Pesquisar
Close this search box.
/
/
Jogar parado: por que isso é tão comum no Brasil

Jogar parado: por que isso é tão comum no Brasil

Muitos atacantes do nosso futebol fizeram fama jogando “parados”, esperando a bola chegar no lugar certo. Uma prática do futebol que se estende à atividade corporativa

Dizia-se do saudoso Coutinho, atacante do Santos que formou memorável dupla de ataque com Pelé na década de 60, que conhecia todos os atalhos da grande área. São célebres e saborosas as histórias que contam como Coutinho, incrivelmente habilidoso, mas cerebral e exímio finalizador, estava sempre no lugar certo na hora certa para, com um ou dois toques na pelota, estufar a rede adversária. Tal fama o habilidoso atacante construiu mais ao final da carreira, quando os joelhos e o peso já escapavam de seu controle.

A exemplo de Coutinho, Romário, em fim de carreira, Tulio e Dadá Maravilha e outros tantos, foram mestres na arte de “jogar parado”. Pouco participavam da dinâmica do jogo, mas muitas vezes resolviam partidas simplesmente com poucos – e decisivos – toques na bola. Esse “estilo de jogo” parece impensável nos dias de hoje, muito mais veloz, intenso e de ocupação de espaços.

O jogo de futebol, tal e qual outros esportes, espelha o momento e incorpora as mudanças que atingem a sociedade, o mercado e comportamento. Organização em linhas, construção de jogo, estratégia, versatilidade tática são termos do jogo que se aplicam facilmente à realidade das empresas. Os 7×1 de triste memória, que a Alemanha aplicou na seleção brasileira dias antes de se consagrar campeã mundial revelaram não apenas o quanto nossa ideia de jogo estava defasada, mas também, extrapolando as quatro linhas, nossa leitura do mundo.

Mundo veloz

Desde então, ainda nos perguntamos se o futebol brasileiro evoluiu, assim como olhamos para o nosso mercado corporativo e questionamos se nossas empresas hoje estão melhorando o seu jogo. Isso porque, pandemia à parte, a digitalização que obrigou quase que a totalidade dos negócios a buscarem alguma forma de atuação on-line, ainda não desfez velhos vícios. Assim como o jogo acelerou, acompanhando a dinâmica de nossos tempos, o mercado corporativo ganhou velocidade e muda com rapidez vertiginosa.

Leia também: Como a pandemia afetou a criatividade no trabalho 

A síndrome de Coutinho ainda está presente no panorama de nossas empresas. Muitas delas, ainda que invistam em tecnologia, ou que reconheçam que o perfil e o ambiente de negócios estão mudando, preferem mesmo é “jogar parado”. Os problemas dessa escolha são vários, a começar pelo fato de que nem toda empresa é tão genial e minimalista quanto o ex-atacante do Santos, capazes de tomar decisões rapidamente e de antecipar os movimentos dos adversários para resolver lances de forma precisa e efetiva.

A velocidade do mercado, potencializada pelos consumidores mais digitalizados e mais exigentes faz com que os espaços sejam ocupados de forma muito densa, sem espaço ou tempo de reflexão. O processo de decisão traz mais pressão, os dados à disposição são abundantes – e na maioria das vezes desestruturados – e o atendimento ao cliente é crescentemente complexo.

Por isso, as empresas precisam também aprender a ser mais ágeis, “tocar mais de primeira”, de forma objetiva sem longas e improdutivas trocas de bola. Faz mais sentido ser agudo, incisivo, acelerando o jogo para ganhar espaços e sobrepujar a competição. “Jogar parado” é uma expressão que ganhou um apelido jocoso: “ficar na banheira”, como se o atleta estivesse tão solitário quanto na hora do banho. Toda empresa adoraria jogar sozinha, “na banheira”, mas salvo em mercados monopolistas, essa realidade é inexistente.

A importância da ação

Utilizar metodologias ágeis é uma forma de inocular um espírito mais coletivo e mais vibrante para as organizações. Mas depende da liderança – os técnicos – respaldarem o jogo coletivo e o enxergarem como forma de responderem aos movimentos do mercado sem esperar que a situação se resolva por si só.

O momento, mais do que nunca, é de empresas protagonistas, que gostam e se habilitam a participar do jogo, desde a sua construção e que procuram atingir seus objetivos com foco, concentração, preparo, fôlego e capacidade de adaptação. Fatores que permitam aos talentos criarem novas formas de desequilibrar os oponentes e encantar os consumidores.

Infelizmente, já não há mais espaço para quem joga parado. Muito do romantismo do jogo bonito e da empresa imperturbável e constante são joias do passado que não têm mais valor de face. O consumidor não espera, nem na arquibancada (por ora vazia, dada a pandemia), nem no mercado.

O desafio mais complexo para as lideranças atualmente é criar uma cultura de decisão acelerada, utilizando o que se tem à disposição para atingir os resultados mais ambiciosos. Quem quiser jogar parado precisa esperar sentado.  Do contrário, vai cansar de esperar uma bola que não vai chegar.


+ Notícias 

Futuro do Workplace: a inovação aliada aos novos modelos de trabalho 

Como começar 2021 com a inovação no plano de ação da empresa 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]