Pesquisar
Close this search box.
/
/
Antropologia do consumo: como a ciência pode ajudar o mundo corporativo?

Antropologia do consumo: como a ciência pode ajudar o mundo corporativo?

Por meio de estratégias, técnicas e pesquisas, a antropologia do consumo analisa o comportamento do consumidor a partir da esfera cultural

Imagine que você é um empreendedor do ramo de calçados e decidiu produzir uma nova linha de sandálias de salto alto. Depois de investir tempo, mão de obra e dinheiro, percebe que o produto está encalhado nas prateleiras e que o público-alvo não para de comprar da marca concorrente. Diante deste cenário, um dos principais questionamentos que virá à sua mente é: “por que os clientes preferem aquele tipo de produto e não o meu?”. E é justamente essa dúvida que a antropologia do consumo busca responder.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Ao contrário do que muita gente imagina, a antropologia do consumo é uma área de estudo que ultrapassa as portas do universo acadêmico e chega até as rotinas corporativas das grandes, médias e pequenas empresas.

Com o objetivo de compreender o comportamento do consumidor, este núcleo de pesquisas tem ganhado espaço em diferentes esferas organizacionais e gerado bons resultados com relação às experiências positivas e assertivas dos clientes.

Diante da importância destes estudos para as corporações, o Conarec 2021 convidou o antropólogo e sócio-fundador da Consumoteca, Michel Alcoforado, para explicar melhor sobre a história e as principais diretrizes desta nova abordagem de investigação.

Mas afinal, o que é a antropologia do consumo?

Compreender o perfil do consumidor e desvendar os hábitos de consumo sempre estiveram entre os principais objetivos de qualquer negócio que deseja aumentar o número de clientes e fidelizar os antigos.

Mas nem sempre foi assim, não! Com a Segunda Revolução Industrial, no final do século XIX, houve um aumento considerável na produção de mercadorias e na elaboração de estratégias que ignoravam as necessidades do público-alvo e valorizavam apenas a otimização do tempo e a redução dos custos.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Prova disso foi o Fordismo, um conhecido modelo de produção industrial que padronizou os produtos, aderiu ao conceito de linha montagem e barateou as mercadorias com o desenvolvimento em massa. Apesar de ter feito um sucesso absurdo nas primeiras décadas, este esquema acabou sofrendo com a crise da superprodução, que contribuiu para o desencadeamento da Crise de 1929.

“Antes do colapso na economia, os empresários só estavam preocupados em entender como o processo de produção poderia ser mais lucrativo e eficaz. Após a crise, houve um aumento na busca pelo equilíbrio entre produção e consumo”, explicou Michel Alcoforado.

Além do controle na produção e da popularização do modelo baseado no “just in time” – filosofia de gestão empresarial disseminada pela japonesa Toyota – as corporações também passaram a buscar alternativas para atender as necessidades do público-alvo e melhorar suas experiências durante a jornada de compra.

A trajetória das pesquisas sobre comportamento do consumidor

De acordo com o sócio-fundador da Consumoteca, as estratégias de venda para compreender o comportamento dos clientes foram orientadas por diferentes vertentes de estudo ao longo dos anos. A primeira delas, por exemplo, sofreu influência da psicologia behaviorista, já que defendia a ideia de que os consumidores deveriam ser treinados para se comportarem como as empresas queriam.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

“Este modelo era orientado pela lógica ‘estímulo-comportamento esperado’ e não alcançou resultados satisfatórios, já que o ser humano é complexo em todos os sentidos possíveis”, afirma Michel Alcoforado.

A segunda vertente que guiou os estudos relativos ao perfil do consumidor diz respeito aos métodos estatísticos, que conduziam as grandes corporações na elaboração de produtos que atendiam os desejos do público-alvo.

A psicologia social conduziu as pesquisas comportamentais da terceira etapa, conforme explicou o palestrante do Conarec 2021. “Esta área olha para o consumidor a partir de suas individualidades, mas acaba considerando apenas os discursos que as pessoas dão quando questionadas sobre suas preferências. Em geral, no campo da consciência, há um universo onde as razões que os consumidores dão para os seus comportamentos, então longe das reais razões que os levam a escolher tal produto e não o outro”, pontua.

Por fim, surge a quarta e última linha de pesquisa: a antropologia do consumo, que investiga não só os discursos proferidos pelos consumidores, como também seus hábitos de consumo.

Visando entender os motivos que levam determinado cliente a escolher determinado produto, esta ciência faz uso de entrevistas , observações não participantes e grupos focais para traçar o perfil do cliente e auxiliar as empresas a elaborarem mercadorias que se adequem às reais necessidades do público-alvo.

Diferentemente das outras vertentes analisadas, a antropologia do consumo leva em conta o fator cultural para observar como ocorrem as relações de consumo dentro de uma sociedade.

“A cultura é uma lente que usamos para enxergar o mundo. Você nasce igual a todos os outros, mas na medida em que vai se desenvolvendo em uma determinada sociedade, vai incorporando a lógica cultural do grupo em que está inserido. Nesse sentido, sob a ótica do conceito de cultura, nos damos conta de que o consumidor é influenciado pelas opiniões da sociedade e age seguindo essas regras durante as compras. É um reflexo da cultura sobre o comportamento humano”, finalizou Michel Alcoforado.

Desse modo, os bens de consumo passam a ser considerados pelos indivíduos tanto como ferramentas que atendem suas necessidades individuais ou coletivas, quanto como forma de inclusão e aceitação no grupo ao qual pertence. E tal descoberta deve ser considerada pelas empresas que desejam atingir o público e se consolidar no mercado.

CEOs
Foto: Grupo Padrão / Conarec 2021

 


+ Notícias

Trabalho remoto: a necessidade que virou oportunidade

Depois da vacina: o que será do comportamento do consumidor?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]