Pesquisar
Close this search box.
/
/
De roupa a móveis: alugar é o “novo” comprar?

De roupa a móveis: alugar é o “novo” comprar?

Movimentações de marcas importantes no mundo provam que o compartilhamento de peças de roupa e objetos (até de decoração) são o que há de mais atual no comportamento de consumo pós-pandemia

Para enfrentar a crise, a Selfridges, uma das maiores redes de magazines do mundo, resolveu criar um departamento em que aluga roupas de luxo. No mesmo caminho, a Ikea, empresa de origem sueca e uma gigante do ramo da decoração e dos utensílios para casa, estuda abrir um espaço de aluguel de móveis na Holanda. Carros, motocicletas, bikes, acessórios fashion… Chegamos no ponto em que basicamente tudo que não é perecível pode ser alugado. E sabe qual é o impacto da pandemia nessa economia do compartilhamento? Ela só fez acelerar essa procura por usar e não possuir.

A tendência já era verificada entre os millennials, os grandes consumidores hoje da Economia do Compartilhamento. Mas essa maneira de ver o mundo também é a da GenY e deve se consolidar num futuro próximo onde as crises ambiental, climática, financeira, política e de saúde (no caso desta e de outras possíveis pandemias) se tornem uma realidade. O valor do ter foi substituído pelo valor do experimentar: em uma reportagem recente do site inglês “The Guardian”, por exemplo, fica provado que os mais jovens querem testar outros tipos de produtos e não se importam de pagar um aluguel para isso – ao contrário de quem está acima dos 40 anos de idade.

Como resultado, na Inglaterra, uma das principais lojas de departamento, a John Lewis, cuja sede fica na mítica Oxford Street, colocou móveis como sofás, escrivaninhas e mesas para serem alugados como parte da nova estratégia de negócios da empresa. Se por aqui, em terras brasileiras, essa hipótese gera estranhamento, basta saber que uma mesa pode ser alugada por lá a partir de 17 libras mensais, em contratos de 12 meses. Quer cadeiras? Pois peças de design custam a partir de 12.

Experimentar passou a ter mais valor do que o ter, por isso alugar e não comprar. Foto ilustrativa: Pexels.

Já na Selfridges, que disponibilizou o serviço de guarda-roupa compartilhado através da plataforma Hurr Collective, há 40 marcas de luxo para seus clientes escolherem, entre elas Burberry, Dior e Bottega Veneta, inacessíveis para a maioria dos mortais em seus preços cheios. Os aluguéis das roupas variam em temporadas de 4 a 20 dias. “O futuro da moda é um guarda-roupa alugado”, disse Victoria Prew, criadora da plataforma, para a “Harper’s Bazaar” UK. “Alugar é uma forma divertida de acessar a moda por uma fração do preço”, completou a executiva fashion.

Sustentabilidade conta 

Além da clara mudança comportamental verificada no pós-pandemia (se é que se pode chamar o atual momento de posterior à contaminação em massa), há outro fator que está influenciando essa posicionamento de mercado voltado para o aluguel de produtos, ao invés da venda pura e simples. Ele é, claro, a questão ambiental. Esta é a atual ambição da Ikea, por exemplo, que quer usar apenas material 100% reciclado para fazer seus produtos: Pia Heidenmark Cook, diretora de sustentabilidade do maior varejista de móveis do mundo, reforça que “as pessoas já começaram a conectar suas escolhas individuais com o declínio da biodiversidade e mudanças climáticas”. Ou seja, para uma empresa que fatura 45 bilhões de euros por ano fazer esse movimento, é porque o caminho do compartilhamento ao invés da produção em massa já se mostra algo sem volta.

No Brasil, essa tendência de aluguel de produtos ainda está devagar. Há muito que avançar nessa área, mesmo que carros e roupas (inclusive de luxo) já possam ser alugadas em grandes centros do país. Mas o movimento ainda está à margem e o conceito de possuir por algum tempo – e não definitivamente – ainda não agrada aos brasileiros. Até porque, em 2013, o país ocupava o quarto lugar entre os mais consumistas do mundo, ficando atrás apenas China, Índia e Turquia, de acordo com ranking feito pela pesquisa global Ipsos e publicado pela revista “Exame”. Com Covid-19 ou sem a mudança está em curso. Quem souber achar oportunidades de negócio não deve se arrepender.


+ Notícias

Com novos hábitos, classes C e D retomam ritmo de consumo de pré-quarentena

O futuro da indústria da moda impactado pela Covid-19

Pix: nova tecnologia vai acabar de vez com o dinheiro físico?


 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]