Pesquisar
Close this search box.
/
/
Comércio brasileiro alerta: “Nossa falência será a do Brasil”

Comércio brasileiro alerta: “Nossa falência será a do Brasil”

Manifesto assinado por principais entidades do setor de serviços alerta para necessidade imediata de equilíbrio de ações

Desde o início da pandemia, o comércio brasileiro entendeu que a crise sanitária exigiria sacrifícios. Interrompeu suas atividades, fechou as portas e segurou o máximo que pode. Quando a situação se amenizou, os empresários reabriram cumprindo todos os protocolos de segurança. Certos negócios tiveram a chance de investir em novas tecnologias e oferecer alternativas aos consumidores, reforçando a segurança e colaborando para que a população não saísse de casa. Agora, na segunda onda, a massa empreendedora brasileira paga novamente o preço de ter fechado as portas, com o agravante de não poder contar com recursos que flexibilizem suas contas.

A previsão é que, se nada for feito logo, as falências vão gerar um movimento falimentar do próprio País.

“Não existe almoço de graça”, lembra o presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), George Pinheiro. “O comércio não é estúpido de achar que tem que abrir tudo como se nada estivesse acontecendo. O que estamos colocando é que é preciso que haja um equilíbrio“, enfatiza o executivo em referência ao manifesto “A Falência do Comércio Será a Falência do Brasil” assinado por 21 entidades nacionais e locais de São Paulo.

O manifesto, publicado em diversos jornais e meios eletrônicos nesta quinta-feira (15), pede urgência para se equilibrar saúde com a sobrevivência do comércio e frisa o papel do comércio para o funcionamento da indústria nacional e os trabalhadores.

O cenário do varejo brasileiro

“Só de lojas dentro de shoppings, são 154 mil em torno de 1.560 shoppings. Pelas nossas últimas informações, mais de 20 mil fecharam e não voltarão. Existem milhares de lojas de rua que não conseguem mais cumprir suas obrigações com aluguéis e funcionários – e existem milhares de empresas de bares e restaurantes que não reabrirão mais”, alerta o presidente da CACB.

Em relação a bares e restaurantes especificamente, uma pesquisa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) realizada no começo do mês aponta que mais de 90% do setor enfrenta problemas para pagar salários – sendo que 76% dos negócios já tiveram dificuldades para pagar a folha de março. Além disso, 73% tiveram de demitir empregados nos três primeiros meses do ano – um reflexo do faturamento baixo e do endividamento alto.

Como lembra o Pinheiro, da CACB, quando a primeira onda de Covi-19 começou a afogar os brasileiros, o comércio nacional foi o primeiro setor a se posicionar e trabalhar junto ao governo para coordenar as medidas econômicas direcionadas à segurança do emprego e bem-estar dos cidadãos. Por meio de suas entidades, o comércio colaborou com a confecção dos projetos que as esferas federais aprovaram para minimizar os estragos da catástrofe, como auxílio emergencial e ajuda ao empresariado.

“O que está acontecendo agora é que milhares de empresas que ficaram praticamente todo o ano passado fechadas sem condições de cumprir compromissos com os próprios funcionários e própria família – pois empregam também seus familiares – não conseguem sobreviver agora. É necessário que a gente tenha um estado que ajude as empresas a pagarem as contas”, esclarece George Pinheiro.

“Da mesma maneira que o governo fez para ajudar as pessoas físicas, é evidente que também precisa fazer com que as empresas tenham recursos para sobreviver”, compara ele.

Contudo, o executivo ressalta que diferentemente de transferências de recursos à empresas – como vem acontecendo em países da Europa e nos Estados Unidos – , o empresariado brasileiro não pede mais que empréstimos para aguentar a segunda onda. “O que os empresários estão pedindo são empréstimos.”

À espera

A recuperação da economia depende das empresas funcionando. Mas, conforme a pandemia se estende, o empresário brasileiro se depara com falta de incentivo fiscal, aumento de impostos e a discrepância entre oferta de crédito e real necessidade de recursos das empresas nos mais diversos setores do comércio. E mais: milhões de empresas ainda têm as dívidas de 2020 para pagar.

“Temos absoluta consciência do conhecimento do governo”, diz Pinheiro sobre a reunião da CACB com a esfera executiva nesta semana. “Mas não tem o que fazer até o final do mês, quando as discussões políticas se resolverem e no primeiro momento voltem a ter as facilidades dos empréstimos de recursos que as empresas recebem dos bancos”, explica o presidente da confederação das associações comerciais e empresariais.

O pedido de urgência do manifesto do setor comercial brasileiro se refere basicamente a uma ação coordenada dos governantes em duas frentes. Uma é a espera de mais de dois meses de uma nova MP dos salários que permita a suspensão de contratos ou redução de jornada – com a contrapartida do BEm, o benefício emergencial. A outra – que agrava a situação do setor de bares e restaurantes – é a demora da prorrogação do prazo de carência do Pronampe, a principal linha de crédito para micro e pequenas empresas.

A prorrogação por três meses já foi aprovada pelo governo, mas os bancos têm autonomia para aderir ou não à decisão. A Caixa Econômica Federal, que é ligada ao governo, é o banco que mais abre concessões de empréstimo pelo programa, mas ainda não liberou as prorrogações.

“Tem que entender que se o governo não tomar uma decisão, a falência do setor será a falência do Brasil”, alerta Pinheiro. “Mas, não há o que fazer a não ser esperar.”

O manifesto

“A falência do comércio será a falência do Brasil”, publicado nos principais jornais e veículos eletrônicos do País traz o seguinte alerta:

“A economia não sobrevive ao comércio fechado. Isto é um fato. Comércio e serviço são quase 70% dos empregos formais. E desde o início da pandemia, estabelecimentos fechados e ainda mantendo o pagamento de impostos foram a regra em todo o Brasil. Em São Paulo capital, o fechamento já acumula mais de quatro meses.

O resultado foi que milhares de estabelecimentos fecharam em definitivo e já falta trabalho para 32 milhões de pessoas em nosso País.

Até quando!?

O comércio é como uma locomotiva que puxa muitos vagões. Se ele parar, a indústria também para. Param os serviços, as escolas, as lojas fecham e a agricultura também é afetada.

Com muita responsabilidade e os cuidados necessários à saúde, o comércio pode funcionar. O comércio não é vilão! Para salvar vidas é preciso salvar sim os pequenos, médios e grandes negócios. Não existe vacina contra a fome e o desemprego.

O que queremos é trabalhar.

Deixem o comércio trabalhar para o Brasil andar.

Senhores governantes, o momento é decisivo e vocês precisam demonstrar a competência para equilibrar saúde com a sobrevivência do comércio.”

 


+ Notícias

5 tendências que vão movimentar o comércio eletrônico em 2021

Inconstitucional, crédito mais caro e ruim para o comércio: os impactos da nova lei de telemarketing de SP

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]