Pesquisar
Close this search box.
/
/
Da inflação aos fatores sociais: saiba o que causa impacto na saúde dos brasileiros

Da inflação aos fatores sociais: saiba o que causa impacto na saúde dos brasileiros

Brasileiros entendem que saúde vai além da parte física e relatam como diversos fatores podem contribuir com uma vida mais ou menos saudável

Os fatores que afetam diretamente a saúde dos brasileiros são variados, sendo que os sociais e econômicos estão entre eles. Inclusive, o “ser saudável” pode ser apontado como diversos para as pessoas que moram no Brasil. Essa definição vai além da parte física, e aborda também o bom estado mental, bons relacionamentos sociais e até mesmo as relações trabalhistas. Os dados foram apontados no relatório “Edelman Trust Barometer 2023: Confiança e Saúde”, com entrevistas colhidas em março de 2023.

Os medos gerados pela economia impactaram diretamente as pessoas ouvidas pela pesquisa. A inflação, por exemplo, foi apontada como um fator que impacta diretamente na saúde dos entrevistados. Além disso, existem fatores que provocam uma desconfiança no sistema de saúde, como a relação com a mídia, a sensação de que o sistema é injusto e os problemas sociais. Os ouvidos pela pesquisa mostram ainda que estão mais dispostos a buscar informações sobre a saúde, e até mesmo comparar o que é dito por variadas fontes.

Leia mais:
A Geração Z é a mais insatisfeita com serviços de saúde comportamental

Fatores sociais, inflação e os impactos na saúde

No Brasil, a população de baixa renda é menos propensa a relatar uma boa situação na saúde. Prova disso é a diferença de 18 pontos de diferença entre quando questionada se a saúde está boa ou melhor, em comparação com a população de renda alta. O estudo mostra que o percentual foi de 40% e 58%, respectivamente. Já aqueles inclusos no grupo de renda média somam 45%.

A nível global o cenário não aponta grandes diferenças. O fator social também é determinante para definir a saúde como boa ou melhor. Os números das respostas mostram 37%, 47% e 57%, sucessivamente para o público de rendas baixa, média e alta.

A inflação pode ser apontada como decisiva na saúde no brasileiro, e com impacto negativo. Por aqui, 85% dos que responderam as questões do relatório disseram que esse fator é determinante. Existem outras situações que, também, podem ser prejudiciais à população do Brasil, de acordo com o estudo. São elas: restrições da pandemia (84%); poluição (76%); exaustão (75%); e desinformação (80%).

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Saúde vai além da parte física

O entendimento de que a saúde aborda outras áreas está presente na vida dos brasileiros. 84% dos entrevistados citam quatro componentes necessários para ter saúde. Questionados sobre o que definem como ser saudável, a saúde mental vem em primeiro lugar (96%). Isso abrange sentir-se feliz e saber administrar as emoções negativas. A saúde física vem em segundo lugar (94%), que significa conseguir realizar atividades importantes, não ter doença ou lesão, bem como ter disposição para administrar a parte física.

Ter boas relações, como pessoas com quem seja possível conversar abertamente e mostrem se preocupar sem discriminação é apontado como boa saúde social para 93% dos entrevistados. Em quarto lugar, está a condição de vida na comunidade. Para 91% da população ouvida, é importante que esse espaço seja limpo, seguro e pacífico.


A jornada da saúde no Brasil será tema de debate no CONAREC 2023!
Você vem?

Onde? Expo Transamérica – SP
Quando? 12 e 13 de Setembro

Ainda não tem ingresso?
Clique aqui! 💬


 

Das empresas aos sistemas de saúde: como os brasileiros se sentem?

Os responsáveis pela saúde da população vão além dos sistemas de saúde, apesar de liderar a pesquisa com 89%. Existem instituições que, segundo o público da pesquisa, podem contribuir com uma vida mais saudável. A exemplo disso está o empregador, que de acordo com 87% dos ouvidos pode colaborar com uma vida mais saudável. Já o Governo ocupa a terceira posição, com 85%.

Das instituições citadas pelo público, apenas o empregador, empresa, ONGs e o sistema de saúde do país tiveram 50% ou mais de respostas quando o público foi questionado se as instituições têm garantido que as pessoas sejam o mais saudáveis possível. Na ordem citada anteriormente, seguem com o seguinte percentual: 73%, 69%, 54% e 50%. Por último aparecem mídia e governo, com 43% e 35% de escolhas entre o público ouvido. Aliás, no Brasil, o empregador é a única instituição que não é da área com confiabilidade em saúde, segundo 78% dos entrevistados.

