Pesquisar
Close this search box.
/
/
Os aprendizados do varejo durante a pandemia

Os aprendizados do varejo durante a pandemia

No Conarec 2021, grandes líderes do varejo compartilharam os aprendizados vividos em decorrência do período de isolamento

Março de 2020, quando o período mais crítico da pandemia de Covid-19 iniciou no Brasil e o lockdown foi declarado, um dos momentos mais desafiadores já enfrentados pelas empresas brasileiras foi iniciado. “Diversos segmentos foram impactados e o varejo foi um dos mais afetados. Isso trouxe uma série de aprendizados para as empresas”, introduz Graziela Di Giorgi, autora de O efeito iguana e CGO da Scopen, ao iniciar a mediação do painel “O retorno do consumidor desconfiado: estratégias para enfrentar medos e incertezas”, no Conarec 2021.

“O nível de incerteza gerado na administração das empresas foi algo nunca visto, mesmo com hiperinflação e outros desafios do país”, concorda Sergio Borriello, CEO da Pernambucanas. “Ver todas as lojas fechadas era algo impensável, espero nunca mais ver isso novamente”. Em sua visão, a intensidade do desafio foi importante para compreender o real momento do desenvolvimento digital do varejo nacional. As organizações preparadas tiveram alto volume de vendas, adaptação de experiências e aprendizados. Aquelas que não priorizavam o canal, provavelmente passaram por maus bocados – algo que ficará evidente a partir de agora.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

No caso da Sephora, por se tratar de uma empresa global, os aprendizados vindos do exterior auxiliaram a organização da situação brasileira. “Quando o pior aconteceu aqui, as coisas já estavam acontecendo na Ásia. A agilidade da comunicação globalmente falando levou a uma grande união, gerando trocas sobre o que fazer”, conta Andrea Orcioli, CEO da marca no Brasil.

A executiva conta que a maior preocupação da empresa naquele momento era com relação às pessoas. “Queríamos manter os empregos e para isso a gente precisava garantir a venda pelo digital. Rapidamente, todos foram para a casa, começamos a dar treinamentos para todas as lojas, compartilhamos conteúdo para o digital, aceleramos o omnichannel”, relembra. Foi um momento para iniciar lives e adaptar eventos físicos. A conhecida corrida da marca, “Beauty Run”, foi adaptada para cada participante correr onde pudesse – inclusive em casa. Mesmo com três meses de lojas fechadas, a empresa manteve crescimento frente a 2019 com a performance digital.

Marcelo Roffe, diretor-geral da C&C Casa e Construção, conta que, mesmo com um período menor de lojas fechadas pela categorização do segmento, houve três meses de lojas abertas com movimento extremamente baixo. “As pessoas não circulavam, então é como se a loja estivesse fechada mesmo aberta”, conta. A empresa se adaptou. O e-commerce já era bem estruturado, mas precisou ficar ainda mais robusto, a entrega foi aprimorada para ficar mais rápida e a varejista instalou o sistema de drive thru nas unidades.

Com o retorno de uma circulação maior de pessoas, além da alta aderência ao home office, a companhia passou a ver dias melhores. Com mais tempo em casa, as pessoas também passaram a fazer mais reforma. “O e-commerce hoje vende quatro vezes mais do que vendia em 2019. Foi um período difícil, principalmente no início, mas olhando para trás vejo que conseguimos fazer grandes coisas. Daqui para frente não seremos mais da mesma forma”, analisa Roffe.

Um novo olhar sobre o ponto de venda

A pandemia levou um grande fluxo de clientes para o ambiente digital, um movimento que já vinha em alto crescimento. “As compras online continuarão crescendo, mas sempre haverá espaço para consumidores que preferem a loja física, ela tem seu papel na experiência de compra”, ressalta Graziela.

Essa visão é corroborada por Eneas Cesar Pestana Neto, presidente executivo do Dia Brasil. “Acreditamos muito no físico e no digital. As pessoas querem experiência, querem testar, ter contato, para isso a loja é fundamental”, analisa. No setor alimentício, essa percepção é bastante forte. “O Dia tem uma vantagem que é a capilaridade, somos líderes no segmento de proximidade e vai ser ainda mais forte no futuro com a expansão orgânica” diz. Como já é localizada em bairros, é uma vantagem para ter um alto nível de serviço online para entregas em casa, por exemplo.

No caso da Sephora, Andrea brinca que a loja é como se fosse um parque de diversões. Para o segmento de beleza, o sentir e experimentar são fundamentais na jornada das clientes. “O cliente pode sim comprar por onde quiser, as vezes pode estar dentro da loja, mas comprando pelo mobile. O ponto chave é estar disponível para ele, gerar a experiência”, analisa a executiva. Depois da necessidade de fechar lojas, o grande desafio da marca foi reabrir o ponto físico sem a disponibilidade de testadores, uma limitação imposta pelos protocolos de segurança tão necessários durante a pandemia. No final do ano passado, os testes voltaram de maneira “visual”, apenas os vendedores podem encostar nos produtos.

Diferenciação é a chave

Os varejistas unanimemente concordam que o ponto físico é fundamental. Ao mesmo tempo, essa relevância é mantida de fato quando a experiência oferece algo a mais para o consumidor. A Sephora, que precisou tirar os testers, por exemplo, vê na tecnologia uma aliada para surpreender suas clientes. Um espelho de realidade virtual torna possível que as cores e tipos de maquiagem sejam conhecidos e testados de maneira irreverente. “Outra ferramenta interessante que trouxemos faz uma análise da pele para auxiliar a cliente na escolha de produtos”, conta. “Soluções tecnológicas trazem credibilidade e dinamismo para o relacionamento de compra e venda”, complementa.

Para a C&C, o ponto físico também é primordial para auxiliar os clientes, principalmente quando a compra envolve materiais de construção mais complexos, como uma linha de hidráulica, por exemplo. “A loja para nós tem alguns papéis. Ela é o estoque, que possibilita a pronta entrega; é o nosso showroom, um elemento de inspiração para o cliente e funciona como uma consultoria a partir de nossos vendedores”, elenca Roffe. Há seis meses, a marca criou uma nova experiência: o espaço Personalize, onde os clientes podem solicitar um projeto de reforma ou construção gratuitamente. Ele envolve até mesmo especificações de produto, além de ofertar um serviços de instalação caso o consumidor necessite. “A loja sai do elemento de venda e passa a fazer parte do caminho da jornada da obra”, destaca.


+ Notícias

A importância da experiência phygital no pós-pandemia

Como o NPS alavanca a experiência do cliente no Bradesco

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]