigualdade de gênero”, esclarece Beatriz Assad.

Inovar é quebrar tabu

À medida que o tabu vai se quebrando, as marcas também inovam. Se lembra de quando as publicidades de absorventes traziam um líquido azul para representar o sangue? Atualmente, é vermelho. Além disso, hoje, há opções inovadoras no mercado. Luciana Salum costuma oferecer os novos absorventes: coletores ou calcinhas às pacientes. “Isso possibilita uma liberdade maior à mulher, existem marcas que produzem biquínis e maiôs; muitas das pacientes que tinham alergia ao plástico do absorvente resolveram com uso de coletor. Além disso, muitas mulheres perceberam que o sangue menstrual não tem odor. E só puderam ter essa percepção após usarem o coletor”, destaca a ginecologista.

Além das inovações de empresas que levam a quebra de tabu, Beatriz Assad entende que também é preciso pensarmos em políticas de combate à pobreza menstrual que permeiam todas as faces do problema. “Aqui, cumpre mencionar a possibilidade de elaboração de campanhas publicitárias de conscientização e de inclusão do tema na grade curricular das escolas. Para além disso, é necessário enfrentar a realidade de que praticamente 1/4 das brasileiras não têm acesso a absorventes devido ao alto custo, o que impede que pessoas menstruantes passem por seus períodos de menstruação de maneira digna”, aponta a advogada.

De acordo com ela, há uma série de medidas que podem e devem ser implementadas conjuntamente de maneira a permitir que mulheres passem por seus períodos de menstruação de forma digna. “Para além da distribuição gratuita de absorventes, é preciso considerar a supressão da tributação sobre absorventes, o aumento da quantidade de absorventes concedidos às presidiárias, a obrigatoriedade de centros educacionais e empresas fornecerem produtos de higiene menstrual e a bonificação de empresas que combatam a pobreza menstrual dentro das comunidades onde estão inseridas”, declara Beatriz Assad.



+ NOTÍCIAS
Gestão de tempo: 4 em 10 brasileiros vivem em ritmo acelerado demais
Cabelo é objetivo de 1 em cada 2 buscas na internet

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]