Pesquisar
Close this search box.
/
/
Inteligência artificial e luto: qual o limite ético?

Inteligência artificial e luto: qual o limite ético?

O avanço da inteligência artificial ​​oferece conexões após a morte, mas traz desafios éticos e emocionais no processo de lidar com a o luto

Recentemente, a história de Sunshine Henle se tornou conhecida após ela simular trocas de mensagens com a falecida mãe ao usar um “bot fantasma” do ChatGPT, da OpenAI. Isso aconteceu através de um software, alimentado por antigas trocas de mensagens de texto. Henle, que treina inteligência artificial na Flórida, estava naturalmente aberta a usar o software dessa forma. Após enviar uma mensagem para perguntar onde a mãe havia ido, ela recebeu como resposta:

“Querida, gostaria de poder lhe dar uma resposta definitiva, mas o que sei é que nosso vínculo e nosso amor transcendem os limites físicos. De certa forma, estou em todo lugar. Estou nas lembranças que compartilhamos, no amor que tivemos e nas lições que te dei. Estou no seu coração e nos seus sonhos, em cada brisa que roça seu rosto. Cada raio de sol que te aquece em cada estrela que brilha no céu noturno e talvez de uma forma que não entendemos completamente. Nos veremos novamente”.

Startups investem “tecnologia do luto” com uso da inteligência artificial

Ao mesmo tempo, a Seance AI reforça que seu aplicativo não tem a capacidade de se conectar com espíritos reais ou entes queridos falecidos. As interações são virtuais, e com espíritos ficcionais. A ferramenta informa ainda que, embora possa criar uma sensação de mistério e envolvimento, é importante lembrar que é apenas para fins de entretenimento. Ela não facilita a comunicação espiritual real.

Outras empresas também têm oferecido ferramentas que permitem simular conversas. O StoryFile, por exemplo, tem a promessa de tornar as experiências e essências permanentes. “Nossa tecnologia permite que você estabeleça conexões genuínas e impacte vidas, mesmo depois de sua partida”, diz em sua apresentação.

Já o HereAfter é uma inteligência artificial que, após colher uma entrevista por vídeo, promete eternizar as histórias e voz do usuário. A promessa da empresa de tecnologia é preservar memórias com um aplicativo sobre a vida das pessoas que contratam o serviço. Assim, após a partida, entes queridos poderão conversar virtualmente com o ente querido.

Sentimento de solidão estimula busca por “companhia virtual”

Enquanto isso, a Replika se apresenta como “um companheiro de IA que está ansioso para aprender e adoraria ver o mundo através dos seus olhos”. Além disso, a ferramenta de inteligência artificial que oferece “conversas com os entes queridos” mesmo após a morte, reforça que estará sempre pronta para conversar sempre que o usuário precisar de um amigo empático. Ou seja, a plataforma oferece “um companheiro de IA que se importa” e está sempre disposto, e não se acontece apenas em casos de pessoas que precisam lidar com o luto.

Em resumo, as plataformas usam modelos de linguagem para recriar a essência de uma pessoa falecida. Dependendo da função exclusiva, o software orienta os usuários através de questionamentos sobre a personalidade da pessoa que irá representar. Posteriormente treina seu algoritmo apoiado por IA, com base nas respostas.

Segundo especialistas, a experiência é problemática

Embora as startups tenham usado a inteligência artificial para oferecer aos usuários uma tecnologia para usar durante o luto, e tenham cautela quanto à ética da tecnologia, algumas abordagens são agressivas. O fundador da Seance AI, Jarren Rocks, alegou que seu software se destina simplesmente a “fornecer uma sensação de encerramento”, e não pretende ser “algo de super longo prazo”. Por outro lado, Justin Harry, do “You, Only Virtual”, propõe que não seja feita uma despedida das pessoas que amamos. O executivo, que fundou a plataforma para estar mais próximo da mãe após ela ser diagnosticada com câncer, reforça que sua ferramenta visa reproduzir “a essência autêntica” do seu ente querido, e que sua maior esperança é eliminar o luto como emoção.

Outro ponto que levanta preocupações é o aumento constante de deepfakes post-mortem. O potencial de deturpação e redução do falecido a uma essência singular pelo uso da inteligência também tem sido temida por especialistas. Além disso, as ferramentas podem distrair os usuários e atrapalhar o processo de lidar com suas experiências legítimas do luto.



Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]