Pesquisar
Close this search box.
/
/
As lições que podemos tirar após a eliminação do Brasil na Copa do Mundo

As lições que podemos tirar após a eliminação do Brasil na Copa do Mundo

Nós preferimos impor nosso estilo, negligenciando as circunstâncias ou considerando-as improváveis. Reagimos tarde à inovação e a novas configurações

Seguia razoavelmente bem o ano de 2018, com solavancos políticos aqui e ali, nenhum clima para a Copa do Mundo que se aproximava, inflação baixinha, dólar soluçando, Trump bravateando, quadro eleitoral em clima de barata voa, muitos candidatos e nenhuma ideia. De repente, o País foi atropelado por uma paralisação. A greve dos caminhoneiros escancarou todos os problemas do País, desemprego, subsídios, impostos amalucados, falta de infraestrutura, mau humor com os políticos, corrupção, falta de perspectivas. Cai o presidente da Petrobras, talvez o único executivo à altura do cargo que a estatal teve de fato em décadas, a inflação dispara, a produção industrial despenca, o desemprego continua flagelando famílias e esperanças. O ufanismo futebolístico entra em campo e até consegue catalisar as atenções por uns dez dias. Com a eliminação do Brasil na Copa, caímos na real. Afinal, ali vemos trabalho sério, planejamento, métodos, ideias. Mesmo esse padrão de profissionalismo é insuficiente para levar o País novamente ao protagonismo no cenário do futebol.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

O fracasso relativo na Copa mostra que o mundo anda e se aprimora em velocidade maior que a nossa. De grande força do futebol mundo, há anos estamos em um segundo grupo de nações que almeja a vitória, mas não reúne condições totais para isso. Nossa seleção evoluiu em dois anos, mas nossos planos de jogo revelaram nossa inclinação incansável pela manutenção de padrões estabelecidos. Enquanto seleções como a Bélgica, a França, a Croácia e até a Alemanha (mesmo com a eliminação na primeira fase) são equipes em beta, que se amoldam às circunstâncias do jogo e ao adversário jogo a jogo, nós preferimos impor nosso estilo, negligenciando as circunstâncias ou considerando-as improváveis. Reagimos tarde à inovação e a novas configurações. Claro que o trabalho atual deve ser mantido, porque há gente no comando que pode aprender lições e elevar seu patamar de exigências para reconduzir a seleção nacional ao grupo das realmente favoritas. Tão claro quanto o fim definitivo da era do improviso e da empresa baseada no carisma do dono está terminando.

O grande achado de mais este ano perdido é que o padrão de profissionalismo exigido das lideranças e das equipes para conduzir empresas nesse rallye acidentado, que é o mercado brasileiro, está mais elevado. Mesmo as tarefas mais simples, em negócios pautados pela informalidade, ganharam novos elementos de tensão: um simples pagamento pode ser feito em dinheiro, cartão de débito, crédito, na bandeira A, B, C, C, na maquininha do adquirente X, Y, Z, K ou W, com a inclusão do plano de milhagem 1, 2 ou 3, ou com vale-alimentação das marcas H, J ou L, pelo celular ou pelo meio de pagamento da empresa I ou da S… Cada transação resolve-se em segundos, porque os sistemas digitais rapidamente processam essas escolhas e alternativas e tornam natural esse procedimento. Mas quantas vezes paramos para pensar em tudo que um pagamento envolve?

Unindo o cenário desalentador da economia, o futuro nublado da eleição, os ensinamentos de mais uma derrota da seleção e a complexidade que demanda empresas cada vez mais profissionais, temos então a essência vital que pode aumentar as chances de o País reencontrar um caminho virtuoso: informação e conhecimento. Quantas de nossas empresas, pequenas, médias, líderes, startups ou scale ups, estão comprometidas com o trabalho dessas informações que pautam nossa realidade com suas equipes? Quantas explicam que os problemas enfrentados hoje são consequência de péssimas decisões tomadas no passado? Nossas lideranças empenham-se em engajar seus colaboradores em torno da cultura e de causas quando esquecem que a maioria das pessoas está, como diz o filósofo Luiz Felipe Pondé, “preocupada com a janta”. E como é possível fazer com que estas garantam suas jantas?

O trabalho das lideranças não pode ser paternalista e tutelar como o da comissão técnica da seleção que encobria os erros de seu principal talento ou manter um atacante incapaz de fazer gols. Isso significa não omitir informações, falar de modo aberto com o time, sem exortações ou autoajuda. O Brasil precisa substancialmente ser mais profissional. O resultado das eleições de outubro dependerá fortemente da informação disponível ao eleitor. Boa parte desses eleitores trabalha em empresas. E cabe às lideranças circular informações qualificadas entre os colaboradores não para exercícios de proselitismo, mas para dar alguma consciência e base às escolhas que eles farão.

Precisamos de melhores decisões, em resumo. Precisamos inclusive nos dedicar a criar novos e melhores padrões para influenciar boas decisões. Isso exige empenho, dedicação, vontade das lideranças. Caso contrário, iremos pautar e lamentar o futuro modelado a partir das fake news e da polarização infantil e raivosa que campeia nas redes sociais. O resultado do jogo nesse campo serão só mais anos perdidos.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]