Pesquisar
Close this search box.
/
/
Queridinho do Brasil, Veja quebra sua grande tradição

Queridinho do Brasil, Veja quebra sua grande tradição

Produto desperta para uma cultura de marca mais aprofundada na relação social para geração de valor e consequente aumento de performance.

O produto de limpeza que está em dezenas de milhões de casas do Brasil e que você conhece há décadas quebrou sua grande tradição como produto. Isso porque estamos em uma era em que produtos que queiram sobreviver precisam ser reinventados, e com o Veja não seria diferente.

A famosa marca de limpeza está encerrando sua tradição de foco no desempenho do produto para um olhar holístico sobre ele. Óbvio que performance não foi deixada de lado — isso só quer dizer que, dos últimos anos para cá, ela se supera integrando outros elementos. “Estando tão presente na vida dos brasileiros, a gente começa a ter uma posição de protagonista. Assim como qualquer celebridade, a gente tem responsabilidades ambientais e sociais”, entende a head de Marketing do Veja na Reckitt Hygiene Comercial, Carolina Frenkiel.

Troca de cuidado para geração de valor

Frenkiel exprime bem a ideia de avanço performático orientado por uma visão abrangente do produto na vida das consumidoras e consumidores. “A gente consegue se conectar falando que protege o lar, mas precisa entender que o lar é o planeta. E, para falar isso, precisamos saber quem são as camadas mais vulneráveis ao nosso arredor. Por isso, o ‘nosso global’ é alinhado com os objetivos da ONU para desigualdades sociais.”

Sendo assim, a marca criou um vínculo com as trabalhadoras do lar, que são por acaso o olhar mais crítico do produto. “Ninguém melhor que elas para dizer os produtos necessários para uma casa. Ao mesmo tempo, quando colocamos o produto nas mãos delas também começamos a entender sua realidade. Há mais trabalhadoras domésticas que médicos e advogados no País. A gente vê que elas não são valorizadas, seus direitos foram formalizados em 2013, mas até hoje muitas delas e seu empregadores não os conhecem bem”, aponta Frenkiel.

“Temos nos alinhado a elas para entender suas dores. Trazemos especialistas de mercado, membros de sindicato das trabalhadoras domésticas e workshops para tratar de desigualdade e se colocar como marca de maneira empática a elas”, explica Frenkiel.

Desde o ano passado, o Veja promove programas educativos com causas, como conhecimento em direitos, e a criação de uma plataforma informativa para elaboração de contratos. A marca também atua pela sócio-profissionalização da categoria apoiando um curso promovido pela ONG Themis — Gênero, Justiça e Direitos Humanos, além de workshops para as trabalhadoras domésticas, realizados pelo coletivo Indique uma Preta.

As descobertas nessa troca de cuidado para geração de valor têm sido significativas para os profissionais envolvidos na gerência de propósito da marca. Ao conhecer a realidade das trabalhadoras, o Veja aprendeu que 40% delas desejam voltar a estudar, e que suas filhas e filhos estão alcançando níveis educacionais mais elevados que elas. “Elas se olham e têm orgulho delas”, diz Frenkiel com satisfação. “Por isso que o histórico é de performance de produto, mas agora o novo capítulo é de construir com a sociedade.”

Além dos pilares da inovação e da responsabilidade social da marca, o Veja também tem se engajado na luta contra o plástico, já que 70% da produção de plástico da Reckitt são voltados ao produto. A meta é reduzir o uso de plástico virgem em 50% até 2030. O jeito é, obviamente, mudar a embalagem. “A gente mudou os gatilhos [dos borrifadores] para que sejam reutilizáveis e introduzimos o refill com cada vez mais doypack e menos embalagens. Isso reduz os plásticos na gôndola”, explica Frenkiel.

Desenvolvimento de produto

O desenvolvimento de um produto de sucesso em tempos de ESG não acontece sem centralidade do consumidor no negócio. A certos produtos de escala e demanda mais inelástica, talvez uma empresa com estrutura corporativa leva mais tempo para perceber sua obsolescência. Mesmo um produto multiuso de limpeza pode estar mais alinhado a seu tempo se a cultura corporativa não impuser uma estrutura global e regional pra inovações. O case do Veja, como visto, sugere que isso é imprescindível.

“A gente tem um grupo focado em performance de produto, uma área de fragrância e uma de químicos”, comenta Frenkiel sobre a multidisciplinaridade do Veja para estabelecer as inovações que tenham significado ao consumidor. “A gente ouviu muito sobre o poder desengordurante do coco em conversas nas redes sociais. E assim a gente acabou de trazer o Veja Power Fusion, que mistura bicarbonato, coco e álcool.”

Sendo assim, o Veja tem claro que a fórmula one size fits all há um bom tempo não serve mais. Prova disso é o aumento mais expressivo dos produtos para funções específicas — que, na pandemia, se acelerou. “Com a pandemia, entendemos a partir das pesquisas que as pessoas começaram a falar não só de limpeza, mas também de desinfecção. Uma coisa que fizemos, então, foi ampliar campanhas de limpeza pesada com portfólio de desinfecção”, lembra a executiva.

Tempos de aperto e tendências de consumo no varejo

A conexão que o Veja busca com os consumidores não está só em um ESG silencioso. Diversas tendências de consumo vistas no varejo são detectadas pela marca que oferece um produto a diferentes faixas econômicas de um país marcado pela desigualdade. “No momento de crise, vimos um comportamento antagônico. As pessoas não querem arriscar seu dinheiro e não compram o que não conhecem a qualidade. Há sim uma parte com a renda muito comprometida e que faz substituições. Por isso, temos que garantir a distribuição do Veja Multiuso. Mas há também os adeptos a novidades e querem produtos especialistas”, esclarece Frenkiel.

Àqueles com propensão a experimentar novos produtos, o Veja experimentou a tendência do cashback no consumo. “Fizemos cashback e deu muito certo, com o lançamento do formato em gel no ano passado”, lembra a executiva explicando que a promoção incentivava o público a provar novos produtos especialistas para uma nova cultura de limpeza. “Vimos que depois da promoção as vendas continuaram crescendo.”

 


+ Notícias

Entenda como Carrefour está quebrando o último tabu do ESG

OMO anuncia primeira embalagem feita à base de papel

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]