Pesquisar
Close this search box.
/
/
De falta de acessibilidade à regionalização: quais os problemas do chatbot segundo os especialistas?

De falta de acessibilidade à regionalização: quais os problemas do chatbot segundo os especialistas?

Em um mercado continental como o Brasil, o chatbot enfrenta desafios por conta das particularidades regionais que impactam diretamente a experiência do consumidor

Você é do time que prefere ser atendido por um chatbot ou não abre mão do bom e velho atendimento humano? De acordo com uma pesquisa realizada pelo grupo Sercom, provedor de serviços de CX, em parceria com o instituto de pesquisa QualiBest, este recurso tecnológico ainda sofre muita rejeição no Brasil.

O estudo é resultado de um levantamento que contou com a participação de 1080 pessoas, que revelaram dados importantes para as empresas que trabalham com atendimento ao cliente. Isso porque, do total de entrevistados, 41% afirmaram que não gostam de “conversar” com robôs por telefone, enquanto 35% disseram que detestam chatbots e 65% frisaram que a comunicação automática mostrou-se falha e, por isso, tiveram que recorrer ao atendimento humano para solucionar os problemas.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Apesar da falta de aceitação pela maior parte dos brasileiros, este recurso tecnológico dos chatbots vem sendo cada vez mais empregado pelas empresas nacionais, principalmente por conta da pandemia, que acelerou a digitalização das rotinas de trabalho e a inserção de ferramentas que reduzissem o contato físico entre as pessoas.

A rápida aderência aos chatbots, entretanto, tem motivado o mundo corporativo a encontrar soluções para melhorar a experiência do consumidor e minimizar a imagem negativa do atendimento automatizado.

Leia Mais: De cada 10 lojas virtuais 7 usam WhatsApp e Telegram nas vendas

Expressões regionais tornam-se desafios para os chatbots

O Co-Founder & CEO da Boty, empresa especializada em desenvolvimento de estratégias de negócios para empresas usando chatbots, Diego Altheman, explica que no caso do Brasil, a interpretação e a compreensão das mensagens, por parte dos softwares, estão entre os principais desafios quando o assunto é melhorar a comunicação entre humano e robô. Além disso, o executivo explica que além de ser muito recente no país, os chatbots demandam novas configurações por conta das particularidades de cada estado.

“Um determinado estudo realizado recentemente mostrou que 83,7% dos entrevistados que tiveram contato com atendimento automatizado pertencem a região Sul e Sudeste, o que reforça, por um lado, que a aderência em massa está apenas no início no Brasil e, por outro, que existem ainda grandes barreiras a serem quebradas em determinadas regiões”, explica Diego Altheman,

Entre os principais problemas encontrados nesta tecnologia, segundo o especialista, está a chamada “comunicação complicada”, onde o usuário tem grande dificuldade em se comunicar com o chatbot justamente por conta das regionalizações, das expressões regionais que trazem um desafio adicional para os algoritmos de inteligência artificial. “Pedir uma segunda via de um boleto pode ser muito diferente, na forma de se escrever, entre Sudeste e Nordeste, por exemplo”, diz Diego Altherman.

Ou seja, é preciso ter em mente que não existe uma solução padronizada única que pode funcionar em todo território brasileiro. Sempre vai ser necessário analisar o público e as questões regionais para criar um serviço customizado.

Leia Mais: Atendimento digital: enviar áudio pelo WhatsApp é ou não recomendado pelos especialistas?

Pré-requisito para chatbots, acesso à internet é limitado em várias partes do Brasil

Além desse desafio, há ainda a questão da falta ou do acesso precário à internet no país, considerando que a desigualdade de informação é latente e impacta diretamente no relacionamento entre empresa e cliente. “Enquanto 38% dos domicílios rurais possuem acesso à internet no Norte, este número sobe para 76% quando falamos em uma área urbana no mesmo estado, segundo levantamento do IBGE em 2019. Esta diferença é muito menor nas regiões Sul e Sudeste, onde o acesso nas áreas rurais é de 64% e em áreas urbanas 88%. Desta forma, não só a tecnologia enfrenta dificuldades de regionalização, mas também o acesso a ela, visto que a internet é pré-requisito para ferramentas de chatbot”, pontua o Co-Founder & CEO da Boty.

Diego Altheman acrescenta um último fator que deve ser vencido para que o chamado “atendimento automático” caia no gosto popular: a questão geracional. “As gerações mais novas, independente da região, tem um melhor engajamento com tecnologias e com aparelhos tecnológicos, como smartphones, por exemplo, o que não ocorre, na mesma proporção, com as gerações anteriores, que apresentam certa resistência com tais novidades, como é o caso dos Baby Boomers”, diz o empresário, fazendo referência ao grupo geracional dos idosos, nascidos logo após a Segunda Guerra Mundial.

Conheça o Mundo do CX

Vale lembrar que, embora os desafios sejam evidentes, a inserção dos chatbots nas etapas de atendimento ao cliente podem ser muito benéficas a curto, médio e longo prazo. Isso porque, além de garantir agilidade na comunicação, este recurso auxilia na prospecção de leads quando combinado ao atendimento personalizado, o que facilita o relacionamento harmonioso entre a marca e o público-alvo.

Não há dúvidas sobre a eficiência da tecnologia e da agilidade e economia que ela traz quando bem empregada. Evitá-la não é uma opção para quem quer se manter competitivo, então é preciso encontrar soluções para evoluir na sua utilização.


+ Notícias

Admissão digital avança no varejo e traz agilidade com menos custos

TikTok consolida crescimento e traz oportunidade para marcas

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]