Pesquisar
Close this search box.
/
/
A álgebra da felicidade: a teoria de Scott Galloway

A álgebra da felicidade: a teoria de Scott Galloway

Um dos painelistas mais aclamados da atualidade, Scott Galloway expõe números e tendências presentes no mapa de desejos do consumidor

Scott Galloway voltou aos palcos do Festival de Cannes Lions este ano. Em 2018 ele detonou as empresas que ele denomina “The Four” (nome dado também a um de seus livros): Amazon, Apple, Facebook e Google. Dessa vez, em um palco bem maior, ele veio falar sobre a Álgebra da Felicidade, uma apresentação disponível também online com mais de um milhão e oitocentos mil visualizações.

Segundo Galloway, a felicidade obedece a uma curva, que atinge o seu nível mais alto quando somos mais novos (o gráfico começa na idade de 16 anos, suponho que antes disso a curva seja ainda mais alta porque a adolescência não me traz exatamente melhores lembranças da minha vida) e vai declinando ano após ano, até chegar no seu nível mais baixo entre os 40 e 50 anos.

Felicidade

A partir daí voltamos a recuperar o nosso elã perdido. Segundo ele, é quando começamos a ver a vida com mais sentido, quando conectamos os pontos perdidos, relações distantes e valorizamos mais as nossas conquistas, as pessoas que amamos e, sobretudo, o tempo que temos disponível por saber que nos resta menos tempo de vida pela frente.

Confira tudo sobre o Festival Cannes Lions

Galloway afirma que o casamento não apenas nos faz mais felizes, mas ajuda a acumularmos mais riqueza. Segundo um estudo da National Marriage Project da Universidade da Virginia, homens casados na faixa dos 26-30 incrementam sua renda anual em dezesseis mil dólares, enquanto homens na faixa dos 44-46 a incrementam em quase vinte mil dólares.

E, por sua vez, que o divórcio não apenas tem impactos negativos no aspecto financeiro, como causa um grande prejuízo psicológico que custa, em média, entre cinco a dez anos para se recuperar. Essa estatística, neste caso, é reforçada por um testemunho pessoal da sua infância. E, ironicamente ou não, dentre os motivos para se divorciar, o principal deles é também o dinheiro, segundo a pesquisa do The Independent, 2018.

Falando sobre felicidade e dinheiro, surge sempre aquela famosa pergunta: dinheiro compra felicidade? Galloway afirma, sem pestanejar: sim! Há um aumento gradual de felicidade até se chegar a um ganho salarial médio de 75 mil dólares anual. A pesquisa de 2010 da National Academy of Science, mostra que após atingir essa média salarial o nível de felicidade não se altera. E, que para que possamos chegar ao nível de segurança financeira que nos garanta uma felicidade (relativamente) plena, devemos começar a economizar cedo. Mas, ressalta: desde que o foco econômico não sacrifique seus desejos, sonhos e busca por aprendizado, principalmente entre os 20 e 30 anos de idade. Traduzindo livremente nas minhas próprias palavras (e minha experiência pessoal), se você investe em você independente da necessidade de ganhar dinheiro, o que você ganhará depois compensará o que deixou de ganhar para se aprimorar.

Felicidade

No gráfico há a comparação do montante acumulado aos 65 anos, ao começar a economizar aos 25, 35 ou 45 anos. A diferença é gritante, mas nada surpreendente aos que já se depararam com a cruel realidade de uma previdência privada tardia.

Em toda essa álgebra combinação de gráficos, o que determina o nosso potencial de sucesso é o nível de resiliência diante das dificuldades que enfrentamos na vida. É a resiliência que determina o nosso nível de sucesso porque há uma clara correlação entre a nossa capacidade de recuperação diante de erros e frustrações, e o nosso nível de felicidade.

E, finalmente, o número e o nível de profundidade das relações pessoais que você nutre são fundamentais nessa composição de felicidade. Você se sente respeitado e admirado? E as pessoas que você ama, elas sentem que você as admira e respeita? Você sente uma sensação de cumplicidade e alegria com os seus próximos? Eles são conscientes de que você sente isso por eles? Você sente um alto nível de apoio e amor da parte deles? E você sabe se eles sabem que você sente isso? São perguntas que não nos fazemos, mas que se conseguirmos ensaiar essas respostas talvez possamos ser mais conscientes da nossa própria felicidade.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]