Pesquisar
Close this search box.
/
/
Insônia é considerada epidemia: como melhorar a qualidade do sono

Insônia é considerada epidemia: como melhorar a qualidade do sono

Com aumento dos casos durante a pandemia, insônia afeta produtividade, aumenta risco de diversas doenças e pode levar à depressão

A qualidade do sono é capaz de influenciar vários aspectos da vida do ser humano: interfere no vigor físico, na capacidade mental e intelectual, na organização e consolidação da memória, na produtividade, no desempenho profissional, no humor e até mesmo no apetite e no metabolismo.

O cenário formado pela pandemia do novo coronavírus, porém, não é dos mais favoráveis para noites de sono tranquilas e revigorantes. A preocupação, o estresse e até a mudança de rotina, frutos desta nova realidade mundial, contribuíram para o aumento alarmante do número de casos de insônia.

Entenda a relação entre pandemia e insônia, quais os riscos que os distúrbios da hora de dormir trazem para o dia a dia e veja dicas de como melhorar a qualidade do sono.

Insônia é considerada epidemia na pandemia

Estado de alerta permanente em relação ao vírus, mudança de rotina, preocupação com contas a pagar, finanças prejudicadas, vida profissional ameaçada. A pandemia reúne elementos capazes de afetar emocionalmente muitas pessoas e os reflexos podem ser sentidos diretamente na qualidade do sono.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), antes da pandemia cerca de 40% dos brasileiros sofriam com algum distúrbio de sono. “A insônia, que já era considerada um grave problema de saúde pública, está sendo classificada como epidemia na pandemia. O aumento de queixas de insônia, pesadelos e casos de bruxismo mais que duplicou e é preocupante”, pontua a médica neurologista Dra. Andrea Bacelar, presidente da Associação Brasileira do Sono.

Estudos apontam que as mulheres – especialmente as que têm filhos em idade escolar – foram as mais prejudicadas. “Com a pandemia, muitas mulheres precisaram conciliar trabalho home office com o auxílio em aulas online, com as demandas domésticas, que, inclusive, aumentaram. Mais estresse, ansiedade e perda de sono foram as consequências mais latentes”, enumera a neurologista.

Além disso, outro fator que contribuiu para a piora da qualidade do sono durante a pandemia foi o aumento na ingestão de bebidas alcóolicas.

De sobrepeso à depressão: os riscos de noites mal dormidas

Todo mundo sabe que uma noite mal dormida traz impactos significativos para o dia seguinte: fadiga, cansaço, indisposição, raciocínio lento, ansiedade, irritabilidade e desatenção são apenas alguns deles. Mas você já parou para pensar na somatização que várias noites mal dormidas são capazes de provocar?

A Dra. Andrea Bacelar afirma que o sono tem papel fundamental na função cerebral, na organização e consolidação da memória, na saúde física, na manutenção do peso, na segurança e no desempenho profissional.

“Durante o sono, o cérebro passa por um processo de limpeza – chamado de sistema linfático. Este processo é fundamental para o funcionamento adequado durante o dia. Além disso, ajuda na prevenção de doenças cerebrovasculares, como a doença de Alzheimer, por exemplo”, explica a médica.

Além disso, é durante o sono que ocorre o processo de seleção de memórias, quando o cérebro trabalha para eliminar o desnecessário e consolidar o que é importante. Pessoas que não dormem bem têm maior dificuldade de concentração, memória ruim e raciocínio prejudicado, apresentando queda na produtividade e no desempenho profissional. O risco de acidentes automobilísticos também é potencializado.

A saúde física também é diretamente afetada pela qualidade do sono. “O sono de boa qualidade e em quantidade adequada ajuda a reduzir o risco de diversas doenças. Um sono ruim prejudica nosso sistema de defesa imunológico, além de piorar a recuperação do tratamento de diferentes problemas médicos, como infarto, derrame cerebral e câncer”, destaca a presidente da Associação do Sono, que acrescenta que “Noites mal dormidas podem ainda afetar o humor, aumentar a irritabilidade e contribuir para casos de depressão”.

É também durante o sono que o organismo trabalha na regulação dos hormônios responsáveis pelo apetite e pelo metabolismo. Assim, a insônia pode ter relação direta com sobrepeso.

