Pesquisar
Close this search box.
/
/
Backer vai produzir álcool gel – e isso diz muito sobre o momento do mercado de cerveja

Backer vai produzir álcool gel – e isso diz muito sobre o momento do mercado de cerveja

Assim como cervejaria mineira, conhecida pelos casos de intoxicação, outras empresas do setor vão produzir álcool gel. E isso pode estar relacionado ao consumo de bebida alcoólica

A cervejaria de Belo Horizonte Backer voltou a aparecer no noticiário nacional, mas desta vez de uma maneira um pouco mais positiva. É que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) autorizou a pequena produtora da bebida a utilizar a cerveja que está parada em tanques há 90 dias para produção de álcool 70%. Ela se junta ao time das empresas que suspendeu a produção de bebida simplesmente pela diminuição do consumo.

Estima-se que a cerveja parada poderá render 28 mil litros de álcool gel. A ideia é doar o produto para o sistema público de saúde para combate ao novo coronavírus, segundo informou a empresa.

Retidos

Ao todo, 472 mil litros de cerveja ficaram retidos nos tanques desde a interdição do local em janeiro, para apurar a contaminação por mono e dietilenoglicol na bebida produzida na fábrica.

O inquérito policial, que completou três meses no início de abril, aponta para 42 vítimas, sendo que nove teriam morrido em decorrência da intoxicação. A polícia segue investigando como se deu a contaminação das bebidas, mas não há prazo para conclusão.

A fábrica da cerveja, que fica no bairro Olhos D’Água, segue interditada até que seja possível afirmar que não há riscos na retomada da produção no local, diz o Mapa. A apuração administrativa do caso também segue.

Movimento similar

Embora a produção de álcool gel seja uma boa oportunidade para a Backer melhorar a sua imagem diante do consumidor cervejeiro, o fato é que a empresa mineira está apenas seguindo uma tendência do seu mercado. E isso diz muito sobre o momento do setor.

Uma das pioneiras nessa iniciativa foi a Ambev, que prometeu produzir um milhão de garrafas com o produto e entregar para a rede pública de saúde. O mesmo movimento foi seguido por cervejarias da Serra Gaúcha, caso da Rasen, e muitas outras no País.

cerveja
Crédito: Divulgação

Ocorre que alguns estudos sugerem que a produção do álcool gel teria relação com a queda no consumo de bebida no País. Um recente levantamento feito pela Abrape, entidade que representa os fabricantes de bebidas como cerveja, cachaça, vinho e outros destilados, mostra uma redução de 51% nas receitas entre 15 e 31 de março.

Embora muita gente diga “Ah, mas eu tenho consumido mais bebida alcoólica em casa”, o fato é que o maior faturamento do setor não está relacionado ao consumo realizado em casa. Outro estudo, desta vez produzido pela consultoria KPMG em outubro do ano passado, afirma que 61% do consumo de bebida alcoólica ocorre em bares, restaurantes e similares – justamente os lugares que foram obrigados a fechar por causa do novo coronavírus.

Ou seja, no fim, no Brasil, a doação de álcool gel se tornou uma maneira para desovar o produto parado na indústria. No fim, um mal menor.

Nos EUA ocorre o inverso

Já nos EUA, curiosamente, existe um movimento contrário ao brasileiro. O americano parece disposto a comprar tanto o álcool gel (também em produção por empresas de bebidas americanas) quanto a própria bebida alcoólica durante a pandemia do COVID-19. Nesse sentido, o destaque é a cerveja.

A conclusão está em um estudo produzido pela inMarket, uma consultoria americana. De acordo com a pesquisa, o consumo de todos os tipos de bebidas alcoólicas cresceu no mercado norte-americano. No entanto, é justamente a cerveja que tem chamado a atenção da consultoria. Por lá, notava-se um aumento no desinteresse dos americanos pela bebida, o que mudou na pandemia.

Agora, a procura pela “gelada” cresceu – e muito. Um exemplo é a cerveja como a Busch Light da Anheuser-Busch, que cresceu impressionantes 44%. Outras marcas também registraram aumentos de vendas de dois dígitos, caso da Miller Lite, Michelob Ultra e Natural Light. Todos eles cresceram entre 14% e 17%. As vendas de Modelo e Miller High Life saltaram cerca de 7%.

Crédito: Divulgação

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]