Pesquisar
Close this search box.
/
/
Gerações possuem diferentes expectativas com tecnologia; entenda

Gerações possuem diferentes expectativas com tecnologia; entenda

Diferenças afetam o ambiente de trabalho e se tornam desafio para líderes

Cada grupo geracional possui experiências de vida distintas devido ao período em que nasceram e cresceram. Isso faz com que tendam a se comportar de formas diferentes em vários aspectos da vida, entre eles em suas expectativas com tecnologia e o seu uso profissional.

Atualmente, a sociedade é composta pela seguinte configuração geracional (segundo o pesquisador social australiano Mark McCrindle, autor de The ABC of XYZ: Understanding the Global Generations):

  • Baby Boomers (1946-1964): são marcados pelo pós-guerra. Utilizaram máquinas de escrever e cartas e demoraram mais para se familiarizar com o digital. Passaram por períodos de recessão econômica e têm o foco no resultado;
  • Geração X (1965-1979): tendem para o materialismo. Acompanharam o desenvolvimento computacional e são mais empreendedores que a geração anterior;
  • Millennials ou Geração Y (1980-1994): é a geração globalizada. Acompanharam o desenvolvimento da internet e da conectividade 24h por dia. São mais questionadores no trabalho;
  • Geração Z (1995-2010): tem uma relação simbiótica com a tecnologia. São considerados nativos digitais e também empreendedores engajados.

Com diferenças naturalmente tão evidentes, desenvolver as potencialidades de cada indivíduo no ambiente de trabalho torna-se um grande desafio para os líderes, especialmente quando a tarefa é estabelecer linguagens e processos mediados por diferentes tecnologias.

Por isso, é fundamental para o desenvolvimento de equipes compreender o que move os membros de cada geração e como a tecnologia media e, principalmente, facilita isso.

Diferentes visões de mundo

Pensando no mercado e nos profissionais do futuro, a Forrester, consultoria de pesquisa sobre tecnologia, elaborou o Guia para equipar a força de trabalho da próxima geração. O relatório revela que 74% dos profissionais em 2030 serão millennials e membros da geração Z.

Ou seja, quase ¾ do mercado será formado por trabalhadores com total intimidade com recursos tecnológicos e que terão a expectativa de manter no ambiente de trabalho o mesmo modelo hiperconectado que os acompanha desde o nascimento.

Contudo, pensar sobre como equalizar as diferentes expectativas das gerações em relação à tecnologia não é uma tarefa que pode ser deixada para o futuro.

O relatório da Forrester aponta cinco fatores que servem como base para direcionar as empresas a fim de melhorar a experiência com o uso da tecnologia a partir da visão dos membros das gerações Y e Z.

  1. Hardware: um terço dos trabalhadores da geração Z que usam laptop para o trabalho querem que sua próxima máquina seja tanto para uso profissional quanto pessoal. Essa mesma vontade está em apenas 23% da Geração X e 17% dos Baby boomers.
  2. Software: ferramentas de produtividade ainda são usadas por profissionais mais jovens, porém, com menor frequência do que em comparação com gerações mais antigas.
  1. Segurança: políticas de segurança tendem a ser menos seguidas por gerações mais novas visando aumentar a produtividade. Quase metade dos profissionais da geração Z querem escolher o seu próprio software de segurança. Já na geração dos Baby boomers, apenas 20% tem esse desejo.
  2. Privacidade: a preocupação com a privacidade aumenta com os mais jovens. Vinte e três porcento da geração Z e 21% dos millennials estão preocupados com o acesso da empresa a seus dados pessoais em dispositivos que usam para trabalhar. No caso da geração X, a porcentagem é de 14%, enquanto apenas 9% dos Baby boomers se mostram preocupados com isso.
  1. Mobilidade: profissionais da geração Z têm mais inclinação para trabalhar em coworkings, assim como em vários lugares, como durante o trajeto ou em diferentes locais no escritório.

É preciso considerar também a distinção dos hábitos de cada grupo. Analisar uma prática normal no dia a dia de trabalho como é o networking e a comunicação entre os colaboradores, por exemplo, mostra isso.

Para algumas gerações mais tradicionais, é preciso reuniões e cenários formais, valorizando o olho no olho e o aperto de mão. Enquanto as mais jovens preferem dialogar por meio de mensagens curtas e de calls direto de suas mesas de trabalho ou até mesmo de dentro de um Uber a caminho para algum lugar.

A utilização de mídias sociais como plataformas de comunicação, marketing e engajamento com os clientes também varia de acordo com as gerações, com os millennials e os Z fazendo mais uso desses canais do que seus colegas de trabalho mais velhos.

No entanto, é preciso considerar que mesmo entre os membros de cada geração existem os entusiastas da tecnologia (os early adopters, que adotam as novidades assim que elas surgem) e os que demoram a incorporar as inovações (os laggards, os retardatários).

Conseguir identificar esses perfis dentro da organização pode ser importante para saber quais colaboradores precisam de mais ajuda com novas tecnologias e quais podem se tornar disseminadores de processos que envolvem inovação.

Indo além dos estereótipos geracionais

Atualmente, o mercado de trabalho é comandado, em sua maioria, por líderes membros das gerações X e Y, pessoas que possuem entre 30 e 55 anos. Conforme os integrantes da geração Z ingressam no mercado de trabalho, o cenário das empresas ganha complexidade porque três gerações passam a naturalmente disputar formas de “apropriação da tecnologia”.

De acordo o relatório da Forrester, nos próximos anos, a expectativa é que o ambiente de trabalho siga o mesmo modelo hiperconectado da geração Z.

Contudo, a pesquisa adverte que estudos demográficos baseados apenas em idade podem ser incompletos. E essa incompletude levaria a conclusões estereotipadas, como os dos millennials relacionados à falta de proatividade, ao uso excessivo de mídias sociais e à preguiça, e a geração Z sempre lembrada como de profissionais que apresentam dificuldade de concentração devido à disposição para serem multitarefas.

Afirmações assim, baseadas em estereótipos clássicos, podem induzir ao erro e deixar de lado a própria mudança de expectativa conforme os sujeitos passam por diferentes etapas de suas vidas e crescem em maturidade no ambiente de trabalho.

Deste modo, é preciso manter a perspectiva vigilante para as inovações buscadas pela geração Z. Mas, sem perder o foco de outras informações sobre como esses profissionais ocupam o mercado de trabalho em relação à:

  • Posição que assumem na empresa;
  • Onde trabalham e vivem;
  • Nível de senioridade atingido na área de atuação;
  • Nível socioeconômico.

Essas categorias têm uma correlação mais positiva para explicar o comportamento do indivíduo em relação aos usos e consumo da tecnologia do que apenas a idade.

Portanto, embora os dados demográficos sejam úteis, é preciso extrapolar a fácil associação que se faz entre os mais jovens como pessoas que utilizam mais tecnologia. Segundo a Forrester, usar o critério da idade para buscar profissionais com talento para a tecnologia pode ser um erro.

Assim, a fim de sofisticar as análises e acompanhar os caminhos em que a sociedade direciona a utilização da tecnologia, seja no ambiente de trabalho ou em outras esferas da vida, é importante expandir a visão para além da configuração geracional.


+ Notícias 

A importância do desenvolvimento de competências emocionais em líderes e colaboradores

Dicas para manter a equipe motivada apesar da situação pandêmica 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]