Pesquisar
Close this search box.
/
/
Atual cenário econômico e queda da SELIC impactam investimentos pessoais. Mas como?

Atual cenário econômico e queda da SELIC impactam investimentos pessoais. Mas como?

Artigo detalha o cenário econômico atual - inclusive a queda na taxa básica de juros -, aponta perspectivas e orienta sobre investimentos pessoais

A fase pós-pandemia trouxe uma inflação global, causada pelo desequilíbrio da demanda e da oferta. De um lado, um público que reconquistava seu direito de ir-e-vir, ávido pelo consumo. Do outro, a descontinuidade de inúmeras cadeias de suprimento, em especial, que envolviam a Ásia. A resposta keynesiana veio dos bancos centrais de vários países, elevando suas taxas básicas de juros. No Brasil, fizemos o nosso dever de casa bem mais cedo que o resto do mundo. A SELIC saltou de 2% ao ano, em março de 2021, para os atuais 13,25% – o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou o corte de 0,50 p.p. em 2 de agosto. Em paralelo, o governo anterior se preocupava em manter a meta de superávit primário nas contas públicas e arrefecer o efeito da alta do petróleo sobre os combustíveis, trazido pela guerra na Ucrânia, negociando a redução nos impostos com os estados.

Quando temos a tríade macroeconômica em harmonia – cambial, fiscal e monetária –, temos um efeito positivo, porém retardado, sobre a inflação. Hoje, colhemos o que foi plantado há dois anos.

Mas vivemos um cenário externo ainda contraditório. Enquanto a inflação persiste no planeta – acima de 3% nos EUA, 5,5% na Zona do Euro e quase 8% no Reino Unido –, forçando medidas monetárias contracionistas dos seus bancos centrais, elevando os juros, observamos as bolsas de valores batendo recordes. Desde o final de setembro, observamos o S&P 500 dos EUA bater 27% de alta, o DAX alemão subir 11% e o FTSE 10,0 da bolsa de Londres, chegar a 4,5%.

Perspectivas para 2023 e 2024

Fato é que que o planeta deve crescer menos neste e o no próximo ano. Tendo como base a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), um estudo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aponta para um crescimento global de 2,7% para este ano e 2,9% para 2024, abaixo da média dos dez anos que antecederam a pandemia. O mesmo estudo indica que, para 2023 e 2024, respectivamente, os EUA devem crescer 1,6% e 1%, a Europa em 0,9% e 1,3% e a China, 5,4% e 5,1%. A mesma desaceleração deve ser observada no Brasil, de onde se espera um crescimento de 1,7% e 1,2% para este ano e o próximo.

O mercado brasileiro já dá sinais de expectativas de recuperação. A depreciação do dólar em relação ao real fez com que a moeda americana chegasse à menor cotação dos últimos 14 meses, enquanto o IBOVESPA, índice da nossa bolsa de valores, voltou ao patamar dos 120 mil pontos, superando níveis vistos bem antes das eleições presidenciais.

Leia mais:
O poder da estratégia phygital e da hipersegmentação para o varejo

Com o IPCA caminhando para a meta governamental e queda na SELIC, podemos ter o ambiente perfeito para continuar a queda dos juros futuros da economia – o que incentivaria as grandes empresas a retomar seus investimentos corporativos. Outro vetor importante para as nossas exportações é a perspectiva de aumento internacional dos preços das commodities minerais – Metals & Mining –, endossado pelos estímulos ao consumo da China e o seu bom relatório de produção.

Nesse contexto, temos um ambiente favorável para que a bolsa de valores brasileira possa experimentar novos recordes sucessivos ainda neste ano. A XP Investimentos projeta um IBOVESPA de 128 mil pontos até o final de 2023, enquanto o Grupo Santander aponta 140 mil pontos até o final de junho de 2024. Concretizadas essas projeções, em relação ao fechamento do IBOVESPA de ontem, teríamos um aumento superior a 5% para os cinco últimos meses deste ano e de 15% para o final do primeiro semestre do ano que vem. Em consonância, o Itaú BBA aponta que chegamos ao ponto de indiferença entre renda fixa e ações.

Se a realidade futura materializar todas as projeções atuais, temos oportunidades, tanto na renda fixa, quanto na renda variável.

Cenário de investimentos

Renda fixa

Na renda fixa, há ainda um ambiente para ganhar com o prefixado. Com o Tesouro Direto longo 2029 pagando taxas superiores a 10,5% ao ano, pode-se ganhar de duas formas. A primeira é com a chamada marcação a mercado, ou seja, a queda dos juros futuros confere ao investidor um retorno superior à taxa contratada no período, se quiser se desfazer do papel antes do resgate final ou até a inflação e os juros voltassem a subir. Outra alternativa seria carregar o papel até o vencimento, se os juros não voltassem ao patamar da compra.

