Pesquisar
Close this search box.
/
/
Coworking é a solução para o retorno do trabalho presencial?

Coworking é a solução para o retorno do trabalho presencial?

Os principais atrativos do formato são a flexibilidade e personalização da estrutura

Muitas pequenas e médias empresas entregaram seus escritórios com a chegada da pandemia como forma de reduzir os custos. Mas, alguns gestores notaram a importância da troca de experiências obtida com o trabalho presencial e não querem adotar o sistema remoto por completo. Aí surge o questionamento: para aqueles que desejam optar pelo formato híbrido, os espaços de cowork seriam a melhor alternativa? Como saber se o negócio se encaixa nesse novo modo de trabalhar?

Segundo pesquisa do Wix em parceria com o OfficeVibe, 70% dos entrevistados se sentem mais saudáveis trabalhando em um local de coworking do que em uma configuração tradicional de escritório. 64% dos coworkers são mais capazes de completar tarefas a tempo e 68% afirmaram que é mais fácil manter o foco.

O conceito do formato, para a CoworkingBrasil.org, pode ser definido como o movimento de pessoas, empresas e comunidades que buscam trabalhar e desenvolver suas vidas e negócios juntos, para crescer de forma mais rápida e colaborativa.

E diante do contexto pandêmico atual, a flexibilidade no trabalho foi colocada em primeiro plano. “As empresas estão repensando as suas estratégias e buscando melhores soluções para atender às demandas de negócios enquanto continuam garantindo segurança e bem-estar aos funcionários. Prevemos uma força descentralizada e, acima de tudo, colaboradores com autonomia para definir o modelo em que possam atingir melhores resultados e aumentar a produtividade”, afirma Lucas Mendes, diretor geral da WeWork no Brasil.

“Assim, tendências como ‘trabalhar de qualquer lugar’ e ‘hub-and-spoke’ (modelo descentralizado, com uma sede menor e mais escritórios satélites) são uma realidade e as companhias em todo o mundo devem tê-las em mente para apoiar seus funcionários e mantê-los engajados”, pontua.

Para Roberta Vasconcellos, CEO do BeerOrCoffee, o coworking é pensado para que todos tenham a melhor jornada de trabalho, inclusive, levando em consideração as medidas de segurança contra a Covid-19. “As pessoas ganham em questões como economia de tempo e qualidade de vida. Já as empresas, em atração e retenção de talentos, permitem que seus colaboradores tenham uma estrutura de trabalho adequada para trabalharem onde estiverem. Com isso, otimizam seus recursos, utilizando e pagando espaços sob demanda”, diz a especialista.

Como saber se o coworking é o formato ideal

No pós-pandemia, aderir a um espaço de cowork parece bem promissor: a troca constante de experiências ajudaria a estimular a criatividade e a produção de trabalhos inovadores por um aluguel com valor bem mais baixo do que o de salas em prédios comerciais comuns.

Entretanto, alguns aspectos devem ser levados em consideração, já que não é toda companhia que consegue se adaptar ao coworking. E isso não é um problema. Afinal, são novos tempos e certos elementos devem ser levados em conta.

“O local de trabalho foi redefinido como um centro de colaboração e produtividade – e o design do espaço precisa evoluir para dar suporte a essa transformação. Os ambientes devem estimular a produtividade, criatividade e engajamento e, para isso, devem ser tão inovadores quanto os colaboradores e as equipes. Vale reforçar que a criação de um senso de comunidade por meio de áreas compartilhadas é outro diferencial essencial”, salienta Lucas Mendes.

Ciente disso, a CEO do BeerOrCoffee reforça que, por trás desses espaços, muitas vezes existe uma equipe multidisciplinar, formada por arquitetos, designers de interiores e fisioterapeutas, que aplicam suas habilidades para deixar as pessoas mais confortáveis. Isso vai desde a escolha de móveis ergonômicos, passando pelas cores, pela iluminação e pelo posicionamento de cada ambiente.

“O coworking possui estrutura adequada aliada com a comodidade por poder ser perto de casa, sociabilização para encontrar pessoas da equipe e com a importância de mudar o ambiente e ter um local inspirador para aumentar a capacidade criativa dos colaboradores, melhorando a saúde mental”, coloca Roberta Vasconcellos.

“Nossos espaços são a casa de empresas de diversos tamanhos e segmentos. Vemos o escritório como um lugar de troca e confraternização, então acreditamos que os espaços compartilhados, que impulsionam o trabalho em conjunto, devem ganhar força. Esse é o diferencial de um espaço que realmente está pronto para o futuro: a configuração é facilmente adaptável. Cada empresa pode organizar a disposição do ambiente de acordo com as suas necessidades”, aponta o diretor geral da WeWork no Brasil.

Na ponta do lápis: o aspecto financeiro do local de trabalho pós-pandemia

Tratar os espaços de cowork como os novos escritórios do futuro depende de um fator bem importante: a viabilidade financeira. Devido à pandemia, muitos negócios tiveram seus caixas alterados, aumento de dívidas pendentes ou até mesmo estão passando por um processo de recuperação e readequação das operações. Por isso, os especialistas explicam como colocar as contas no papel e verificar se, apesar de estar na moda, o coworking é a melhor opção para a companhia no momento.

“Os espaços flexíveis proporcionam uma aplicação muito mais rentável e efetiva dos recursos das empresas. Por conta da pandemia, muitas organizações se viram presas em contratos de aluguel de longo prazo, enquanto o escritório estava totalmente desocupado. Nesse cenário, os espaços de trabalho compartilhados proporcionam versatilidade dos ambientes até a negociação dos contratos em si, que podem expandir ou reduzir a qualquer momento de acordo com a demanda”, explica Lucas Mendes.

Pensando nisso, o especialista elenca algumas questões financeiras positivas da adoção do coworking:

● Com o formato híbrido, o número de funcionários dentro do escritório será variável;
● Redução dos custos diários de mobilidade e deslocamento de suas equipes;
● Pagamento de uma mensalidade única que engloba todos os custos (médias e grandes empresas);
● Eliminação da necessidade de preocupação com gestão de facilities e vertentes operacionais do ambiente de trabalho.

Além disso, em números, a executiva do BeerOrCoffee explica que, com os espaços de cowork, é possível otimizar os custos de escritório/real estate de 30% a 50%, já que esse é o segundo maior gasto das companhias de serviço. “A nossa proposta é que as empresas utilizem escritórios como serviço e sob demanda. O metro quadrado mais caro não é o da Faria Lima, é o que a organização não está utilizando”, salienta.

Análise caso a caso

Não há uma fórmula mágica para a definição do local de trabalho pós-pandemia dada as características e especificidades de cada organização. Todavia, os espaços de cowork possuem atrativos e pontos positivos. Basta que os executivos enxerguem suas realidades corporativas sem romantismo para poder definir, com sabedoria, quais serão os próximos passos.

“O futuro é remoto, ágil e distribuído. Acredito que a pandemia adiantou o futuro do trabalho em cerca de dez anos. Vemos muitos colaboradores e empresas que jamais se imaginaram dentro do trabalho remoto, mas hoje estão tendo mais liberdade e flexibilidade no dia a dia. Com isso, podem ser mais produtivos e mais felizes no trabalho”, finaliza a CEO.


+ Notícias 

Qual é o primeiro passo para melhorar a jornada do cliente?

Saiba como a experiência do cliente mudou durante a pandemia

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]