Pesquisar
Close this search box.
/
/
Regular ou não os algoritmos das máquinas?

Regular ou não os algoritmos das máquinas?

Na edição de julho da Consumidor Moderno, conversamos com a publicitária e consultora Kate O'Neil. Ela conta um pouco mais sobre a sua posição em defesa da regulação de algoritmos

Foi no início deste ano que a publicitária e consultora de transformação digital, Kate O´Neill, recebeu um convite da revista Wired para escrever um artigo sobre a febre na internet daquele momento: o desafio dos dez anos que surgiu no Facebook. A proposta da brincadeira era publicar duas fotos, sendo uma atual e outra fotografada justamente na década passada.

A hipótese levantada por Kate era de que o desafio não era à toa. Ele teria surgido para treinar a inteligência artificial de reconhecimento facial do Facebook e, assim, aprimorar o tratamento de dados pessoais. O artigo “Facebook’s 10 Year Challenge is Just a Harmless Meme – Right?” (O Desafio de 10 Anos do Facebook é Apenas Inofensivo – Certo?) viralizou no mundo todo.

Agora, a ex-executiva da Netflix e consultora de empresas como Coca-Cola, McDonald’s e Google está às voltas com outra polêmica na mídia americana: a regulação dos algoritmos – ideia que ela defende.

Um papo honesto sobre algoritmos e Facebook

CONSUMIDOR MODERNO: O QUE PENSA SOBRE A REGULAÇÃO DE ALGORITMOS?

Kate O’Neill – É necessário existirem as regulações de coleta e uso de dados pessoais e da otimização algorítmica de experiências e interações humanas. Algoritmos determinam uma grande quantidade de experiências que consumimos na cultura contemporânea – de entretenimento que desfrutamos a compras que fazemos. Na maioria dos casos, as experiências que são criadas para nós podem ser moldadas significativamente pelo conhecimento preexistente de nosso comportamento, nossas preferências, nossos relacionamentos, e assim por diante. As regulações devem refletir os melhores esforços do governo para proteger os cidadãos, mas também incentivar o comércio e a inovação saudáveis e éticos.

CM – UM DOS PILARES DA DISCUSSÃO SOBRE A REGULAÇÃO DE ALGORITMOS DIZ RESPEITO ÀS QUESTÕES RELACIONADAS AO PRECONCEITO RACIAL. ELES SÃO REALMENTE PRECONCEITUOSOS?

KO – Os vieses nos algoritmos têm sido amplamente estudados e ocorrem dentro de uma ampla gama de negócios no mundo todo. Especialistas como Safiya Noble, Shoshana Zuboff, Cathy O´Neil, Joy Buolamwini, Virginia Eubanks, Sara Wachter-Boettcher, Zeynep Tufekci, entre outros, têm estudado o impacto sobre o uso de dados sobre os diferentes algoritmos de impacto que podem ter – e não somente dentro de sistemas como a aplicação da lei e a justiça criminal, mas em aplicações mais amplas do dia a dia, como seguro, saúde, moradia e além.

As primeiras análises indicam alguns resultados preocupantes quanto ao preconceito, sim. É preciso aprimorar o uso de algoritmos

Facebook Kate O'neill

Um sistema de regulação de dados saudável e sustentável

CM – QUAIS SÃO OS PONTOS NEGATIVOS E POSITIVOS DE UMA REGULAÇÃO DE ALGORITMOS?

KO – Um dos pontos negativos de uma regulação de dados e algoritmos seria a própria regra ser mal concebida, mal informada ou até impossível de ser aplicada. Regulamentos pouco desenvolvidos podem impedir ou retardar a adoção de regulamentações bem projetadas posteriormente.

Nesse sentido, uma regulamentação correta de coleta de dados e o uso e a otimização algorítmica de experiências e interações devem fornecer clareza e limites em torno do uso ético e produtivo dos dados pessoais. Leis apropriadas protegem melhor os consumidores – o que, por sua vez, poderia estimular uma maior confiança do consumidor. Em geral, um ecossistema de dados bem regulado deve ser saudável e sustentável, além de incentivar a inovação sem comprometer as pessoas.

CM – VOCÊ PODERIA NOS CONTAR SOBRE ESSA DISCUSSÃO EM SEU PAÍS?

KO – No início deste ano, a deputada Alexandria Ocasio-Cortez (Democrata de NY) fez comentários públicos sobre como os algoritmos podem ser tendenciosos. Algumas pessoas ridicularizaram a parlamentar, mas ela recebeu o apoio de acadêmicos e especialistas no assunto. Costumo dizer que “somos nós que codificamos as máquinas com base em nós mesmos”. De certa forma, isso resume a declaração da deputada: “Codificamos nossas decisões, nossos valores e, sim, os nossos vieses nas máquinas à medida que criamos as regras dos softwares que ajudam as pessoas em suas vidas. Ao mesmo tempo, isso também significa que temos a oportunidade de codificar o melhor de nós mesmos e desenvolver políticas que incentivem aqueles que criam experiências algorítmicas e baseadas em dados para torná-los significativos, úteis e mutuamente benéfico

LEIA TAMBÉM: AT&T é acusada de vender dados de localização dos seus clientes

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]