Pesquisar
Close this search box.
/
/
Uso consciente da água é responsabilidade de todos

Uso consciente da água é responsabilidade de todos

Falta de um plano de segurança; fiscalização; consumo indevido e ilegal; reuso... Evento em São Paulo reuniu especialistas para falar da crise hídrica do país e o papel do consumidor

?Não há nada provado que a causa seja uma ação climática?, afirmou Plínio Presidente da AGRU – Agência Reguladora dos Serviços Municipais de Saneamento Básico de Guarulhos – SP, na abertura do fórum ?Água: Uma Responsabilidade de Todos?, promovido pela Docol ? indústria de metais sanitários, pioneira no mercado nacional de economizadores de água -, realizado no dia 10 de fevereiro, no hotel Emiliano, em São Paulo.

Mediado pelo jornalista Heródoto Barbeiro o debate contou com a presença de Levi Garcia (Diretor de Tecnologia e Produção da Docol); Eduardo Pacheco (Diretor Geral do portal Tratamento de Água); Ricardo Reis Chahin (Gerente de Divisão do Programa Uso Racional da Água- Sabesp); Plínio Tomaz (Presidente da AGRU – Agencia Reguladora dos Serviços Municipais de Saneamento Básico de Guarulhos ? SP); Orestes Marracini Gonçalves (Coordenador técnico do PURA – Programa do Uso Racional da Água da USP e Diretor de Tecnologia da ONG Água e Cidade) e Lúcia Helena de Oliveira (Professora Associada do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da USP, Membro da Comissão W062 – Water Supply and Drainage for Buildings do International Council for Research and Innovation in Building and Construction (CIB) e coordenadora do Escritório Regional do CIB na América Latina e do CT Água do Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS)).

O evento foi iniciado com uma discussão sobre os fatores que impulsionaram a crise hídrica no país. Para Eduardo Pacheco, a falta de um plano de segurança da água é uma das questões mais alarmantes. ?Ninguém está cumprindo?. E ressaltou: ?a situação é muito mais grave do que se tem colocado. Comemorar que o nível da Cantareira tem subido 0,5 centímetro é ridículo!?, concluiu.

Já Levi Garcia, Diretor de Tecnologia e Produção da Docol, conduziu o debate para a questão comportamental do consumidor, enquanto Heródoto questionou Ricardo Reis Chahin (Gerente de Divisão do Programa Uso Racional da Água- Sabesp): Pegaram a Sabesp pra Cristo?

Ricardo respondeu: Em certo ponto sim. Se a Cantareira que é o ponto mais crítico, em 2011, os reservatórios estavam com sua capacidade máxima de água. Tivemos que abrir as comportas para reduzir o nível e não transbordar. Contudo, naquela época não tínhamos qualquer argumento para prever uma crise e, a partir disso, fomos pegos de surpresa.

Chahin falou ainda sobre o aumento das fraudes ? consumo indevido e ilegal da água. ?As fraudes subiram assustadoramente nos últimos meses, mais de 2,5 bilhões de litros de água. Isso equivale ao abastecimento da população de Taboão da serra?, explicou.

Segundo Plínio Tomaz (Presidente da AGRU – Agência Reguladora dos Serviços Municipais de Saneamento Básico de Guarulhos ? SP), em 1953 houve uma grande seca e agora emerge a necessidade de se descobrir outras fontes. ?Esses quebra galhos de pegar água do Paraíba do sul não é nada. A solução é o reúso potável da água?, afirmou.

A questão do reuso e dos bens alternativos permearam toda a discussão. Orestes Marracini Gonçalves (Coordenador técnico do PURA – Programa do Uso Racional da Água da USP e Diretor de Tecnologia da ONG Água e Cidade) alertou que os dois termos têm sido muito generalizados e que o momento não é do pânico impulsionar uma grande crise e sim, de reavaliar os comportamentos em geral. Apontou ainda a necessidade de modernização dos sistemas hidráulicos prediais, que são necessários e emergenciais. Ricardo Chahin complementou essa importância revelando que de março de 2014 a fevereiro de 2015, metade dos paulistanos reduziram o consumo em mais de 20% e atingiram o bônus da campanha de economia da Sabesp. Mas somente 34% dos condomínios conseguiram reduzir o consumo, sendo que ainda outros 15% aumentaram o uso da água, mesmo neste momento de crise.

Chahin informou que uma das medidas adotadas pelo governo tem sido o fornecimento de redutores de vazão para edifícios tentando conter um pouco mais o consumo e já estão sendo estudados projetos que preveem tubulações aéreas de fornecimento de água.

A professora associada do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da USP, Lucia Helena de Oliveira destacou três aspectos importantes para conservação da água:

1º  Uso ético da água: ?Devemos aprender procedimentos corretos para o uso da água e termos comportamentos mais políticos. Ora, somente 38,7 % dos esgotos coletados são tratados, isso só mostra como somos pacivos.?;

2° Condições hidráulicas de edifícios: ?Os condomínios devem planejar a manutenção para evitar vazamentos e devem regular as pressões de água adequadas?;

3° – Investimento em tecnologia: ?Temos tecnologia de ponta! Máquinas de lavar roupa são pontos críticos de alto consumo. Temos modelos que economizam água e energia, mas o consumidor prefere a máquina com secadora ao invés de uma máquina economizadora.?.

A tecnologia foi outro ponto muito destacado durante todo o debate. Para Orestes Marracini Gonçalves, as tecnologias devem primeiramente garantir desempenho e qualidade nos produtos. ?Torneiras e chuveiros que liberam água pelos lados, sem o direcionamento correto, pra baixo, exigido pelas normas técnicas brasileiras, causam um desperdício de água absurdo. Afinal, ninguém lava louça ou toma banho fazendo movimento em círculos para o enxague?, brincou com o público.

Finalizando o debate, Lucia Helena alertou o grande risco para o agravamento da epidemia da dengue: ?Ando vendo uma corrida da população atrás de caixas d?água e reservatórios para recolher água das chuvas. Quem garante que a pessoa que recolhe água das chuvas terá a responsabilidade de vedar a água armazenada??.

Outra corrida apontada por Plínio Tomaz foi é a busca pelos caminhões pipas. Segundo ele, quando perguntado se há validade para a água, afirmou que se ela tem qualidade não há validade, mas que o problema é a falta de fiscalização dessa água. Quem irá verificar se essa água é potável e se o transporte da água não teve contato com graxa ou óleo? O debate levou uma hora de duração e contou com a participação de jornalistas e convidados que muito questionaram sobre os problemas de gestão, o projeto de tubulações aéreas, as possibilidades e tecnologias empregadas para a economia de água e a avaliação do cenário atual.

 

Leia mais:

Armazenar água: você pode estar fazendo isso errado

Crise hídrica e os custos: como fica o bolso do consumidor?

Ferramenta simula gastos de água em cada cômodo da casa

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]