Pesquisar
Close this search box.
/
/
Cinco principais tendências que moldarão a economia global pós-pandemia

Cinco principais tendências que moldarão a economia global pós-pandemia

Uma delas é que as economias emergentes continuarão sendo os principais motores do crescimento econômico global

China, Europa e Estados Unidos caminham para um mundo pós-pandemia, mas muita incerteza ainda paira em seus ares conforme o comportamento de consumo reage ao andamento das economias. Por isso, um estudo recente da Euromonitor International buscou identificar riscos e oportunidades para que negócios se adaptem e construam diretrizes estratégicas firmes. No relatório “Economia Global, Finanças e Tendências do Comércio”, cinco tendências são apontadas como formadoras da economia global a partir de 2021.

Vale lembrar que nos últimos dias as projeções para o PIB brasileiro estão surpreendendo, mostrando que, finalmente, a economia está retomando o fôlego e se desvencilhando da crise sanitária. Bancos como o Itaú e o Fibra já preveem uma alta de 5% para 2021, com possibilidade da taxa ser ainda maior.

Diante da melhora do otimismo, de acordo com o estudo da Euromonitor, as empresas devem ficar de olho na recuperação econômica desigual em relação à pandemia, no aumento de dívida pública, na redefinição da globalização, nas atividades de maior valor agregado e na mudança nas fronteiras do mercado, já que esses são os principais fatores que estão moldando a nova era econômica global pós-pandemia.

Confira o enfoque do estudo para cada um deles:

Recuperação econômica desigual

A boa notícia é que a economia global tem tudo para se recuperar em 2021, com um crescimento real do PIB de 5,9% (mas não esqueça, este percentual é em relação a 2020, um ano de retração do PIB global). O estudo da Euromonitor ressalta que essa recuperação está atrelada aos pacotes de estímulo de diversos países, além da aplicação de vacinas e melhora da confiança do consumidor e das empresas.

“O caminho da recuperação, no entanto, permanece desigual para países em todo o mundo, devido às diferenças no controle de infecção, velocidade de vacinação e escala de estímulo”, ressalva o estudo. Embora a expectativa seja de que a economia dos EUA retorne ao nível anterior à crise sanitária já em 2021, a zona do euro, por exemplo, deve voltar aos níveis pré-pandemia só em 2022.

O estudo frisa que a velocidade da recuperação também pode diferir entre gerações e grupos de renda dentro de cada país, uma vez que foram afetados de forma desigual pela recessão econômica.

A recomendação do estudo é que as empresas monitorem o ambiente macroeconômico e avaliem cuidadosamente a receita e a dinâmica de gastos de seus grupos de consumidores-alvo. Dessa maneira, é mais seguro elaborar estratégias adequadas para preços e valores de produtos e serviços.

Dívidas públicas crescentes

O estudo aponta que, em todos os países, a dívida pública aumentou mais rápido em 2020 do que durante a crise financeira global de 2008-2009. Ainda que um aumento nos gastos públicos seja favorável durante uma desaceleração econômica — já que impulsiona a economia —, um alto nível de dívida de longo prazo representará um desafio significativo para os mercados emergentes e em desenvolvimento ​​que têm grandes necessidades de financiamento.

Uma vez que um aumento da dívida pode levar a menores gastos do governo e maior custo de financiamento, a observação do estudo é que empresas e consumidores em países endividados serão impactados negativamente após a pandemia.

Redefinição de globalização

Mesmo antes da pandemia, a globalização já estava em meio a uma mudança profunda impulsionada por desenvolvimentos tecnológicos, caminhos divergentes de crescimento entre economias desenvolvidas e emergentes e o aumento das incertezas geopolíticas que impulsionaram tendências de nacionalismo e protecionismo.

Segundo o estudo, além disso, o comércio global e as empresas multinacionais têm sido submetidas a um escrutínio mais rigoroso, à medida que os consumidores exigem cada vez mais cadeias de abastecimento de bens mais transparentes e socialmente responsáveis.

“A pandemia chocou a cadeia de abastecimento global e revelou sua fragilidade. Em 2020, as exportações globais caíram 7,2% em termos de dólares americanos, enquanto os gargalos de oferta atingiram uma variedade de setores, do varejo à manufatura. Os governos agora buscam mais controle sobre suprimentos essenciais, como remédios e equipamentos médicos, enquanto as empresas buscam criar maior resiliência nas cadeias de suprimentos”, avalia a Euromonitor.

O estudo usa como exemplos a Samsung e o Walmart para embasar a leitura da tendência de reformulação da globalização. A Samsung, lembra o estudo, está transferindo grande parte de sua produção de monitores da China para sua fábrica no sul do Vietnã, enquanto o Walmart planeja investir pesadamente em sua produção local nos EUA nos próximos anos.

Como a globalização se transformará para além da pandemia, terá um impacto na fabricação global, no varejo e no cenário do consumidor, ressalta a Euromonitor.

Atividades de maior valor agregado

As economias em desenvolvimento continuam a mudar das indústrias primárias para atividades de maior valor agregado na cadeia de abastecimento global. Nesses países, a expansão das indústrias de serviços, como varejo, finanças, educação e hotelaria, contribuiu para o aumento da renda, permitindo que os consumidores gastem mais em bens e serviços não essenciais.

Como os varejistas e empresas de bens de consumo não precisam mais depender de lojas físicas para chegar aos consumidores finais, o e-commerce está liderando a revolução nos setores de serviços, especialmente em emergentes como a China. O estudo exemplifica essa tendência com a parceria entre a Starbucks e o dragão chinês Alibaba. A rede de bebidas fechou o acordo em 2020 para serviços de entrega de 2 mil lojas em 30 cidades da China. Segundo o estudo, os consumidores continuarão a favorecer o comércio eletrônico após a pandemia.

Mudando as fronteiras do mercado

Apesar do aumento dos riscos da dívida e dos caminhos incertos de recuperação, as economias emergentes continuarão sendo os principais motores do crescimento econômico global no longo prazo. Entre 2020 e 2040, 75% do crescimento do PIB global virá de mercados emergentes e em desenvolvimento, elevando sua participação na economia global em termos de paridade de poder de compra para 69% em 2040.

Em 2020, essa participação foi de 56%.

“A mudança de longo prazo do poder econômico para os mercados emergentes continuará a apresentar fortes oportunidades de crescimento para empresas e marcas que buscam expandir sua base de clientes em mercados menos saturados”, aponta o estudo. “Por conta de seu tamanho e perspectiva econômica positiva, a região Ásia-Pacífico continua sendo o mercado mais atraente para as empresas.”

Um exemplo disso é o mercado de streaming. Em uma tentativa de dominá-lo globalmente, a Netflix está explorando cada vez mais os mercados asiáticos emergentes, como a Indonésia e as Filipinas, impulsionada pela população jovem da região, habilidade digital e classe média crescente. A Disney+, por sua vez, firmou uma parceria com a gigante Hotstar, na Índia, também visando escalabilidade.

O estudo também frisa o papel ainda maior que os países africanos terão na economia global. O número de famílias de classe média na Nigéria, por exemplo, dobrará entre 2020 e 2040, atingindo 17,4 milhões. “Negócios globais em vários setores, desde finanças digitais até educação e saúde, estão cada vez mais direcionados aos consumidores urbanos da nova classe média africana”, lembra o relatório.

 


+ Notícias

Maioria dos CEOs espera retomada da economia e otimismo ganha espaço

A hora para empresas desenvolverem a economia circular é agora

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]