Pesquisar
Close this search box.
/
/
As crianças estão ganhando smartphones muito cedo?

As crianças estão ganhando smartphones muito cedo?

Pesquisa revela como pais e filhos estão lidando com o acesso a esta tecnologia.

Quase como um brinquedo, que é usado para diversão e até solicitado como presente de Natal, o smartphone está presente na vida das crianças brasileiras cada vez mais cedo. Na faixa com até 12 anos, 44% delas já possuem inclusive um celular próprio. O percentual só é mais baixo do alcançado em 2021, no auge da pandemia (que chegou a 49%).

Este e outros dados foram revelados pela pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box – Crianças e smartphones no Brasil. Para entender como pais e filhos lidam com o acesso a esta tecnologia, o estudo realizou entrevistas com 1745 brasileiros que acessam a internet, possuem smartphone e são pais de crianças de 0 a 12 anos. O levantamento foi feito entre 22 de setembro e 3 de outubro de 2022.

A principal constatação é que o smartphone já faz parte da infância dos brasileiros e, por isso, é uma relação que deve continuar sendo acompanhada de perto. Afinal, as crianças formam um grupo suscetível uma vez que são indivíduos ainda em formação. A pesquisa ainda verificou as principais razões das crianças terem acesso ao celular, tempo de uso e conteúdos mais consumidos. Confira outros insights da pesquisa a seguir.

Todo mundo quer um smartphone

Não só 44% das crianças contam com um smartphone próprio, como 35% usa o aparelho dos pais. Ou seja, na faixa dos 0 a 12 anos, 79% têm acesso a esta tecnologia. De maneira natural, quanto maior a criança, maiores os percentuais: entre 10 e 12 anos, os “donos de celulares” aumentam e 77% já têm seu smartphone individual.

A influência da digitalização é tão grande que estes aparelhos se transformaram em objeto de desejo dos pequenos, como um brinquedo que se espera ganhar de aniversário ou de Natal. A pesquisa da Panorama Mobile Time/Opinion Box também mediu isto e constatou que a maioria das crianças já pediu um smartphone de presente. E, mais uma vez, o percentual sobe de acordo com a idade, começando com 30% na faixa de 0 a 3 anos e chegando a 92% na faixa de 10 a 12 anos.

Para as famílias entrevistadas, a grande influência são os amigos (47%), a publicidade (19%), irmãos e primos (16%) e, por último, os pais (12%). Mas o próprio documento ressalta que, embora seja difícil de admitir, é provável que as crianças espelhem o comportamento dos seus responsáveis, que não largam os smartphones o dia inteiro.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Por que as crianças têm acesso a smartphones?

Ainda que a pandemia e o acesso remoto ao conteúdo oferecido pelas escolas tenham dado um boom no uso dos smartphones para educação, engana-se que este é o principal motivo pelo qual as crianças têm acesso ao aparelho. Na verdade, ele se tornou uma ferramenta de entretenimento.

Entreter os filhos é a grande razão de uso dos smartphones, tanto entre crianças que possuem celulares (60%) quanto naquelas que emprestam o dos pais (55%). Outras justificativas são falar com os pais, parentes e amigos, desenvolver habilidades tecnológicas, por segurança e para estudar.

Mas ainda existem aquelas famílias que não deixam seus filhos utilizarem o aparelho de jeito nenhum. Da amostra total ouvida pela pesquisa, 363 pais optam por essa estratégia e os motivos são: porque o celular prejudica o desenvolvimento da criança (70%), porque é prejudicial à saúde ou por não gostar do conteúdo acessado (38%) e por ter medo que o filho quebre o aparelho (18%).

De fato, são preocupações válidas. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) alerta que, se não forem bem reguladas, as experiências adquiridas por crianças e adolescentes por meio das telas terão impacto no comportamento e estilo de vida até a fase adulta. Além disso, elas podem gerar inúmeras consequências na saúde infantil, como problemas de saúde mental, por exemplo, ansiedade e depressão; transtornos, desde o TDAH a alterações na alimentação e sono; problemas posturais, visuais e auditivos; baixa autoestima, etc.

O tempo de uso e os problemas para a saúde infantil

Um dos problemas apontados pela SBP é também a dependência digital, que vem sendo chamada de Transtorno de Dependência de Tela. No caso infantil, esse vício em telas pode dar sinais quando a criança fica presa ao dispositivo durante todo o dia, faz suas refeições com os olhos grudados no celular e evita outras atividades (esportes, brincadeiras, passeios…) para continuar usando o smartphone.

Neste sentido, a pesquisa Crianças e smartphones no Brasil trouxe dados inéditos e alarmantes. Pela primeira vez, ela solicitou que os pais estimassem quantos minutos seus filhos passam por dia, em média, olhando a tela do smartphone.

Com base nas respostas, as crianças brasileiras de 0 a 12 anos gastam cerca de 3 horas e 53 minutos por dia com o aparelho – o indicado pela Sociedade Brasileira de Pediatria é no máximo duas horas diárias para crianças até 10 anos; aos menores de dois anos, o uso não é recomendado.

O tempo de uso é ainda maior em grupos específicos. A faixa de 10 a 12 anos, meninos e estudantes de escolas públicas utilizam mais o smartphone. Segundo o estudo, isso pode ser explicado pela menor oferta de opções de entretenimento em lares com renda familiar mensal mais baixa ou pelo menor tempo que os pais têm para se dedicar a seus filhos.

Na verdade, a maioria das famílias até entende que deve regular o acesso a esta tecnologia de alguma forma, uma vez que 72% dos pais restringem o tempo de uso, 33% controlam na maior parte das vezes o que está sendo consumido e 85% sabe com quem os filhos estão conversando. Mas nem sempre a intenção se transforma em prática, pois 55% ainda considera que os filhos passam mais tempo do que deveriam com os celulares.

Conheça o Mundo do CX

O que as crianças acessam no smartphone

Uma vez que o que as crianças mais buscam é se entreter com seus celulares, não é à toa que os conteúdos mais acessados por elas giram em torno de vídeos, jogos e redes sociais. Em primeiro lugar vem o YouTube, seguido de WhatsApp, YouTube Kids, TikTok e Netflix. Entre os jogos, destacam-se Roblox, Minecraft, Free Fire e Fortnite.

Aqui, também valem algumas recomendações da SBP. Além da limitação do tempo de tela, é importante que os pais supervisionem o que está sendo consumido nestes app de jogos e vídeos, não permitam o uso durante refeições e antes de dormir, criem regras e recorram a senhas e filtros apropriados para toda a família, e denunciem conteúdos impróprios, como aqueles com teor de violência.


+ Notícias

O craque da geração Z

Carteira digital aumenta ticket médio e recorrência de compra

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]