Papéis de crédito privado

O mesmo ganho pode ser auferido com os papéis de crédito privado, como as debêntures e os certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) ou do agronegócio (CRAs), que também sofrem marcação a mercado. Todavia, estes ativos carregam um risco maior, pois dependem da saúde financeira dos emissores até a sua liquidação final.

Renda variável

Apesar do IBOVESPA crescer quase 22% só este ano, ainda há espaço para os ativos de renda variável. As ações de bancos ainda aparecem no radar de algumas casas de análise. Papeis, como Banco Itaú-Unibanco (ITUB4) e Santander (SANB4) ainda estão aquém de suas cotações da véspera da pandemia. Se tomarmos aqueles valores como referência, a partir das respectivas cotações hoje, as ações preferenciais do Itaú carregariam um potencial de valorização de até 32%; do Santander, 54%.

Com a retomada do preço internacional do minério de ferro, as ações da Vale (VALE3), se retomar sua máxima deste ano, de R$ 98, pode alcançar retorno de 37%, tendo por base a cotação ondem do papel.

Mercado de fundos de índices

Se o investidor tem pouco dinheiro e baixa aptidão ao risco, mas quer reservar um valor mínimo de sua carteira para renda variável, pode partir para o mercado de fundos de índices. As ETFs (ou exchange trade funds) permite investir simultaneamente e vários ativos, aplicando valores menores, acessíveis até a pequenos investidores.

Nessa classe de ativos, temos a SMAL11, que replica o índice das ações de empresas de menor porte (ou smallcaps) na bolsa de valores, o SMLL. Historicamente, este índice volatiliza mais do que o IBOVESPA. Em outras palavras, se temos a perspectiva de crescimento da bolsa, pode-se esperar que o SMLL suba ainda mais. A grande vantagem de se aplicar neste ETF é que o investidor incorpora a média do desempenho de 117 empresas diferentes, sem se aprofundar em análises sofisticadas, que existem um nível de conhecimento técnico acima da média dos investidores.

Há também a opção de internacionalizar parte da sua carteira de investimentos, sem sair do Brasil. Aproveitando a queda da cotação do dólar, que pode retomar seu aumento quando os EUA voltarem a crescer a patamares antes da pandemia. O IVVB11 e o SPBX11 são ETFs que replicam o índice da bolsa de Nova York, o S&P 500. Analisando o gráfico histórico de evolução da bolsa norte-americana, no longo prazo, nunca se perde dinheiro com o índice, salvo movimentos pontuas em períodos muito curtos de tempo.

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente
 

O segredo está no longo prazo

Muitas pessoas se aventuram no mundo dos investimentos pensando em dar “aquela tacada” que vai lhe transformar em milionários. Isto explica por que o mercado de criptomoedas ganhar milhares de novos adeptos todos os dias, mas expulsa milhares de sonhadores frustrados com a mesma velocidade.

Seja renda fixa ou variável, papéis públicos ou privados, ações ou ETFs, o investidor precisa ter uma estratégia de composição e troca de ativos de sua carteira de investimentos, numa proporção coerente com a sua capacidade de se expor ao risco, em face do retorno esperado. É impossível para qualquer um estar posicionado sempre, o tempo todo, naquele ativo que vai oferecer a maior rentabilidade naquele mês. O mundo dos falidos está cheio de pessoas que juravam ter a resposta para esta prática.

Por isso, a diversificação da carteira é relevante. Quando se aporta uma grana em um ativo, o investidor está exposto a todos os benefícios e riscos que este papel pode oferecer. O que foi bom ontem não será, necessariamente, bom amanhã. A economia muda. Compor sua carteira com ativos diferentes, com características adversas entre si e valores com uma proporção interessante em relação ao cenário econômico vivido, pode gerar, no longo prazo, maiores retornos.

Lembre-se da máxima do megainvestidor Warren Buffett, que sempre mira seus investimentos no longo prazo, seguindo o princípio de se errar o mínimo possível. Com efeito, ao longo de uma vida, você vai errar em algum momento. O importante é saber onde e com quanto se expor, de forma que, se tudo der errado, a perda não o retire do jogo. Busque sempre acertar mais do que errar. Isto fará toda a diferença no futuro.

Roberto Gil Uchôa é Professor e supervisor da Área de Finanças, no IAG – A Escola de Negócios da PUC-Rio



+ NOTÍCIAS
Agibank anuncia mudanças no C-Level

Omnicanal: é possível estar onde seu cliente está?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]