“Em resumo, a insônia, em longo prazo, pode trazer falta de vigor físico; envelhecimento precoce; diminuição do tônus muscular; comprometimento do sistema imunológico, com mais chances de infecções; depressão; obesidade; diabetes; doenças cardiovasculares, como hipertensão e arritmia; problemas gastrointestinais e déficit de memória”, diz.

Buscar tratamento é fundamental

Diferente do que muita gente pensa, casos frequentes de insônia não são normais e precisam de tratamento, especialmente quando o problema persiste por mais de 3 meses, na frequência de 3 ou mais noites por semana.

“A pessoa precisa buscar tratamento quando percebe que essa dificuldade em iniciar ou manter o sono perdura e passa a ter consequências durante o dia, incluindo cansaço, sonolência, piora do humor. Nestes casos, o distúrbio do sono deve ser avaliado e tratado adequadamente”, alerta a Dra. Andrea Bacelar.

De acordo com ela, o tratamento da insônia envolve a mudança de hábitos e, às vezes, uso de medicações hipnóticas por curto período de tempo. “Vale destacar que remédio para dormir, isoladamente, nunca é tratamento para insônia. É preciso ir além e mudar hábitos que pioram a qualidade do sono e a insônia”, frisa a neurologista.

Frente ao problema cada vez mais frequente, muitas tecnologias estão sendo desenvolvidas para monitorar e avaliar a qualidade do sono, como aplicativos de celular e dispositivos como relógios, por exemplo. Apesar de facilitadores, esses gadgets só têm real eficácia se o usuário sabe interpretar os dados fornecidos pela tecnologia, é o que destaca o médico otorrinolaringologista Dr. George Pinheiro, médico do sono e membro da Associação Brasileira do Sono.

“Esses novos dispositivos podem ajudar a monitorar o sono, auxiliar no diagnóstico e no tratamento de distúrbios do sono, porém, é importante interpretar adequadamente os dados coletados. Principalmente porque quando se fala de estágios do sono essas tecnologias não têm uma concordância tão precisa se comparadas com o exame padrão ouro, que é a polissonografia”, pontua.

Entre as possibilidades tecnológicas, o médico do sono destaca a tecnologia que permite avaliar a presença e o grau de apneia obstrutiva do sono por meio da medição da oxigenação do sangue com um oxímetro de alta resolução associado a um aplicativo de celular.

“No campo da terapia, surgiram startups nacionais para abordagem da insônia crônica com terapia online por aplicativos de smartphone. E, no acompanhamento dos usuários de CPAP – pequeno e silencioso aparelho compressor de ar que ajuda a melhorar a qualidade do sono – é possível verificar a eficácia da terapia e realizar ajustes a distância por plataformas remotas”, explica o otorrinolaringologista.

5 dicas para melhorar a qualidade do sono

Confira, abaixo, 5 dicas de como melhorar a qualidade do sono e o seu dia a dia recomendadas por especialistas da Associação Brasileira do Sono.

1. Estabeleça uma rotina durante o dia

Organize sua agenda e divida seu tempo entre as tarefas acadêmicas, profissionais, físicas, convívio familiar, entretenimento e alimentação. O equilíbrio é muito importante.

2. Estabeleça uma rotina para a noite

Procure dormir e acordar sempre em horários regulares. Este hábito ajudará a manter os ritmos biológicos do seu organismo. Além disso, evite uso de tablets, celulares, computadores e televisão pelo menos 1 hora antes de dormir. A luz emitida por estes aparelhos promove excitação fisiológica e dificulta o sono.

3. Deixe a luz entrar

Abra as janelas de casa assim que acordar e permita que o ar circule. Tomar sol também é importante para a manutenção de vitaminas essenciais à saúde.

4. Cultive o contato consigo mesmo

Crie o hábito de colocar seus sentimentos e reflexões em um papel. Essa prática ajuda a ter um contato mais profundo com seus sentimentos e também serve como uma importante válvula de escape. Meditação e oração também podem ajudar, caso você seja uma pessoa religiosa.

5. Cultive o contato com sua família

Caso more com outras pessoas, procure manter uma convivência harmoniosa, respeitando o tempo e o espaço do outro. Além disso, organize-se para terem momentos juntos, para além das refeições, que podem ser, por exemplo assistir filmes ou séries juntos ou ainda momentos de lazer com jogos.


+ Notícias 

Cansaço extremo: sinais de que você chegou ao limite 

Como cada geração está se relacionando com o consumo de conteúdo na pandemia 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]