Pesquisar
Close this search box.
/
/
O cinema do futuro: o streaming pode mudar a maneira como se consome filmes?

O cinema do futuro: o streaming pode mudar a maneira como se consome filmes?

Pandemia foi um divisor de águas no mercado do entretenimento e cinemas foram um dos setores mais afetados

Em 2020, o Oscar contou com indicações incomuns: foram 24 originais Netflix concorrendo a prêmios, sendo o estúdio recordista do ano e passando na frente de outros já renomados. A premiação, a mais importante para o mercado do cinema, já havia indicado produções da Netflix no ano anterior, mas houve uma ampliação na quantidade.

Para mais conteúdos de CX, assine a newsletter da Consumidor Moderno

O Oscar, por si só, é um evento que impulsiona o público a ir ao cinema. Muitos filmes, inclusive, tem um grande aumento em sua bilheteria após a indicação ao Oscar ou ao receber o prêmio. Com a distribuição de alguns dos principais filmes feita pelo streaming, essa lógica mudou. Combinado com a pandemia de coronavírus, que fechou cinemas em todo o mundo, as plataformas ganharam ainda mais fôlego e criaram novos hábitos de consumo de filmes e séries.

O consumo de streaming

Assistir à uma série ou filme em plataformas de streaming já faz parte do dia a dia de muitos. De acordo com uma pesquisa da Nielsen Brasil com a Toluna, 42,8% dos brasileiros entrevistados consomem streaming diariamente e 43,9%, uma vez na semana. Apenas 2,5% não assistem nada nas plataformas. Os jovens são maioria no consumo pelas plataformas, enquanto os mais velhos optam por assistir a algo na TV aberta ou paga.

O consumo de vídeos na Internet, de maneira geral, só vem crescendo nos últimos tempos. Uma pesquisa da Kantar IBOPE Media, a Inside Video, mostrou que 99% dos internautas assistem a vídeos na internet, seja nas redes sociais ou nas plataformas de streaming.

O Brasil, inclusive, é um dos países com maior consumo desse formato em todo o mundo, ficando em segundo lugar no ranking. Ou seja, quem consome vídeos na internet e filmes pelas plataformas, o fazem de maneira intensa e cada vez maior.

Por outro lado, o consumo dos streamings podem estar, na verdade, em uma “bolha”. E isso está relacionado à questões financeiras, já que a valor das assinaturas de streaming podem pesar no bolso. E isso não ocorre somente com o streaming: ir ao cinema é considerado um luxo, principalmente nas capitais, onde o valor do ingresso pode custar até 6,66% de um salário mínimo, por exemplo. Assim, se os streamings são vistos como algo caro, ir ao cinema é uma experiência que pode custar ainda mais.

Streamings são o cinema do futuro?

Ainda no início da pandemia, a Universal Studios lançou o filme Trolls 2, um de seus grandes títulos, no streaming após ter suas sessões canceladas por conta do coronavírus. A estratégia deu certo: segundo o estúdio, em três semanas o filme faturou cerca de 95 milhões de dólares, com quase 5 milhões de espectadores, com o formato de aluguel. Isso, sem a plataforma estar disponível em todos os países.

Para mais conteúdos de CX, assine a newsletter da Consumidor Moderno

O movimento foi seguido por outros gigantes do ramo do entretenimento. A Disney, por exemplo, decidiu lançar Mulan, um dos filmes mais esperados daquele ano, diretamente na Disney+, sua plataforma de streaming, no formato de assinatura, sem necessidade de alugar o filme à parte.

Ainda em 2020, a Warner Bros., estúdio detentor de grandes marcas, como a DC (Mulher-Maravilha, Homem de Aço, Batman), anunciou que lançaria todos os filmes de 2021 pelo streaming HBO Max no mesmo dia das salas de cinema. Na época, a plataforma ainda não estava presente em muitos dos países que garantem grandes bilheterias a seus filmes (o Brasil está incluso nisso – o streaming só chegou por aqui no meio de 2021).

Não demorou muito para o estúdio voltar atrás em sua decisão: ainda em 2021, no meio do período de “teste”, a empresa decidiu mudar sua estratégia e lançar os filmes no streaming 45 dias após suas estreias nas salas de cinema.

Em uma live feita pelo grupo Omelete, no YouTube, o tema foi discutido entre os comentaristas: para eles, ainda não é possível afirmar que os streamings vão roubar o lugar do cinema na vida das pessoas. O motivo é claro: dinheiro.

Segundo eles, a decisão de lançar diretamente no streaming pode restringir a ida do público ao cinema, o que afeta principalmente a bilheteria dos filmes e o lado financeiro da indústria do entretenimento.

“A HBO Max faz parte da Warner Bros, então eles vão pagar a si mesmo? É algo complexo”, afirma Marcelo Hessel, jornalista cultural e crítico de cinema.

“A própria Netflix tem uma margem de lucro muito baixa. Eles têm muitos assinantes, mas tudo o que entra de dinheiro é utilizado para suas próprias produções. (…) Você não tem receita de bilheteria na Netflix, por exemplo”, explica o crítico de cinema. A empresa de streaming já lançou filmes em salas de cinema anteriormente, principalmente visando o Oscar, mas em pequena escala. Outro ponto levantado é o da pirataria, pois as plataformas de streaming facilitariam isso, algo que aconteceu inclusive com Mulan, da Disney.

Para mais conteúdos de CX, assine a newsletter da Consumidor Moderno

A barreira financeira aparenta ser uma das grandes questões para os estúdios e plataformas, mesmo com o filme lançado nos dois formatos. Isso porque os cinemas estão sendo liberados aos poucos e os próprios streaming ainda não estão presentes em todos os países ou não atingem o número de assinatura esperado pelas empresas.

Assim, mesmo com produções dignas de estatuetas do Oscar e popularidade em muitos países, o streaming ainda é visto com dúvida dentro da indústria do cinema, principalmente pelo lado financeiro. Aqui no Brasil, depois de um ano e meio fechados, os cinemas reabriram em muitos locais e a maior parte dos estúdios já pensa em seus lançamentos exclusivos para as salas, mesmo com as plataformas de streaming terem crescido por aqui.


+ Notícias

Como os consumidores brasileiros se relacionam com promoção

De olho em mercado inexplorado, fintechs investem no interior do Brasil

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]