Pesquisar
Close this search box.
/
/
Frugalidade: o que é essa tendência de comportamento do consumidor

Frugalidade: o que é essa tendência de comportamento do consumidor

A frugalidade está relacionada ao controle de gastos com conforto e sem desperdícios. Entenda esse novo padrão de consumo e como ele afeta o mercado.

O comportamento de consumo com base na frugalidade está em alta, sobretudo, pois a pandemia do novo coronavírus provocou uma recessão global de -4,4%. Os dados são do World Economic Outlook do Fundo Monetário Internacional (FMI) e indicam a pior recessão desde a crise de 1929.

A frugalidade está relacionada à segurança financeira e ao controle de gastos, mantendo o conforto e, ao mesmo tempo, evitando desperdícios. O contexto atual, em que a circulação de dinheiro caiu significativamente e a quantidade de pessoas desempregadas bateu recordes históricos em função da pandemia e das medidas de isolamento social, fez com que considerassem esse estilo de vida e padrão de consumo.

O estudo Barômetro de Covid-19 mostra que 61% dos consumidores no mundo estão mais preocupados com a demora na recuperação da economia global e como isso vai afetá-los. Assim, eles estão mais inclinados a poupar ou pelo menos evitar gastos. 70% das pessoas estão de olho nos preços. Outras 42% estão revendo suas prioridades de compras, deixando-as para momentos mais propícios.

A mudança de hábitos para uma vida de frugalidade leva em conta o consumo, os recursos disponíveis no planeta e o aumento dos preços devido à crise. Qualquer mudança de hábito de compra afeta o mercado, as empresas e a maneira com que elas produzem. Entenda o que muda.

O que é frugalidade?

Há várias definições de frugalidade no dicionário, as mais pertinentes para entender a transformação em curso são moderação, sobriedade de hábitos e costumes e simplicidade. De  qualquer forma, em síntese, se trata de uma vida quase que minimalista.

Ou seja, com excelente qualidade de vida e conforto, mas utilizando poucos recursos. A questão central para o consumidor é saber o que é realmente importante para si e priorizar produtos que, de fato, que tenham utilidade na vida diária.

Isso vale para diversas coisas, entre elas objetos de consumo diversos, alimentos, roupas, tecnologia, decoração, tempo, dinheiro e até recursos naturais.

A premissa é tomar decisões de compra de olho na utilidade das coisas que são consumidas. Os itens, nessa lógica, são escolhidos com base em aspectos funcionais e só são descartados, substituídos ou reaproveitados, quando sua vida útil termina.

Leia também: Pandemia muda hábitos alimentares dos brasileiros 

Valorização do que se tem

Agir com frugalidade significa abrir mão do que é supérfluo, sem necessidade ou que não tenha real importância. Ainda assim, ser econômico é diferente de ser avarento. O estilo de vida está ligado a uma nova visão sobre o consumo, que evita extravagâncias e a ostentação.

Por isso, como vimos, a utilidade e funcionalidade são preocupações centrais para o consumidor frugal. Por que comprar o smartphone mais caro da loja se existem outros com parâmetros semelhantes e que cumprem as mesmas funções? Ou, por que trocar de smartphone se o que eu possuo ainda supre as minhas necessidades e executa perfeitamente as tarefas que preciso?

A pessoa frugal pensa duas vezes antes de substituir o que tem por objetos novos. Portanto, ao mesmo tempo em que se é econômico e consciente em relação ao consumo, a pessoa acaba valorizando mais aquilo que já possui.

Para os consumidores que adotam a tendência, existe um entendimento de que muito do que a sociedade consome não é uma real necessidade ou um desejo existencial. Na verdade, para eles, são necessidades induzidas pela publicidade, mídia e pressão social. Quando tudo isso é percebido, escolhas são repensadas.

Frugalidade nos hábitos diários

A frugalidade está presente em uma série de questionamentos cotidianos, não apenas em relação às despesas financeiras e compras de luxo. Isso reflete em diversas escolhas  feitas ao longo do dia, que devem ser planejadas a fim de alcançar uma vida mais equilibrada:

  • Tenho um casamento para ir e não tenho vestido ou terno para a ocasião. Uma escolha frugal leva ao aluguel dos trajes ao invés de comprá-los para deixá-los guardados após um único uso;
  • Concluí todas as minhas obrigações diárias e, ao deitar na cama para descansar e deixar o sono vir. O que fazer com esse tempo? A frugalidade vai impulsionar a pessoa para algo útil, em vez de gastar o tempo na timeline das redes sociais;
  • Tenho vários livros parados na estante, o que fazer com eles? Criar um grupo de empréstimo, para fazer com que o conhecimento circule;
  • Uma pessoa frugal, contudo, não é adepta de e-readers (dispositivos para leitura de e-books). Além de ser um objeto caro, envolve uma cadeia de exploração para fabricação das peças e depois de um tempo se torna lixo eletrônico.
  • As cascas de algumas frutas, como a banana, geralmente vão para o lixo, porém existem receitas nas quais elas podem ser utilizadas. Uma pessoa frugal opta por utilizá-las, pois além do aproveitamento máximo, gera menos lixo.

A lista de exemplos é infinita e nos mostra o ciclo dessa desconstrução a respeito dos hábitos de consumo. Repensando-o o consumidor é capaz de reverter toda uma cadeia de produção.

Como a frugalidade afeta o consumo

Ao rever seus hábitos e, invariavelmente, descobrir excessos e mudar de atitude, o consumidor acaba comprando menos e estimula empresas a reverem seus posicionamentos e objetivos de negócios. O consumidor tem esse poder e está despertando sobre a importância da mudança de postura para construir um mundo mais sustentável e melhorar sua própria qualidade de vida. As organizações que não se adaptarem perderão espaço de mercado.

Consequentemente, antecipando o impacto da frugalidade como tendência de consumo, as empresas devem partir para um modelo de produção mais sustentável. Isso implica, necessariamente, em:

  • Rever os tipos de insumos industriais utilizados;
  • Atestar a origem destas matérias-primas;
  • Acompanhar o consumo de recursos para produzir com o mínimo possível;
  • Optar por materiais recicláveis paras embalagens;
  • Aumentar o valor agregado ao produto;
  • Tomar precauções para tornar a marca mais confiável;
  • Alinhar os objetivos empresariais aos dos públicos consumidores.

Além de tudo isso, é fundamental garantir que as campanhas de comunicação, marketing e publicidade sejam construídas alinhadas às mudanças de comportamento do consumidor ou todo o esforço da cadeia é desperdiçado.

Para evitar que isso ocorra, é necessário pensar sobre alguns fatores: sua campanha é sustentável? É inclusiva? Expressa os novos valores do seu público? Quais sensações transmite a ele? E, acima de tudo, está de acordo com o que é praticado pela empresa? Se o mundo muda, a marca e como ela produz precisa mudar também.


+ Notícias 

Tendência de mercado: o varejo fashion será mais agênero

É preciso entender o comportamento do consumidor para atender às expectativas

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]