Pesquisar
Close this search box.
/
/
Crowdfunding para grandes marcas: será essa uma tendência?

Crowdfunding para grandes marcas: será essa uma tendência?

Especialista explica por que modalidade pode servir de atalho ao mercado tradicional

Falar de futuro dentro dos movimentos de mercado da internet sempre é um grande desafio, por razões óbvias: a primeira, é justamente a dinâmica inovadora que pode criar, sem qualquer precedente, tendências de mercado nunca antes exploradas. A segunda, está justamente na essência da rede, ou seja, sua imprevisibilidade disruptiva em modificar, de maneira intensa, setores tradicionais, construindo autoridade muito mais rápido. Particularmente acredito que o crowdfunding (financiamento coletivo) encontra-se nesta segunda razão.

Leia também:
7 motivos para investir em uma startup

Se observarmos com atenção, o crescimento das plataformas (sites) de crowdfunding tornou-se exponencial nos últimos dois anos. Já o crescimento do número de projetos país afora cresce diariamente, em escala geométrica, à medida que empreendedores, idealistas e criativos decidem buscam na multidão, a inspiração e validação de suas ideias de negócios, de produtos ou de projetos sociais.

A expansão das plataformas que pretendem viabilizar a abertura de startups (chamado também de ?equity crowdfunding?) sinaliza um atalho aos entraves tradicionais de mercado, tais como crédito, pesquisas de mercado, público consumidor e financiamento rápido com custo baixo. E nesse campo o Brasil ainda tem espaço de sobra, para crescer!

Mas enquanto ainda estamos tentando definir nossos principais nichos de ação em financiamento coletivo, e aguardamos por alguma regulação mínima do setor, países onde as operações de crowdfunding são mais maduras já começam a ditar as tendências deste mercado que cresce a incríveis 60% ao ano. Grandes players mundiais já articulam novas abordagens de mercado, de formato de negócio e de ampliação do escopo do financiamento pela multidão, que certamente chegarão ao Brasil em breve.

Parafraseando Murilo Gun, em suas considerações sobre empreendedorismo, melhor do que buscar novos mercados, é criar mercados, e com isso ?engordar a própria pizza? para que se tenha uma fatia maior dela. Esse trocadilho pode parecer simplório, mas indica com clareza os movimentos das plataformas de crowdfunding mundo afora.

Leia também:
As 5 startups mais quentes do Money 20/20

Uma das novidades recentes, e que certamente ainda não está sendo observada pela maioria das empresas no Brasil (especialmente as grandes!), é a criação de serviços específicos, dentro dos sites de financiamento coletivo, para grandes corporações.

Soa levemente contraditório, já que, em geral, as grandes empresas possuem dinheiro, profissionais, laboratórios e desenvolvedores suficientes para criarem seus produtos, financiarem a produção e lançarem sem a necessidade do uso de terceiros intermediadores de negócios, tais como são os sites atualmente.

Contudo, pense com cautela no ativo mais valioso que as plataformas de financiamento coletivo possuem, e que as grandes empresas, por maiores e mais consolidadas que sejam, dependem fortemente: a validação de mercado sobre o produto (em outras palavras, os consumidores!). Não se pode negar que as plataformas de crowdfunding possuem uma gama variada e extensa de usuários que recebem todos os projetos. Esses mesmos usuários, se motivados, irão financiar os potenciais produtos… só que não para por ai! Esses financiadores estão dando um recado ao mercado: gostamos do produto, queremos adquiri-lo e vamos divulga-lo, o que significa: sucesso!

E as grandes corporações, a par de seus caixas cheios de dinheiro, dependem dessa validação comercial para que não sejam investidos milhões em um lançamento que pode ser um total fiasco de mercado, como já vimos na história recente. Qualquer novo produto, mais do que ser novo e bem feito, precisa ser ?aceito? pelo mercado… e esse poder está sendo concentrado nas mãos das plataformas de financiamento coletivo. E elas estão encontrando uma forma de monetizar isso.

Agregada a esse novo formato, vem uma proposta de propagandas mais direcionadas, robustas e analises dos dados do projeto diferenciadas para grandes empresas. Apesar disso, as plataformas que divulgaram esse novo formato, afirmam que os projetos seguirão o mesmo caminho de todo projeto comum no site, e serão ?testados? pelo público como se fosse um projeto comum… tendo apenas como diferença uma grande corporação como proprietária. Além, é claro, de poderem os sites oferecer a essas companhias toda sua equipe e expertise de serviços em divulgação e trabalho de mercado, muito específicos do segmento de crowdfunding, e que vem sendo muitas vezes negligenciado pelos tradicionais departamentos de marketing corporativo.

Em uma análise mais técnica, ter algumas grandes marcas prospectando projetos dentro dos sites de financiamento coletivo pode contribuir, e muito, para aumentar a credibilidade tanto do site, como da própria empresa. Além disso, os outros projetos dentro daquela plataforma, indiretamente irão se beneficiar, já que grandes empresas trazem novos potenciais financiadores aos seus projetos, muitos dos quais não integravam a base de dados de divulgação.

Ao que tudo indica, adotar meios próprios para que grandes marcas comecem a utilizar o crowdfunding para validar seus novos produtos, parece uma forma barata e muito segura de possibilitar quebras de paradigmas dessas corporações diante de um consumidor mais dinâmico, que quer mais respeito, mais proximidade, e menos indução. E isso aproxima as grandes dos pequenos grande inovadores… que ao final serão seus diretos concorrentes, caso não mudem seu foco de mercado.

Como podem ver, aparentemente é uma boa negociação de ganha-ganha que surge no mercado de crowdfunding! Isso vem impactar positivamente em um setor que esta se mostrando uma das poucas alternativas para as jovens ideias e empresas nacionais, e que possuem em suas mãos excelentes ideias, mas pouco potencial financeiro. Quem sabe com a entrada de algumas grandes, o setor se consolida ainda mais e se mostra cada vez mais atrativo aos financiadores?

Leia também:
7 coisas sobre o equity crowdfunding

Vinicius Maximiliano Carneiro
Advogado corporativo, gestor contábil e financista, Carneiro possui MBA em Direito Empresarial pela FGV. Empreendedor serial, ele é diretor executivo da Etecon Contabilidade, diretor financeiro da Mhydas Fomento Mercantil e presidente no Brasil da Mhydas North America. O advogado comanda ainda o Blog “No País da Fiscalização”, focado no mercado de financiamento coletivo nacional.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]