Pesquisar
Close this search box.
/
/
O futuro da segurança nas transações virtuais vai passar pela tecnologia blockchain?

O futuro da segurança nas transações virtuais vai passar pela tecnologia blockchain?

Partindo do uso em criptomoedas para outras áreas, a tecnologia blockchain se mostra cada vez mais segura

Se antes eram vistas como motivo de preocupação, as transações financeiras digitais estão cada vez mais seguras. De acordo com a empresa especializada em análise de dados envolvendo a rede blockchain, CipherTrace, apenas 0,34% das transações com criptoativos foram resultado de ação criminosa no ano passado. Isso significa menos de 1% de movimentações suspeitas registradas em grandes bancos mundiais, de acordo com o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos. 

Assim sendo, a tecnologia usada na elaboração do blockchain vem sendo analisada para uso em outras atividades virtuais que necessitem de grande segurança de dados.  E, com a popularização dos criptoativos, essa cibersegurança deve se tornar ainda mais influente.

O debate sobre a segurança das transações, criptoativos e tecnologia blockchain estarão presentes no Conarec 2021, evento do Grupo Padrão que ocorre nos dias 10 e 11 de novembro. Com ingressos à venda, grandes palestrantes e inúmeros temas, o Conarec 2021 promete ser inesquecível.

Afinal, o que é o blockchain? 

Utilizado pela primeira vez em 2008, o blockchain visava apenas a proteção nas transações de criptomoedas, mais especificamente na rede de Bitcoin. A tradução do nome, “corrente de blocos”, dá uma ideia de sua funcionalidade: blocos de informações são criptografados e inseridos no bloco anterior, formando ligações que não podem ser alteradas depois de processadas.  Assim, a segurança é aumentada, uma vez que não se pode modificar dados publicados na rede.  

“O primeiro bloco, chamado gênesis, é preenchido com as informações (os tokens), e depois é distribuído com cópia para outros blocos. Cada novo dado é agregado a um novo bloco e ligado primeiramente ao gênesis, e seguindo uma sequência de blocos. Os dados ficam, então, descentralizados e interligados”, explica Francisley Valdevino da Silva, CEO da Intergalaxy SA., empresa especializada em tecnologia e comunicação que desenvolve softwares, interfaces e aplicativos através da rede blockchain. 

Uso em outras áreas 

O blockchain é comparado a um “livro-razão”, que não pode ser modificado, tornando-se muito confiável. “É a falta de brechas de segurança que atrai a atenção de outros ramos para o formato. Diversas fintechs já utilizam blockchain e a plataforma também vem sendo analisada para uso em validações de usuários, registros acadêmicos e execução de pagamentos em empresas, entre outros”, detalha o CEO da Intergalaxy. 

Com uma função ampla, o sistema pode ser aplicado em controle transparente e seguro de armazenagem de dados, seja para transferências, acessos, contratos, logins, seguradoras e startups, atendendo uma infinidade de diferentes necessidades. “Ao permitir acompanhar e visualizar dados sem conseguir modificá-los, o blockchain alinha atributos fundamentais como credibilidade, transparência, rapidez e segurança para transações digitais”, completa o especialista. 

Essa tecnologia vem sendo usada, ainda, para contratos inteligentes, armazenamento de informações em nuvem e até emissão de diplomas, com certificações emitidas por universidades registradas em bloco que podem ser facilmente verificadas — diminuindo, por exemplo, o risco de fraudes por pessoas que tentem exercer ilegalmente uma profissão.  

A área de saúde é outra com grandes possibilidades: a preocupação com o sigilo de pacientes pode ser mantida com o blockchain, registrando uma ficha médica inalterável e que pode ser acessada sem expor todos os dados de um paciente, por exemplo. 

Assine a newsletter da Consumidor Moderno

Apps também podem utilizar a tecnologia blockchain  

A sigla dapp deriva de decentralized application, ou aplicativo descentralizado, que nomeia aplicativos desenvolvidos tendo como base a tecnologia blockchain e que funcionam de maneira descentralizada. “Os dapps não são controlados por uma única entidade, como os apps, e seguem um modelo completamente distribuído com código aberto e sem autoridade em particular no controle. Este formato reduz o número de falhas, não necessita de intermediários, descentraliza a informação do usuário (que não fica toda registrada por uma única empresa) de forma segura e sem possibilidade de alterações, além de aumentar a transparência em relação às transações, já que podem ser verificadas por qualquer usuário”, enumera Valdevino da Silva. 

Outra vantagem é que os usuários podem contribuir para a gestão do aplicativo e ainda serem recompensados por isso, fomentando um envolvimento mais ativo dos participantes e o desenvolvimento do aplicativo.  Por outro lado, um grande desafio a ser enfrentado pelos dapps é a adesão em massa, já que existem poucos usuários utilizando esses tipos de aplicativos, o que dificulta o sucesso de um software. 

A cibersegurança no Brasil 

De acordo com o relatório de riscos do Fórum Econômico Mundial de 2020, os ataques cibernéticos e o comprometimento de infraestruturas de informação estão entre os 10 maiores riscos globais em termos de impacto. 

Já no Índice Global de Segurança Cibernética da União Internacional de Telecomunicações, o Brasil ocupa o 70º lugar no ranking internacional e 6º na região das Américas. Nesse contexto, o CEO da Intergalaxy SA., enxerga o cenário da cibersegurança no Brasil como promissor, mas com pontos que ainda precisam evoluir.  

Um passo importante em relação à cibersegurança no Brasil foi dado em fevereiro de 2020, com a publicação do decreto 10.222, que estabeleceu a Estratégia Nacional de Segurança Cibernética do Brasil (E-Ciber) — o primeiro documento oficial que visa proporcionar um panorama sobre o papel do Brasil na segurança cibernética, bem como os objetivos e princípios norteadores para seu desenvolvimento entre os anos de 2020 e 2023.  

“As tecnologias para segurança digital evoluem muito rápido e é preciso acompanhar esse ritmo, entendendo a melhor forma de aplicá-las. E também é preciso uma legislação que compreenda e fortaleça esse movimento, para aplicar cada vez mais de forma segura tecnologias como o blockchain”, sugere o executivo. 


+ Notícias

Cibersegurança: 98% dos sites corporativos estão vulneráveis a ciberataques

Deloitte Brasil pretende se tornar a maior empresa de cibersegurança do País

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]