Pesquisar
Close this search box.
/
/
Economia criativa vai criar um milhão de vagas até 2030 no Brasil

Economia criativa vai criar um milhão de vagas até 2030 no Brasil

Área vai ser protagonista na criação de empregos, e abarca áreas tão distintas quanto teatro e machine learning

A economia criativa tem se destacado como um setor em crescimento, impulsionando a inovação, gerando empregos e contribuindo para dinâmica da economia global. A área, multifacetada, abrange uma ampla gama de atividades, que vão de cineastas a arquitetos, passando por web designers e criadores de conteúdo, vai criar um milhão de novos empregos até 2030. É o que aponta levantamento feito pelo Observatório Nacional da Indústria, núcleo de inteligência e análise de dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Essas atividades profissionais representam atualmente 3,11% do PIB brasileiro e empregam 7,4 milhões de trabalhadores no país, segundo dados mais recentes da Pnad Contínua. Daqui a apenas uma década, o total de trabalhadores no ecossistema da economia criativa deve chegar a 8,4 milhões.

Do cinema à realidade virtual, a economia criativa abrange áreas bastante distintas. Pode-se dividi-la em quatro grandes setores:

  • Consumo – arquitetura, design, moda e publicidade;
  • Cultura – expressões culturais, patrimônio e artes, música e artes cênicas;]
  • Mídias – editorial e audiovisual;
  • Tecnologia – desenvolvimento de softwares, jogos, aplicativos e plataformas digitais, inteligência artificial, internet das coisas (IoT).

Leia mais: Espaço em São Paulo impulsiona a economia criativa 

Principais desafios da Economia Criativa no Brasil

Os problemas e obstáculos enfrentados pelo setor são bem conhecidos tanto pelos empreendedores que atuam nele quanto pelos formuladores de políticas públicas. Alguns desses desafios listados no Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, incluem:

Restrição de acesso ao financiamento e crédito para empreendimentos criativos, especialmente aqueles de menor porte. Sendo difícil para pequenos negócios criativos obterem financiamento e crédito para apoiar suas operações e crescimento.

Dificuldade de recrutamento e treinamento da força de trabalho com perfil e qualificação adequada. Esse é outro desafio de encontrar e contratar trabalhadores com as habilidades e qualificações específicas permitidas para o setor criativo, o que pode ser complicado devido à natureza especializada dessas atividades.

Desafios decorrentes da digitalização de mercados e produtos. Com a digitalização em curso, o setor criativo enfrenta desafios relacionados à adaptação às mudanças tecnológicas, à concorrência online e à necessidade de criar produtos e serviços que atendam às demandas do mercado digital.

Política Nacional de Desenvolvimento da Economia Criativa

No Brasil, circula na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 2732/22 que cria a Política Nacional de Desenvolvimento da Economia Criativa. Entre os destaques do projeto, estão a criação de fundos de financiamento para projetos culturais e criativos, a concessão de incentivos fiscais para empresas que investem em cultura e a promoção de ações de capacitação e formação de profissionais do setor.

Uma das principais medidas é incluir a economia criativa no rol das atividades beneficiadas pela Lei da Inovação. Com isso, as empresas ligadas ao setor passam a poder captar, de forma direta, recursos públicos para financiamento de atividades em pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica, além de receber incentivos fiscais.

 

Conheça o Mundo do CX

Renda varia em diferentes segmentos da economia brasileira

Para entender como a renda dos trabalhadores se comportou no quarto trimestre de 2022 em comparação com o mesmo período do ano anterior, o Ipea apontou que os trabalhadores formais da economia tiveram um aumento na renda habitual de 6,2% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Isso significa que os trabalhadores com empregos registrados e formais viram um aumento em sua renda.

Por sua vez, os trabalhadores informais, como aqueles que trabalham por conta própria ou sem carteira assinada – perfil da maioria dos trabalhadores da economia criativa -, tiveram um aumento ainda maior na renda efetiva, com um aumento de 12,3% para os trabalhadores por conta própria e 12% para os sem carteira. Isso significa que os trabalhadores informais viram um crescimento significativo em sua renda real.

Essa tendência se reflete em diferentes setores de atividade econômica. Os setores mais informais, que foram mais afetados pela pandemia, agora estão apresentando um aumento na renda. Isso inclui setores como agricultura, transporte, construção, serviços pessoais e coletivos, alojamento e alimentação.

No entanto, os formais, como administração pública, educação, saúde e indústria, tiveram um aumento menor na renda efetiva. Ou seja, no quarto trimestre de 2022, os setores mais informais da economia estavam se recuperando mais rapidamente do que os setores mais formais em termos de aumento da renda.



+ NOTÍCIAS
Economia Criativa: Solução ou modismo
Economia da atenção: estratégias para conquistar o consumidor

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]