Pesquisar
Close this search box.
/
/
Premium acessível é aposta tech para classe média na inflação

Premium acessível é aposta tech para classe média na inflação

A classe média brasileira é quem mais consome internet no Brasil - mas, mesmo assim, não pode comprar produtos tech; daí o premium acessível

A inflação apertou os cintos de consumidores por todo o mundo. Entre a Pandemia e a Guerra da Ucrânia, houve grande variação de preços, e consequente mudança no consumo. No Brasil, vimos principalmente a classe média voltar-se para a compra de itens de necessidade e abandonar pequenos luxos e compras maiores.

A classe de produtos tech foi uma das que mais viu diferença no modo de vender. Se mesmo antes as Classes C, D e E não eram grandes consumidores de produtos tech premium, agora o são menos ainda. Mas as classes A e B também diminuíram o consumo de bens duráveis, especialmente tecnologias e eletrodomésticos, nos últimos anos. O comércio precisava encontrar uma solução. Esta foi a introdução do “premium acessível.”

Leia mais:
A Inteligência Artificial do Google te manipulará para comprar

O consumo de tech na classe média brasileira

A classe média do Brasil vive uma relação complicada com a tecnologia. Mais de metade dessa parcela não tem smartphone, conforme pesquisa do Google. O número é ainda mais impressionante quando pensamos em computadores: só 2% da classe média tem PCS, GfK Consumer Life 2022.

Mesmo assim, a Classe C corresponde a 36% dos acessos à internet no Brasil. São 48,3 milhões de pessoas – número similar às Classes A e B. 78% desses acessos são por meio de smartphones – desktop fica em segundo lugar, com 10% dos acessos.

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Vale também notar que, desde 2019, os estudos mostram que os brasileiros se importam cada vez menos com promoções, e passam a considerar cada vez mais nomes de marcas e valores empresariais para comprar. De acordo com a gfknewron Consumer Intelligence, “marca” e “características dos produtos” aumentaram em importância (+3 a 4pp), enquanto “promoções” se tornaram menos atraentes (-5 a 6pp).

Ou seja: existe a demanda de consumo de internet pela Classe C brasileira. Porém, é considerável indagar como é feita a oferta.

Conheça o Mundo do CX

“Premium acessível”

O Brasil é expert em inventar soluções para facilitar o consumo. Créditos especiais em lojas, carnês, crediários, parcelamentos… Existiram diversas estratégias para fazer as classes mais apertadas consumirem. Em uma nova crise, não é surpresa que exista uma ideia inovadora.

A solução foi criar a ideia do “premium acessível.” Sabendo que o brasileiro valoriza cada vez mais marcas, mas ainda precisam de preços intermediários para poder consumir, marcas consolidadas lançaram linhas de produtos com qualidade e valor de compra ligeiramente inferiores, mas ainda com o “selo” daquela marca.

Leia mais:
Inteligência Artificial impacta debates de direitos autorais em músicas

A prática não é realmente nova – desde cerca de 2012 existe “Knock-offs” de grandes marcas fazendo uma segunda linha de qualidade – como a Brasil Cacau e Kopenhagen, ou Jacques Janine e Basic Beauty. Mas há duas principais diferenças: a primeira, que não se cria marcas com nomes diferentes para produtos mais baratos, e sim engloba tudo em um guarda-chuva. A segunda, o crescimento enfatizado no tech.

Como explicou Felipe Mendes, Managing Directior Latin America da GfK, “esta é uma grande oportunidade para marcas que já estão consolidadas e de confiança dos consumidores. Produtos de alta tecnologia com preços competitivos e um ou dois graus abaixo dos modelos ‘high premium podem explorar o mercado premium acessível e aumentar assim a sua participação de mercado, mantendo as marcas lucrativas. Combinada com opções de pagamento, como financiamentos de longo prazo, a oferta se torna irresistível para o público-alvo.”

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Premium acessível na prática

A primeira parte de consolidar-se como premium acessível é garantir que o consumidor veja a marca assim. “É a interpretação do consumidor sobre o que constitui ‘premium’ que importa, e não a do fabricante. E o ônus é do fabricante em definir exatamente as características do ‘premium acessível’ para garantir que as expectativas do consumidor sobre aquele produto correspondam com poder de compra no presente,” explicou Fernando Baialuna, Head of gfkconsult Latin America da GfK.

Talvez um dos exemplos de premium acessível mais claro no Brasil seja a JBL. A empresa começou nos EUA como fabricante de autofalantes industriais para shows. Só chegou no Brasil em 2010, oferecendo produtos premium – e logo todo camelô tinha um fone ou autofalante falso da marca.

Conheça o Mundo do CX

A resposta foi popularizar e criar produtos oficialmente JBL que atendessem a todos os bolsos do público. Hoje, você encontra produtos da JBL no varejo que vão desde R$ 59 reais por um fone de ouvido simples a R$ 8 mil por uma caixa de som premium (e, nos opostos, você encontra fones por R$ 2 mil e caixas de som por R$ 250).

Diversas marcas apostaram no premium acessível para se espalhar pelo Brasil: a Xiaomi chegou aqui em 2015 e, em 2022, era uma das cinco marcas de smartphone mais compradas do país. Percebendo a proposta de baratear enquanto oferece qualidade, marcas como Motorola e Samsung foram na onda, e viram as vendas crescerem.

Leia mais:
O poder da inteligência artificial: 10 estratégias inovadoras para turbinar o e-commerce e surpreender os clientes

Mas… E as empresas brasileiras? Bom, nem só de smartphones vive a tecnologia. Fabricantes locais ganham destaque e papel fundamental na produção e venda de pequenos eletrodomésticos, e também ocupam parte das vendas dos grandes eletrodomésticos.

A chave, explica Baialuna, é “considerar os custos de importação de componentes eletrônicos para a produção local. Os consumidores estão cada vez mais buscando produtos acessíveis, mesmo que isso signifique sacrificar alguns recursos ou funcionalidades. No entanto, eles ainda desejam ter as maiores marcas. O desafio para os varejistas é encontrar o equilíbrio certo entre a proposta de valor das maiores marcas e o protagonismo das marcas locais. Navegar com sucesso nesse cenário competitivo será fundamental para o sucesso dos negócios na região”.



+ NOTÍCIAS
Vale a pena abrir mão da proteção de dados para marcas na internet?

Transformação digital: desafios e caminhos para gerar valor

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]