Pesquisar
Close this search box.
/
/
Cidade chata

Cidade chata

Plataformas digitais criaram novas alternativas de aproveitamento dos interiores de lojas e negócios com visibilidade para as ruas, mas isso incomoda defensores da cidade chata

Há pouco mais de dez anos, quando ainda me dedicava diretamente à atividade publicitária, fui um defensor da chamada “Lei Cidade Limpa”. À parte o estardalhaço marqueteiro, travestido de bandeira política do ex-prefeito Gilberto Kassab, imortalizado por criar um partido que “não é de direita, nem de esquerda, nem de centro” (o que significa que se deixa levar por qualquer governo de ocasião), achei a lei necessária. Como publicitário, criei muitos outdoors e pude prestar serviços para a “Central de Outdoor”, entidade que congregava as exibidoras de mídia exterior no País. Achava a poluição visual em São Paulo estonteante, uma profusão irregular de outdoors, cartazes, empenas, paredes, luminosos, front-lights, telões que se misturavam sem critério algum. A exploração selvagem da paisagem visual da cidade definitivamente escondia a cidade de si mesma.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

A beleza da mídia exterior está na capacidade de trazer uma renovação na paisagem a cada 15 ou 30 dias, com algumas mensagens que se integram ao mobiliário urbano, informando, entretendo e causando curiosidade. O uso desregrado e indiscriminado das possibilidades da mídia exterior, contudo, provoca efeito contrário. Quando usada com sabedoria, em locais específicos, pode ser um convite à população para que ganhe as ruas e se sinta parte da cidade, como vemos em Times Square, em Nova York.

Infelizmente, a Lei Cidade Limpa foi se encorpando a um ponto insuportável, como sempre ganhando vida própria ao ponto de se tornar (mais) um instrumento de tutela de cidadãos supostamente desprotegidos diante da “sanha comercial das empresas”. Após alguns anos de tentativas e informações erráticas, São Paulo ganhou um formato de mobiliário urbano aberto à publicidade, tão sutil, regrado e encaixotado, que mal consegue ser notado.

Por outro lado, as plataformas digitais de comunicação desenvolveram-se velozmente e permitiram criar novas alternativas de aproveitamento dos interiores de lojas, edifícios e negócios com visibilidade para as ruas, trazendo um pouco de colorido, movimento e descontração para o passeio urbano. Essa liberalidade já incomoda os arautos da tutela estatal indiscriminada ao ponto de proporem projetos para regular o que acontece no interior dos estabelecimentos comerciais! Ou seja, a loja procura oferecer informação e publicidade comercial – atividade permitida, necessária e das poucas nas quais o Brasil é referência mundial de qualidade e não de mediocridade – e logo um representante do Leviatã resolve mostrar seu poder para “regular” esse “exercício explícito de venda que impacta cidadãos desprotegidos”.

O resultado dessa cruzada antipropaganda é, além da interferência indevida sobre o interior de negócios legitimamente constituídos, tornar a nossa cidade cada vez mais chata. As principais metrópoles do mundo estão experimentando os benefícios e o potencial de ativação da mídia exterior. Aqui, em nome de pudores, vergonhas e ideologias desconexas, estamos obrigando nossa paisagem urbana à monotonia e ao tédio. Penso até que ponto não podíamos ter atuado no controle da esquizofrenia arquitetônica da cidade, com seus estilos embaralhados, que compõem um tecido urbano que oscila do patético ao mau gosto puro e simples, entremeado aqui e ali por construções supostamente arrojadas que só copiam projetos de outros países, com escárnio e despudor. Aos arquitetos que ajudaram São Paulo a perder e a empalidecer a beleza de seu centro antigo, tornando-o velho e degradado, tudo pode. Às mensagens publicitárias localizadas no interior das lojas, ágeis, bonitas, interessantes, criativas, sobrevém o braço imenso de uma lei mal desenhada.

Convoco os varejistas a reagirem contra a interferência de órgãos municipais em sua comunicação e liberdade de ação. A cidade pode ser limpa, sem ser chata. Telões e mídias que “chamam” consumidores para dentro das lojas, que procuram oferecer conteúdo, diversão, ofertas para as pessoas nas ruas, devem ser valorizados e incentivados. Fazem parte de um estilo de vida digital que se combina com os smartphones para ativar vendas, engajar consumidores e projetar marcas.

Se alguém discorda, solicito uma visita – que seja por vídeo – a Times Square em Nova York, a Champs-Élysées em Paris ou a City de Londres. Não me consta que alguém considere chatas essas cidades.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]