Leia mais:
Do reajuste às receitas bilionárias: qual o panorama dos planos de saúde?

Dificuldades para ter uma vida mais saudável

No Brasil, 84% das pessoas relataram ter dificuldade em cuidar da própria saúde. Entre as barreiras para isso estão os altos custos, não só da boa assistência, mas também de tratamentos e de opções saudáveis. Diante disso, novamente a renda é um fator determinante. Enquanto as pessoas de renda baixa somam 69% desse público, as de renda alta são 43%, o que mostra uma diferença de 26 pontos.

A falta de informação também é determinante para 46% dos que responderam ao estudo. Entre as dificuldades que provocam esse cenário estão também as mudanças nas recomendações de saúde, e as orientações contraditórias de especialistas.

Por outro lado, a pandemia de Covid-19 trouxe uma necessidade de entender mais sobre o assunto. Prova disso é que 62% dos brasileiros afirmaram que, após a crise de saúde, passaram a se informar mais sobre o tema, contra 8% que se informam menos. O público está também mais criterioso e, com medo de fake news, checando os fatos, como 63% dos entrevistados.

Leia mais:
Índice Geral de Reclamações contra planos de saúde é maior em 2023

Existem também novas exigências para que uma pessoa se considere tratada por inteiro. 80% dizem que, para se sentirem bem, precisam ter as preocupações aliviadas. Esses cuidados seriam: ouvir; levar as preocupações a sério; usar terminologia que o paciente consiga entender facilmente; acalmar em caso de ansiedade; e não fazer com que a pessoa se sinta julgada. Depois, vêm os 76% que querem suas necessidades médicas atendidas. As exigências são: receber os medicamentos necessários; ter acompanhamento após o atendimento; não ter que aguardar longos períodos; e não fazer consultas apressadas.

O público brasileiro busca ainda ser tratado de igual para igual pelos profissionais de saúde. 77% querem saber como as mudanças recomendadas pelos médicos irão se encaixar na vida. Outros 74% dizem que precisam ter voz; eles querem a oportunidade de fazer perguntas sobre suas preocupações. O ser tratado de “igual para igual” inclui também, para 72%, fazer parte da ciência. Esse último grupo comenta que se sentiria mais confortável se as recomendações fossem baseadas em dados coletados de pessoas como os respondentes.

Leia mais:
Carreiras que se alinham à saúde mental: a busca da Geração Z no mercado de trabalho

Como melhorar?

Para além dos fatores que afetam a saúde, existem os que podem contribuir para a melhoria dela, e as empresas fazem parte disso. A soluções apontadas, e seus respectivos percentuais são: melhorar a saúde em suas comunidades locais (78%); fornecer informações confiáveis sobre saúde (78%); abordar questões que afetem a saúde, como clima e desigualdade (76%); e convocar stakeholders para melhorar a assistência à saúde (72%).

As marcas também têm impacto direto nas operações em prol de uma vida mais saudável. 72% dizem que ao decidir quais marcas comprar consideram o impacto que elas, seus produtos e suas práticas comerciais têm na saúde das pessoas.

Já para mostrar a valorização da saúde mental dos empregados, mantendo o equilíbrio entre vida social e trabalho, 85% acreditam que o empregador deve implementar políticas de prevenção da exaustão. Outros 80% defendem que o CEO fale sobre a importância da saúde mental no local de trabalho.

Leia mais:
Número de brasileiro com plano de saúde bate recorde em 2023

O relatório traz ainda três soluções para melhorar a saúde das pessoas:

  • Redução de desigualdade: o custo é o maior impedimento para que as pessoas sejam tão saudáveis quanto querem ser. O indicado seria tratar as questões e iniquidades sociais que afetam desproporcionalmente quem tem menos acesso à assistência à saúde.
  • Empresas devem continuar liderando: as corporações têm papel fundamental em atuar com outras instituições para tratar os fatores sociais que afetam a saúde.
  • Investimento na saúde dos colaboradores: ou empregados se beneficiam quando seus empregadores investem em seu bem-estar. O recomendado é tornar isso parte da estratégia de recursos humanos, especialmente em relação a pessoas no início da carreira e a membros das equipes da linha de frente.


+ NOTÍCIAS
A saúde privada no Brasil é ruim de número
Reajuste de planos de saúde acima da inflação desafia beneficiários

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]